Topo

Após morte de Andre Matos, líder do Angra desabafa: "Somos a p... de uma família"

Relembre a trajetória musical de André Matos

UOL Entretenimento

Maurício Dehò

Do UOL, em São Paulo

2019-06-11T09:31:26

11/06/2019 09h31

O guitarrista Rafael Bittencourt, um dos fundadores do Angra e companheiro por quase uma década de Andre Matos na banda, fez um longo desabafo ontem, no Instagram. O vocalista morreu no sábado, e Rafael falou sobre sua relação com ele e sobre os poderes da música, em tom de desabafo.

"A música toca as pessoas maneira íntima. E os laços que resultam de uma afinidade musical é mais profundo do que as pessoas se dão conta. 'A música deve unir e não afastar as pessoas.' Uma frase emprestada do Milton Nascimento mas que tem sido minha guia há muitos anos. Sabemos que nossas emoções e outros fluxos egoicos interferem na prática desta teoria, mas com a dor, a lição", disse ele.

Rafael adicionou: "Seguimos todos mais fortalecidos e mais unidos. Porque agora até o mais imbecil dos fãs percebeu de maneira dura e trágica que somos a porra de uma família."

O guitarrista desde sábado vem prestando homenagens a Andre, principal compositor do Angra ao seu lado. No dia da morte, o Angra se apresentaria em São Paulo. O show foi cancelado, mas reuniu os fãs, e Rafael chegou a tocar no violão "Carry On", clássico do grupo de heavy metal.

Pati Patah
Rafael Bittencourt, guitarrista do Angra Imagem: Pati Patah

Ainda no desabafo, continuou: "Não se trata de cantar de mãos dadas e nos chamarmos de lobinhos escoteiros mirins. Se trata de enxergarmos que somos uma matilha de loucos apaixonados por um estilo musical que mexe com os alicerces do que somos. Nos conecta. Nos expõe".

Rafael se mostrou incomodado com os anos de intrigas, principalmente por conta da separação do Angra, ainda na década de 1990. "Temos a responsabilidade na área da cultura e da educação de sermos modelos e guiarmos ao crescimento mental e espiritual que a música proporciona. Para que essa música que fazemos com tanta seriedade não vire apenas um pano de fundo dos melindres e frustrações particulares do público e/ou de profissionais que não enxergam esse propósito maior".

E concluiu: "Estou bem machucado, mas sei que não estou sozinho nesta dor. Sei que agora o futuro a nossa frente já será bem diferente."

Andre Matos tinha 47 anos e, segundo comunicado, sofreu um ataque cardíaco. Ele vinha se apresentando com o Shaman, numa reunião com o grupo, e tinha carreira solo. De acordo com o empresário Paulo Baron, da Top Link, com quem trabalhou por anos, Matos chegou a dizer na última semana que tinha intenção de se reunir com o Angra, após mais de duas décadas separados.

A música toca as pessoas maneira íntima. E os laços que resultam de uma afinidade musical é mais profundo do que as pessoas se dão conta. "A música deve unir e não afastar as pessoas." Uma frase emprestada do Milton Nascimento mas que tem sido minha guia há muitos anos. Sabemos que nossas emoções e outros fluxos egóicos interferem na prática desta teoria, mas com a dor a lição. Seguimos todos mais fortalecidos e mais unidos. Porque agora até o mais imbecil dos fãs percebeu de maneira dura e trágica que somos a porra de uma família. Não se trata de cantar de mãos dadas e nos chamarmos de lobinhos escoteiros mirins. Se trata de enxergarmos que somos uma matilha de loucos apaixonados por um estilo musical que mexe com os alicerces do que somos. Nos conecta. Nos expõe. Já é hora de mostrarmos aos mais jovens e virgens da vida que a carcaça de coragem é uma das brincadeiras ingênuas que compactuamos. Somos frágeis e precisamos um do outro para sobrevivermos. Assim como o futebol brasileiro não é admirado internacionalmente pelas richas de torcidas e sim, por sua qualidade e beleza. Que os profissionais do metal saibam que as richas pertencem às multidões apaixonadas imaturas e ainda em formação. Temos a responsabilidade na área da cultura e da educação de sermos modelos e guiarmos ao crescimento mental e espiritual que a música proporciona. Para que essa música que fazemos com tanta seriedade não vire apenas um pano de fundo dos melindres e frustrações particulares do público e/ou de profissionais que não enxergam esse propósito maior. Estou bem machucado, mas sei que não estou sozinho nesta dor. Sei que agora o futuro a nossa frente já será bem diferente. R I P A foto acima foi no Clube de Regatas Tumiaru, em São Vicente. Enviada por @ivairvjr Os amplis eram @meteoroamps desenvolvidos pelo #querido é também #finado #helcioaguirra #rip #r.i.p. #angra #andrematos #miltonnascimento @miltonnascimento

Uma publicação compartilhada por Rafael Bittencourt (@rbittencourton) em

Mais Rock