O maior de todos

Como Vingadores: Ultimato detonou o recorde de Avatar e se tornou a maior bilheteria da história do cinema

Lello Lopes Do UOL, em São Paulo
Divulgação

Depois de quase dez anos, o cinema tem um novo rei de bilheteria. Vingadores: Ultimato ultrapassou Avatar e se tornou o filme que mais arrecadou nos cinemas. Segundo o Box Office Mojo, o longa dirigido pelos irmãos Joe e Anthony Russo chegou no final de semana a US$ 2,790 bilhões ao redor do mundo, cerca de US$ 1 milhão a mais que o épico de fantasia lançado por James Cameron em 2009.

Avatar precisou de 234 dias para chegar aos seus números finais. Vingadores: Ultimato atingiu a marca em pouco menos de três meses, mas a história desse recorde começou mesmo em 2008, com o lançamento de Homem de Ferro, o filme que mudou o cinemão -e a cultura pop - para sempre.

Entretanto, fazer parte do Universo Cinematográfico da Marvel (MCU) não é a única explicação. Saiba o que mais fez Vingadores: Ultimato se tornar o maior filme de todos os tempos.

Reprodução/Montagem Reprodução/Montagem

Sucesso na China

Uma boa parte do sucesso comercial de Vingadores: Ultimato vem da China. O filme arrecadou no país impressionantes US$ 614,3 milhões. É mais do que alguns blockbusters recentes, como Shazam!, X-Men: Fênix Negra, Dumbo, Jogador Número Um e Transformers: O Último Cavaleiro, conseguiram em todo o mundo.

Avatar também teve um bom desempenho na China, fechando com um pouco mais de US$ 200 milhões, mas que representaram apenas 7% de sua bilheteria total. Já o peso chinês na arrecadação de Vingadores: Ultimato atingiu 22%.

Isso aconteceu principalmente por dois fatores: o mercado cinematográfico chinês é muito maior agora do que há dez anos (60 mil salas de cinema hoje em dia, contra 5 mil da época) e o fato dos heróis da Marvel terem rompido a bolha que coloca os filmes locais no topo da bilheteria. Vingadores: Ultimato é o dono da terceira maior bilheteria da história dos cinemas da China, sendo o filme estrangeiro que mais faturou no país. No top 10 chinês, apenas ele e Velozes & Furiosos 8 vieram de fora do país.

Reprodução Reprodução

O truque do relançamento

Depois de uma estreia arrasadora, com mais de US$ 1,2 bilhão arrecadados no primeiro final de semana, a expectativa era que Vingadores: Ultimato ultrapassasse Avatar em poucas semanas. Mas o ritmo de arrecadação do filme caiu e a quebra do recorde ficou em risco.

Foi aí que a Disney, dona da Marvel Studios, fez um truque. Ela trocou a cópia de Vingadores: Ultimato que estava em cartaz, acrescentando uma cena extra e alguns bônus para os fãs. Nada que alterasse a essência do filme, mas que serviu para o público voltar aos cinemas.

A tática deu resultado. No final de semana do relançamento, a bilheteria nos EUA foi 207% maior que a do final de semana anterior. O filme passou a ser exibido no dobro de salas no país e a arrecadação voltou a subir, proporcionando a quebra do recorde justamente na hora do anúncio da Fase 4 da Marvel na San Diego Comic-Con.

O fator Disney

Em 2009, quando James Cameron apresentava Pandora ao mundo e levava multidões ao cinema com Avatar, a Disney fez uma das jogadas mais lucrativas de sua história. A empresa comprou por US$ 4 bilhões a Marvel Studios.

"Isso é perfeito do ponto de vista estratégico. Esse tesouro de mais de 5.000 personagens oferece à Disney a capacidade de fazer o que fazemos de melhor", disse à época Bob Iger, chefão da Disney. E a visão de negócio se mostrou bem acertada: desde que produziu o seu primeiro filme da Marvel, em 2012, o estúdio já arrecadou mais de US$ 18 bilhões em bilheteria.

A casa do Mickey bancou Kevin Feige, o chefão da Marvel, como a mente criativa por trás de todo o MCU e apostou, com sucesso, em filmes tão diversos quanto Guardiões da Galáxia, Pantera Negra e Thor: Ragnarok. Além disso, a Disney conseguiu um acordo com a Sony, dona dos direitos do Homem-Aranha no cinema, para usar o personagem no MCU.

Com o dinheiro da Disney, a Marvel conseguiu fazer praticamente tudo com sua caixa de brinquedos, de contratar atores da elite para novos projetos (como Benedict Cumberbatch em Doutor Estranho e a oscarizada Brie Larson em Capitã Marvel) a usar o que tem de melhor em tecnologia em efeitos visuais.

