PUBLICIDADE
Topo

Filmes e séries


Gagliasso exalta recepção de cubanos a Marighella: "Aguardo isso no Brasil"

Do UOL, em São Paulo

11/12/2019 17h43

Bruno Gagliasso exaltou a recepção de cubanos ao filme Marighella, dirigido por Wagner Moura, e que teve a sua estreia cancelada no Brasil, através de sua página nas redes sociais.

O ator contou que o longa foi aplaudido pelo público no Festival de Cinema de Havana "uma, duas, três, quatro, cinco vezes" por mais de duas mil pessoas, em sala lotada, e acrescentou dizendo que "aguarda ver isso no Brasil também".

"Desembarquei em Havana para o Festival de Cinema e logo recebi uma onda de amor. Essa é a minha segunda vez na ilha e ainda mais encantado por tudo. Exibimos em sala lotada, mais de duas mil pessoas. E foi de arrepiar ouvir o cinema aplaudindo Marighella uma, duas, três, quatro, cinco vezes. Mais um país, mais uma exibição. O mundo inteiro já conhece e aplaude essa história. Aguardo o dia em que poderemos fazer isso no Brasil. Ele virá", encerrou Gagliasso, esperançoso.

O filme Marighella teve a data de estreia adiada após não conseguir cumprir a tempo os trâmites exigidos pela Ancine (Agência Nacional do Cinema) para a liberação de verbas que já tinham sido usadas na produção e precisam ser ressarcidas.

O longa chegaria aos cinemas em 20 de novembro, Dia da Consciência Negra no Brasil. Ainda não há nova data prevista.

Em agosto, a O2 havia entrado com um recurso na Ancine solicitando a liberação de verbas para a comercialização do filme antes da assinatura efetiva do contrato com o FSA (Fundo Setorial do Audiovisual), mas o recurso foi negado.

Em outra apelação, os produtores também pediam ressarcimento de despesas pagas com dinheiro da produtora no valor de mais de R$ 1 milhão, por meio do mesmo mecanismo.

O filme

Inspirado no livro Marighella - o Guerrilheiro que Incendiou o Mundo, do jornalista e escritor Mario Magalhães, o longa narra os últimos anos do ativista baiano Carlos Marighella, que recorreu à luta armada para enfrentar a ditadura militar brasileira e terminou morto por agentes do estado em uma emboscada em 1969.

Estrelado pelo cantor e ator Seu Jorge, o filme, o primeiro dirigido por Moura, foi lançado no Festival de Berlim em fevereiro, com Bruno Gagliasso, Adriana Esteves, Charles Paraventi, Humberto Carrão, Bella Camero e Luiz Carlos Vasconcelos no elenco. A produção recebeu elogios da crítica internacional.

Filmes e séries