PUBLICIDADE
Topo

'Eu sinto que estamos fracassando', diz Projota sobre caso João Pedro

"Vai fazer 20 anos que eu canto rap e não mudou nada. É a mesma merda", disse o rapper - Reprodução/Instagram
"Vai fazer 20 anos que eu canto rap e não mudou nada. É a mesma merda", disse o rapper Imagem: Reprodução/Instagram

Do UOL, em São Paulo

25/05/2020 07h52

O rapper Projota, que lançou a primeira parte do seu álbum 'Tempestade Numa Gota D'Água' na última sexta-feira (22), disse em entrevista publicada hoje no site da Quem se sentir "impotente" vendo o caso do jovem João Pedro, 14, morto durante uma operação policial no Rio de Janeiro na semana passada.

"Quando uma notícia assim surge, eu fico com ódio. Me traz muitas lembranças e sentimentos que eu tento esquecer ao longo da vida", disse o rapper.

"Vai fazer 20 anos que eu canto rap e não mudou nada. É a mesma merda. E agora outros meninos e meninas estão sofrendo por isso a ponto de perder a vida. Não temos perspectiva nenhuma de mudança próxima. Eu me sinto impotente. Eu sinto que estamos fracassando", concluiu.

Na entrevista, Projota relembrou um episódio de racismo que sofreu quando tinha 17 anos ao passear com amigos em um shopping em Santana, na zona norte de São Paulo.

"Estávamos em quatro amigos. Três negros e um branco, de olho azul. Tomamos um enquadro, o policial separou meu amigo branco e perguntou se a gente estava sequestrando ele", relatou.

Pai de Marieva, de três meses de idade, Projota diz que quer fazer com que a filha entenda seus privilégios por ser branca e já nascer com uma condição econômica melhor que ele, que cresceu na periferia de São Paulo.

"É meu papel fazer com que ela saiba disso. Que ela compreenda essa posição, com muitos passos à frente de outras crianças. E independente da pele, como mulher, ela tem muitos desafios a pensar", pontuou.