Vingadores: Ultimato é o ápice de todo esse investimento, tanto no valor de produção quanto no material humano. O filme se dá ao direito de dispor de pontas de astros do calibre de Robert Redford e Michelle Pfeifer.

Opinião

Demorou uma década pro recorde de Avatar cair. Eu não consigo imaginar um cenário em que um filme ultrapasse Ultimato pelo menos por um período igual.
ler mais

Roberto Sadovski

Roberto Sadovski, blogueiro do UOL

Reprodução/YouTube Reprodução/YouTube

Os fãs

É claro que nada disso teria dado resultado se Vingadores: Ultimato não fosse o filme mais esperado do cinema moderno. A conclusão de uma saga iniciada onze anos antes, com duas dezenas de filmes, foi algo inédito no universo cultural. E a Marvel/Disney soube explorar muito bem o engajamento dos fãs com a franquia Vingadores e os personagens do MCU.

A começar pelo final de Vingadores: Guerra Infinita. A derrota dos heróis e o desaparecimento de metade dos personagens, entre eles queridinhos como Homem-Aranha e Pantera Negra, serviram para aguçar ainda mais a curiosidade dos fãs. Que eles iriam voltar em Ultimato não era muito segredo, afinal Homem-Aranha: Longe de Casa já estava em produção e Pantera Negra 2 já estava acertado, mas a questão era "como?".

As pistas foram raras. O primeiro trailer demorou muito para sair. E o vídeo revelou pouco da trama do filme.

O resultado é que a curiosidade (e o medo de spoilers) provocou uma corrida para as primeiras sessões de Vingadores: Ultimato. No Brasil e nos Estados Unidos os sites que vendem ingressos para o cinema chegaram a ficar fora do ar por causa da alta procura.

O que eles disseram

Obrigado aos fãs de todo o mundo por elevarem Vingadores: Ultimato a alturas históricas, colocando-o como o filme com maior bilheteria da história.

Chris Hemsworth

Chris Hemsworth, ator que faz o Thor nos filmes da Marvel

Oel ngati kameie. Eu vejo vocês, Marvel. Parabéns a Vingadores: Ultimato por se tornar o novo rei da bilheteria.

James Cameron

James Cameron, diretor de Avatar e Titanic

Para James Cameron - você é uma razão monumental pela qual nós nos apaixonamos pelo cinema. Obrigado por sempre nos inspirar, e por abrir os olhos do mundo para o que é possível.

Anthony e Joe Russo

Anthony e Joe Russo, diretores de Vingadores: Ultimato

As 10 maiores bilheterias da história do cinema

  1. 1

    Vingadores: Ultimato (2019)

    US$ 2,790 bilhões

    Imagem: Divulgação
  2. 2

    Avatar (2009)

    US$ 2,789 bilhões

    Imagem: Divulgação
  3. 3

    Titanic (1997)

    US$ 2,187 bilhões

    Imagem: Divulgação
  4. 4

    Star Wars: O Despertar da Força (2015)

    US$ 2,068 bilhões

    Imagem: David James/Divulgação/Lucasfilm
  5. 5

    Vingadores: Guerra Infinita (2018)

    US$ 2,048 bilhões

    Imagem: Reprodução
  6. 6

    Jurassic World (2015)

    US$ 1,671 bilhões

    Imagem: Divulgação
  7. 7

    The Avengers: Os Vingadores (2012)

    US$ 1,518 bilhão

    Imagem: Divulgação
  8. 8

    Velozes & Furiosos 7 (2015)

    US$ 1,516 bilhão

    Imagem: Reprodução
  9. 9

    Vingadores: Era de Ultron (2015)

    US$ 1,405 bilhão

    Imagem: Divulgação
  10. 10

    Pantera Negra (2018)

    US$ 1,346 bilhão

    Imagem: Divulgação
Divulgação Divulgação

É o maior mesmo?

Em termos absolutos, não tem discussão. Vingadores: Ultimato é o maior filme da história, em se tratando de bilheteria. Mas se a gente contar com a inflação desde a criação do cinema, o longa dirigido pelos irmãos Anthony e Joe Russo ocupa o quinto lugar.

Nesta lista alternativa, o líder é ...E o Vento Levou. O drama épico de 1939 arrecadou na época (e em seus relançamentos) US$ 402 milhões. O valor corresponde hoje a US$ 3,728 bilhões. Em segundo lugar aparece Avatar, com uma bilheteria corrigida de US$ 3,273 bilhões. Titanic (1997) e Star Wars (1977) também arrecadaram mais que Vingadores se descontarmos a inflação das últimas décadas.

Divulgação Divulgação

Curtiu? Compartilhe.

Topo