Topo

Geek


Thor: Em 2011, Natalie Portman brigou com a Marvel por demissão de Patty Jenkins

Natalie Portman segura o Mjolnir na San Diego Comic Con - Kevin Winter/Getty Images/AFP
Natalie Portman segura o Mjolnir na San Diego Comic Con Imagem: Kevin Winter/Getty Images/AFP

Caio Coletti

Do UOL, em São Paulo

22/07/2019 10h22

O anúncio de Thor: Love and Thunder, próximo filme da franquia do deus do trovão, surpreendeu os fãs da Marvel durante a Comic-Con por conta de um "detalhe" em específico: o retorno de Natalie Portman como Jane Foster, a ex-namorada do herói, que vai se tornar a nova versão de Thor, como já aconteceu nos quadrinhos.

A volta de Portman para a Marvel vem quase oito anos depois de um desentendimento entre a atriz e o estúdio. Segundo Kevin Feige, o chefe da Marvel, quem convenceu a estrela a retornar foi Taika Waititi, diretor de Thor: Ragnarok que vai voltar para a sequência: "Eles tiveram apenas uma reunião, e ela aceitou", comentou o executivo.

A briga entre a Marvel e Portman aconteceu no final de 2011, quando Thor: O Mundo Sombrio estava em pré-produção. Na época, o estúdio tinha contratado Patty Jenkins, que mais tarde dirigiria Mulher-Maravilha, para comandar a aventura -- mediante forte campanha encabeçada por Portman, que queria trazer uma mulher para a direção de um épico de super-heróis da empresa.

No entanto, poucos meses depois, Jenkins acabou deixando o projeto. Como apontou matéria do The Hollywood Reporter na época, fontes divergiam nos motivos do afastamento da diretora, com uma das versões apontando que a Marvel ficou nervosa com o ritmo mais lento do trabalho de Jenkins, preocupados com a data de estreia do filme, que na época já estava definida para 2013.

Outras fontes, no entanto, diziam que o estúdio ficou nervoso mesmo com a visão ousada de Jenkins para o filme. A cineasta teria entregado uma proposta muito específica para como gostaria de fazer o filme, e os executivos da Marvel embarcaram graças ao entusiasmo de Portman com a contratação -- mas depois começaram a duvidar da decisão.

Qualquer que tenha sido o motivo, Portman ficou furiosa com a demissão de Jenkins. Alan Taylor, que dirigiu vários episódios de Game of Thrones, acabou sendo contratado para dirigir Thor: O Mundo Sombrio, que estreou em novembro de 2013 com algumas das críticas mais mornas da franquia Marvel. Portman cumpriu o seu contrato e atuou no filme, mas não apareceu mais nos longas da saga.

Isso só mudou em Vingadores: Ultimato, onde Jane aparece rapidamente durante uma cena passada em Asgard, exatamente durante os eventos de Thor: O Mundo Sombrio. O momento foi construído reaproveitando filmagens do longa de 2013, com a adição da voz de Portman, que compareceu ao estúdio brevemente para gravar algumas falas.

Desde a briga entre a Marvel e Portman, o estúdio provou que está disposto a contratar mais mulheres para a direção. Anna Boden dirigiu Capitã Marvel, lançado este ano, ao lado do marido Ryan Fleck, enquanto dois dos cinco filmes da Fase 4 da Marvel serão dirigidos por mulheres: Viúva Negra (de Cate Shortland) e Os Eternos (de Chloé Zhao).

Thor: Love and Thunder chega aos cinemas em 5 de novembro de 2021.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Geek