Topo

Show de hardcore acaba no DP após música contra a PM; vocalista relata ameaças

Maurício Dehò

Do UOL, em São Paulo

10/06/2019 14h21

Um festival de hardcore acabou em polêmica em Guará, no Distrito Federal, depois que a banda Escombro anunciou e executou uma música em que faz críticas abertas à polícia militar. O show teve intervenção de dois agentes, e o vocalista do grupo acabou sendo levado para prestar esclarecimentos em um distrito policial, onde acusa oficiais de terem o ameaçado e de terem cerceado sua liberdade de expressão.

O União Underground Fest teve sua terceira edição e o Escombro tocava apenas o início de seu repertório, quando o vocalista Lucas Ferreira, o JG, anunciou a música S.O.P. (Sistema Padrão Operacional), do álbum Maldita Herança, de 2017, que conta com a participação de Henrique Fogaça na gravação de estúdio. Como era de praxe para a banda, ele discursou contra a corporação policial.

"Eu faço uma introdução a essa música. Falo que é uma instituição corrupta, que não ampara os profissionais e que deveria ser extinta há muito tempo", contou ele, num post no Instagram. "Bom, durante a música, dois PMs se sentiram ofendidos pessoalmente, entraram no evento, e queriam me conduzir imediatamente à DP."

JG afirma que isso não aconteceu e que eles executaram a música. O incômodo de dois policiais foi registrado em vídeo. Eles chegaram a se posicionar próximos do palco e ouviram desculpas do vocalista. "Eu pedi desculpa publicamente aos dois policiais, porque não é uma crítica pessoal, não é voltada diretamente a ninguém, e sim à corporação, isso se encaixa no meu direito de liberdade de expressão."

JG se desculpa com policiais durante o show

UOL Entretenimento

No entanto, o vocalista relata que um reforço policial chegou ao local, com mais seis viaturas.

"Eles fizeram uma barganha para que eu fosse conduzido ao DP", afirmou ao UOL JG. "Falaram que se eu não fosse, iam acabar com o festival de forma violenta."

O vocalista afirma que ficou cerca de quatro horas detido, chegou a ser deixado nu e sofreu ameaças verbais e agressões físicas - ainda que diga que não as pode comprovar, já que não deixaram marcas.

"Eles me conduziram para o 21º DP. Durante a condução, um dos PMs me ameaçou, dizendo a seguinte frase: 'Quem você pensa que é? Você vem para Brasília tocar e fala uma coisa dessas? Brasília não é igual a São Paulo, que a polícia é relaxada. Aqui em Brasília você pode vir tocar e infelizmente pode acontecer alguma coisa com você e você pode sumir e nunca mais voltar para SP'", acusa JG. "Eles utilizaram realmente do abuso de poder e me deixaram preso numa sala por mais ou menos quatro horas, numa situação extremamente constrangedora. Eu não cometi nenhum crime, nem o Escombro e isso é inaceitável."

JG diz que teve de assinar um termo circunstancial e que responderá por desacato e por incitação à violência.

O que diz a polícia

Em nota, a Polícia Militar explicou que realizava a segurança do público quando o artista "ofendeu instituições de segurança pública e policiais militares".

"A equipe solicitou ao organizador do evento que informasse ao vocalista que, por conta dos xingamentos, ele seria conduzido à delegacia por desacato. O vocalista foi levado à DP, onde assinou Termo Circunstanciado de Ocorrência. O artista não foi algemado e esteve todo o tempo amparado por um advogado."

A polícia frisa ainda que o "Código Penal, em seu artigo 286, prevê pena de três a seis meses, ou multa, a quem incitar publicamente a prática de crime. O artigo 331 prevê seis meses a dois anos de detenção, ou multa, a quem desacatar funcionário público no exercício da função ou em razão dela."

Reprodução/Instagram
Imagem: Reprodução/Instagram

Banda política

JG explica que a banda sempre teve um compromisso político. "O Escombro é uma banda que tem como lema a frase hardcore por um mundo mais digno. Somos uma banda que carrega uma bandeira de questionar problemas sociais e políticos do país. Qualquer coisa que ofenda a existência de qualquer ser humano, nos sentimos no direito de questionar e deixar explícito os ocorridos", afirmou ele.

Segundo JG, o fato não vai fazer com que o discurso mude. "Isso não amedronta a mim e nem ao Escombro, o Escombro é bem maior do que isso, o hardcore é muito mais do que isso. Não vamos parar, as críticas não mudam, pelo contrário, elas se tornam mais agressivas a cada ação violenta do governo."

Mais Rock