PUBLICIDADE
Topo

'A grandeza dessa reconciliação partiu do Digão', diz Rodolfo, ex-Raimundos

Rodolfo Abrantes, ex-Raimundos, reconciliou-se com Digão, guitarrista da banda após quase 20 anos - Reprodução/Instagram
Rodolfo Abrantes, ex-Raimundos, reconciliou-se com Digão, guitarrista da banda após quase 20 anos Imagem: Reprodução/Instagram

Do UOL, em São Paulo

24/06/2020 15h03Atualizada em 24/06/2020 17h36

O cantor e ex-vocalista do Raimundos, Rodolfo Abrantes, disse ontem em entrevista ao programa "The Noite" que foi Digão, guitarrista da banda, que deu um primeiro passo para a reconciliação entre os dois amigos depois de 19 anos sem relações.

"A Bíblia ensina que a gente tem que dar honra para quem tem honra. E a grandeza dessa reconciliação partiu do Digão. Eu acordei dia 10 de junho, estava tomando café e, de repente, recebo uma ligação dele. Um cara com um coração entregue, difícil até de reconhecer. Um Digão que nunca conheci na minha vida" disse ele.

Os dois passaram cerca de uma hora conversando pelo telefone, entre pedidos de desculpas e choros, segundo Rodolfo.

"Não teve resistência de nenhuma parte. E nenhuma tentativa de se justificar. Era 'cara, eu te amo, me perdoa por tudo que eu te fiz', e eu falava a mesma coisa. Sabe aquele papo se você quer ser feliz ou ter razão? A gente só queria ser feliz, e estamos nos falando todo dia."

Rodolfo recebeu um pedido de desculpas de Digão no dia 12, em uma live do Raimundos. O baterista fez uma homenagem para Bessanger Abrantes — primo de Rodolfo que inspirou o sucesso "Puteiro em João Pessoa".

"Meu coração mudou. Eu estava assistindo ao final da live dele. Ver o Digão cantando, ouvindo a voz dele, ver o rosto dele. E sentir a alegria, a paz, o amor, isso tem sido o meu maior presente nos últimos tempos", disse Rodolfo.

Segundo o depoimento, foram vários motivos pessoais de Rodolfo que fizeram ambos se afastarem. "Eu fui muito reativo. E tudo se potencializa quando você coloca um milhão de pessoas dando opiniões."

Ele ainda traçou um paralelo entre o momento de isolamento social, devido à pandemia de coronavírus, com sua crença religiosa, entendendo que seria um momento favorável para pedidos de perdão.

O vocalista deixou a banda ao se converter ao protestantismo. Ele explicou que a religião não "odeia as músicas do Raimundos". "Eu vivia absurdamente. Eu tinha uma vida, vivia de acordo com uma verdade. E a música era trilha sonora dessa vida".