Topo

Andre Matos misturou metal e erudito e quase entrou no Iron Maiden

Relembre a trajetória musical de André Matos

UOL Entretenimento

Mauricio Dehò

Do UOL, em São Paulo

08/06/2019 17h51

Há no metal quem prefira seu lado mais melódico, quem goste mais do peso e vocais guturais e, claro, quem seja fã de ambos. Andre Matos fazia parte do primeiro grupo. O ex-vocalista do Angra, Viper e Shaman, que morreu hoje, vítima de um ataque cardíaco, ganhou fama pelas suas linhas de voz agudas, em tons que poucos conseguem alcançar. Mas, mais que isso, André era um destacado compositor e, com seus estudos na música, que o formaram em composição e regente, foi um dos responsáveis por fazer do Angra uma potência brasileira do metal mundial, atrás apenas do Sepultura.

André, que tinha 47 anos, começou sua vida na música bem cedo, aos 7. E foi a mistura de seus gostos pelo erudito e pelo metal que o moldaram. Desde criança tocava piano, inspirado pelos compositores clássicos. Na adolescência, o fã de Queen e Iron Maiden formou a banda Viper, com a intenção de tocar teclado e piano. Acabou virando vocalista.

Apesar do sucesso do Angra ter sido mais vistoso aos olhos do público geral, o Viper já mostrava o talento de Andre como compositor e vocalista, e a banda teve notoriedade no Japão, no fim da década de 1980, com discos como "Soldiers of Sunrise" (1987) e "Theatre of Fate" (1989). A banda foi uma das pioneiras no power metal - que no Brasil também ficou conhecido como metal melódico, justamente pelos vocais agudos e melodias mais grudentas.

Andre Matos na turnê "30th Anniversary Tour", que comemorou os 30 anos de carreira, em 2015 - Divulgação/Ricardo Ferreira
Andre Matos na turnê "30th Anniversary Tour", que comemorou os 30 anos de carreira, em 2015
Imagem: Divulgação/Ricardo Ferreira

Metal, erudito e brasileiro

A saída do Viper ocorreu em um momento em que Andre não conseguia mais conciliar estudos e o metal. Seu lado erudito falava mais alto e ele se formou bacharel em Regência Orquestral e Composição Musical, além de obter habilitações em canto lírico e piano erudito.

O passo seguinte foi assumir os vocais do Angra, no qual também tocava teclados e piano. Aluno da faculdade Santa Marcelina, foi lá que ele conheceu o guitarrista Rafael Bittencourt, com quem formaria o grupo. A ideia do empresário Antônio Pirani, então proprietário do selo Rock Brigade Record, no início da década de 1990, era aproveitar o sucesso do metal melódico e a banda foi montada reunindo, em sua formação clássica, além de Andre, Kiko Loureiro (guitarra), Ricardo Confessori (bateria) e Luis Mariutti (baixo).

Se no Viper ele já incluía influências do clássico, no Angra foi muito além, como se vê no disco de estreia, Angels Cry (1993). Gravado na Alemanha, tinha referências a compositores como Niccolo Paganini e Antonio Vivaldi, além de um cover de Kate Bush para a balada Wuthering Heights -com Andre liberando todos os agudos possíveis.

E, em uma época de fãs de metal bastante conservadores, o grupo divide com o Sepultura os créditos por botar um tempero brasileiro no gênero. A faixa Never Understand trazia um trecho aludindo a "Asa Branca", clássico de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira. No disco seguinte, de 1996, a brasilidade foi além com mais percussão, cânticos e temas indígenas e o sugestivo nome de Holy Land. A faixa Carolina IV era o ápice da fusão de elementos brasileiros com o metal.

O resultado destes dois primeiros álbuns se viu nas vendas e turnês. O Angra virou um gigante no Japão - foram cinco discos de ouro por lá - e fez turnês de sucesso na Europa, registradas no ao vivo Holy Live, gravado na França.

Um cara atípico

O Angra terminou sua primeira fase com uma separação dramática e cheia de ressentimentos, por problemas empresariais e financeiros. De um lado, os guitarristas Rafael e Kiko, que continuaram com o nome do grupo. Do outro, Andre Matos, Confessori e Luis Mariutti - agora ao lado do irmão e guitarrista Hugo - fundaram o Shaman. O grupo fez sucesso, mas a disputa arranhou a imagem dos músicos dos dois lados.

Andre nunca foi um metaleiro típico, parecia viver em uma sintonia particular, diferente da de seus pares. Desde a maneira peculiar de se vestir, com seu colete que virou uma marca nos shows, ao estilo mais offline dos últimos anos, manteve uma vida privada discreta, apesar de um namoro mais conhecido, com a apresentadora Penélope Nova.

A personalidade era forte, como se viu na época da separação do Angra e em entrevistas. Ao programa Heavy Nation, em 2013, na Rádio UOL, declarou que o Angra deveria acabar, por ter se descaracterizado após tantas mudanças.

Apesar disso, era bem humorado. Gostava de falar com a plateia a cada show e fazer piadas, como se vê no vídeo abaixo, que mostra a junção de suas duas paixões em uma série de shows especiais que fez em 2018. Em "Piano e Voz", Andre mesclava alguns dos seus clássicos do metal e música erudita:

Angra, Shaman e Viper foram só algumas das bandas em que o roqueiro colocou seu nome. Desde 2007 ele passou a lançar discos em carreira solo. Foram três álbuns, sendo o último, Turn of the Lights, em 2012.

Um brasileiro no Iron Maiden?

Durante a carreira, Andre também dividiu o palco com os principais vocalistas do metal, como Bruce Dickinson, a quem esteve perto de substituir no Iron Maiden.

O brasileiro foi cotado quando Dickinson deixou a banda na década de 1990 e costumava contar que foi um dos três finalistas para assumir os vocais da banda inglesa, conforme o empresário teria lhe contado, posto que acabou ficando com Blaze Bayley.

Versátil, gravou projetos e participações com grupos tão diversos quanto Avantasia, Virgo, HDK, Korzus, Epica... Esteve em versões da ópera rock Tommy, do The Who, e de Os Mitos e Lendas do Rei Arthur e os Cavaleiros da Távola Redonda, de Rick Wakeman.

No começo da década, se reuniu com o Viper para uma turnê comemorativa. Nos últimos meses, integrou uma inesperada turnê do Shaman, dividindo com Hugo, Luis e Ricardo os palcos pelas últimas vezes. Há uma semana, participou de um show do Avantasia, sua última apresentação. Uma volta com o Angra, tão aguardada pelos fãs, infelizmente ficou só nos planos. Andre se foi como a grande voz do metal brasileiro e dificilmente se achará um substituto.

Mais Rock