Topo

Música

"Dinho Ouro Preto quis tudo", diz diretora sobre acervo de Renato Russo

Laís Gomes

Colaboração para o UOL, do Rio

06/04/2018 17h05

O retiro dos artistas vai realizar neste sábado (7) um bazar com objetos pessoais de Renato Russo. O evento faz parte da programação do centenário da instituição e vai acontecer dias depois da data que celebraria o aniversário de 58 anos. A doação do acervo pessoal do líder da banda Legião Urbana foi feita por Giuliano  Manfredini, filho do cantor, à ONG. Porém, o que era para ser motivo de festa, quase terminou em uma tremenda polêmica. Tudo isso porque, dias após ao anúncio do bazar, a irmã de Renato Russo, Carmen Manfredini, fez uma carta aberta lamentando o fato do filho do cantor doar os objetos pessoais que pertenciam ao pai.

Leia também

Nesta sexta, 6, o UOL conversou com Cida Cabral, diretora do Retiro dos Artistas que falou sobre a polêmica. "A gente recebeu esse acervo, que é pessoal, desde junho do ano passado, mas, como esse ano é o centenário do retiro deixamos pra dar o start nas comemorações com esse evento. Desde que recebemos, não houve polêmica alguma. Só quando divulgamos o evento na imprensa. Não entendemos quando a irmã dele disse, erroneamente, que seria feito um leilão. Nós ficamos muito felizes quando o Giuliano fez o contato com o Retiro. Ele conhece  a causa e falou: ‘nada melhor do que doar as coisas do dia a dia do meu pai para uma instituição que representa a classe a qual ele fazia parte’. Nós retiramos todo o material doado do apartamento do Renato, em Ipanema. Estava tudo intacto, bem preservado. Foi uma surpresa o contato do Giuliano e nos deixou muito feliz. O que ele quer é preservar a imagem do pai, fez isso com muito cuidado. A gente reitera aqui que nenhuma propriedade cultural e intelectual de Renato Russo faz parte do bazar, são todos objetos pessoais, do dia a dia”, explicou.

Laís Gomes/UOL
Foto mostra Renato Russo vestindo camisa que está no bazar Imagem: Laís Gomes/UOL

Segundo a diretora, nem a briga familiar fez com que o Retiro dos Artistas pensasse na proposta de não fazer o bazar. “Quando essas coisas começaram a sair na mídia, foi um susto pra nós. Não queremos nos envolver em nenhum tipo de briga. Se a irmã do Renato quiser qualquer coisa, pode vir ao nosso bazar como qualquer pessoa, participar, comprar. A responsabilidade por esse acervo é toda do Giuliano. E ele estava muito preocupado com tudo. Quer preservar a memória do pai, ajudar uma instituição e presentear os fãs”, contou ela que disse ainda ter recebido uma proposta tentadora de Dinho Ouro Preto, da banda Capital Inicial. “A gente recebeu algumas ligações, como foi o caso do Dinho, que se ofereceu para arrecadar todos os itens, queria comprar todo o acervo, mas seria um desrespeito com os fãs começar um bazar com todas as peças vendidas”, disse.

O bazar conta com mais de 1600 CDs, 400 discos, dezenas de livros, roupas e móveis de Renato Russo. Os preços variam entre R$ 5 e R$ 10 mil. O mais alto valor é de uma cristaleira que decorava o apartamento. Caso todas as peças sejam vendidas, o montante arrecadado será de mais de R$ 100 mil reais que serão usados para quitação de dívidas do Retiro e manutenção do instituto que tem hoje cinquenta residentes e sobrevive de doações.

Gabriel Reis/AgNews
O músico Dinho Ouro Preto, do Capital Inicial, fez oferta para levar tudo Imagem: Gabriel Reis/AgNews

Giuliano, filho de Renato Russo, está em Portugal e não participará do evento. A assessora de imprensa da Renato Russo Produções Artísticas, empresa do produtor, também conversou com o UOL. “Em momento nenhum houve a hipótese de não ser feito esse bazar. A gente quer reiterar que tudo o que está sendo colocado à venda são objetos pessoais do Renato Russo, toda a propriedade artística, todo acervo cultural está em exposição. Recentemente estava exposta no Museu de Imagem e Som, em São Paulo e vai fazer parte de uma exposição itinerante”, contou.

O bazar que acontece na Sede do Retiro, em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio, começará ao meio-dia deste sábado (7), e não tem hora para acabar. “Vamos ficar até vender a última peça. Vão ter food- trucks e shows com cover do Renato Russo”, disse a diretora da instituição.