PUBLICIDADE
Topo

Novas investigações apontam que cantor James Brown foi assassinado; entenda

O cantor James Brown - Reprodução
O cantor James Brown Imagem: Reprodução

Rodolfo Vicentini

Do UOL, em São Paulo

05/02/2019 16h20

James Brown, conhecido como "o pai do soul", morreu no dia 25 de dezembro de 2006, aos 73 anos, após sofrer um ataque cardíaco. Porém, novas investigações apontam que o cantor pode, na verdade, ter sido assassinado. 

Uma reportagem feita pela emissora CNN entrevistou mais de 140 pessoas, fez viagens para nove estados norte-americanos, teve acesso a dezenas de milhares de páginas com registros policiais e a 1.300 páginas apenas com mensagens de textos e teste forense.

Ao todo, 13 pessoas suspeitam que James Brown não morreu de causas naturais e pedem para que haja uma nova investigação criminal sobre o caso ou que o seu corpo seja exumado para uma autópsia.

Um dos principais personagens na complexa apuração da CNN foi o médico do cantor, Marvin Crawford, que disse sempre ter desconfiado de alguma conspiração no caso, apesar do relatório oficial feito por um hospital de Atlanta há 12 anos. "Ele [Brown] mudou muito rápido", disse o médico para a CNN. "Ele era um paciente que eu nunca imaginaria que fosse ter isso. Mas ele morreu naquela noite, e eu levantei a questão: 'O que houve de errado naquele quarto?'".

Crawford lembra que ele recomendou uma autópsia, o que a filha de James Brown, Yamma, negou. 

Dezenas de pessoas ouvidas pela CNN ainda indicaram que a história contada pelo empresário de Brown na época, Charles Bobbit, sobre o cantor ter sido vítima de um ataque cardíaco, "não fazia sentido" e foi descrita como "um tanto vaga".

Andre Moses White, um amigo do cantor que o ajudou a dar entrada no hospital em dezembro de 2006 com um quadro de pneumonia, disse estar tão certo de que ele não morreu de ataque cardíaco que, na época, retirou um frasco com o sangue do músico na esperança de uma nova investigação das autoridades. 

A CNN também obteve registros sobre o caso de  Adrienne Brown, terceira mulher de James Brown, que morreu em 1996. Um informante garantiu que um médico confessou na época ter assassinado a mulher de então 45 anos. 

A investigação começou em 2017, quando uma cantora chamada Jacque Hollander insistiu com a emissora de que teria informações sobre a morte de Brown. Ela, inclusive, apontou que eles trabalharam juntos na década de 1980 e que o cantor a estuprou em 1988.

Apesar de nunca ter denunciado o cantor, Hollander salvou evidências relacionadas a Brown, principalmente documentos e fitas em um período de 30 anos. Ela ainda alegou ter sido ameaçada caso falasse alguma coisa.

Senhor Dinamite

Célebre por uma voz imponente e seus frenéticos movimentos, Brown, também conhecido como "Senhor Dinamite", se tornou famoso com canções como "I Got You (I Feel Good)", "Papa's Got a Brand New Bag", "Please Please Please" e "Living in America". Seu sentido inovador de ritmo o transformou em um dos músicos americanos com maior influência nos últimos 50 anos, junto a nomes como Elvis Presley e Bob Dylan.

Além de transformar o gospel em rhythm and blues e soul, James Brown também influenciou o surgimento de estilos como o rap, o funk e a música disco. Mick Jagger, Michael Jackson e David Bowie, entre outros, admitiram ter se inspirado no ícone da música negra.

O sucesso de Brown "Say it Loud (I'm Black and I'm Proud)" ("Diga alto, sou negro e orgulhoso"), tornou-se hino dos direitos humanos durante os turbulentos anos 1960.