PUBLICIDADE
Topo

Gabriel O Pensador critica egoísmo do brasileiro e cobra união de políticos

Leonardo Rodrigues

Do UOL, em São Paulo

15/05/2020 04h00

Após vociferar na versão número 2 de "Tô Feliz (Matei o Presidente)", lançada em 2017, durante o governo Michel Temer, Gabriel O Pensador fez uma promessa a si mesmo. Desde a eleição de Jair Bolsonaro, ele vem adotando um tom mais leve nas músicas, falando principalmente de amor e união em tempos de polarização e selvageria. A palavra "conciliação" define a fase.

Sua nova música, "A Cura Tá no Coração", lançada ontem, segue esse flow. Na parceria com a rapper mineira Cynthia Luz, produzida por Papatinho e André Gomes, Gabriel baixa a guarda para cobrar solidariedade e empatia. Para ele, são dois artigos que andam em falta nas esferas pública e privada, e isso está levando o Brasil à lona.

"Acho que [a saída para a crise] seria os governos se entenderem (...) Me deixa triste ver que existe uma briga de ego e poder, e a gente acaba sofrendo as consequências. Está muito desunido", lamenta ele ao UOL, em entrevista feita apenas 17 dias após a perda do pai, o oftalmologista Miguel Contino, que morreu vítima de enfisema pulmonar durante a pandemia.

Vivendo o luto e focado em bons sentimentos, Gabriel encarna um mendigo no novo clipe, aquele que "sempre dorme assim e a gente não repara", como diz na letra. Além de divulgar a nova música, o vídeo também é um "esquenta" para a primeira live do rapper, que acontece hoje, a partir das 19h, com intuito de arrecadar fundos para o Hospital das Clínicas da USP, uma das linhas de frente do combate à covid-19.

Veja abaixo os principais trechos da entrevista

A mensagem de 'A Cura Tá no Coração'

Gabriel O Pensador - Veio como um desabafo, uma reflexão sobre a humanidade. Sobre os hábitos que a gente tem. Sobre o individualismo, que é um mal de séculos, mas parece que vai aumentando. A intolerância, o ódio. Mas a música não tem um clima pesado, negativo. Ela questiona tudo isso e acaba passando uma mensagem de união e amor.

O egoísmo da nossa sociedade

Tem um trecho na música sobre isso: "Viver de verdade não dá para fingir". Existe muito esse "fingir" hoje em dia. De a gente postar foto mostrando que está bem, bonito, em lugar bonito. Uma felicidade muito individualista, egocêntrica, que às vezes é muito falsa. Mesmo que você acredite que aquilo era o que você realmente queria.

Agora temos a obrigação de pensar com mais seriedade. 'Caramba, o que vale a pena? O que é importante? Do que estou realmente sentindo falta? Quem eu amo de verdade?'

A gente começa a refletir um monte de coisa na pandemia, que não dá para fingir. Mas tem gente que acaba fingindo a vida inteira mesmo sim.

Divulgação
Imagem: Divulgação

O que os políticos deveriam fazer para contornar pandemia

Acho que a prudência é o melhor caminho, pelo que a gente já viu no mundo. Estava conversando com um amigo de Portugal, meu empresário de lá. E ele estava preocupado com Brasil, comparando atitudes tomadas lá com as tomadas aqui. E a confusão gerada por isso.

Acho que o principal [a ser feito] seria os governos se entenderem. A gente precisa ter lideranças que se entendam

Aí cada um vai ter suas prioridades. Uma cidade vai ter um lockdown e outra vai flexibilizar a quarentena do lado. É uma questão supercomplexa para a gente dar opinião do que é certo e errado.

O que me deixa triste é ver que existe uma briga de ego, de poder. E a gente acaba sofrendo as consequências. Está muito desunido. A galera está muito radical. Acho que esse não é um caminho bom para ninguém.

Gabriel O Pensador se apresenta no Lollapalooza 2019 - Iwi Onodera/UOL
Gabriel O Pensador se apresenta no Lollapalooza 2019
Imagem: Iwi Onodera/UOL

Vamos ser pessoas melhores depois da pandemia?

Não dá para ser tão otimista e pensar que num passe de mágica o ser humano vai sair melhor. Que todos vão se iluminar por passarem por isso. Sou mais realista. Temos uma parcela da humanidade capaz de muito absurdo. De se aproximar até da pandemia para se beneficiar do mal alheio.

Uma parcela da humanidade não tem muito jeito, mas muita gente está evoluindo, sim. Está pensando bastante na vida. Converso muito com amigos. Tem muita gente depressiva, mas que está tirando lição desse momento. E não só para si mesmo."

Lives e o futuro dos artistas

Eu não sei se as lives são o futuro. Mas gostaria que virassem uma nova forma de comunicação. Viajo muito. Faço muito show. Nada se compara ao vivo. Mas tenho fãs que não têm acesso a shows, porque são de regiões que não promovem tantos eventos de rap, de pop rock.

No nordeste tem outros ritmos, e a gente vai menos. E às vezes o cara pega um carro e viaja 300 km para ir na capital no estado dele para ver show nosso. Alguns podem fazer isso. Mas, na live, por exemplo, ele pode ver com o pai dele, que é bem mais velho.

A live substitui bem até certo ponto o show. Dá para curtir muita coisa do que a gente curte ao vivo. A conexão com músicas, letras, pode até ter um lado melhor.

Trabalhar em casa na quarentena

Estou em casa no Rio. Sou bem desorganizado com projetos e letras. Algumas coisas até de livros que comecei e não termino. Tinha perdido em HDs que estragaram e mandei recuperar de novo. Uma novela.

Aí ficou aqui em casa um computador para um dia eu mexer nesse material do passado. E consegui fazer isso na quarentena. Tem bastante coisa interessante. Estou selecionando um pouco, mas também escrevi coisa nova.

Recado para os fãs na pandemia

Meu recado é de positividade, de força, de calma. Vou tentar falar o que falo para meus amigos. Às vezes vejo que cara está meio mal, e até me vejo repetindo isto: temos que ter paciência e aceitar o que não dá para mudar.

Tive um momento difícil. A perda do meu pai durante a pandemia. Ele nos deixou por causa de uma enfisema pulmonar progressivo, não por covid-19. Passamos por toda a dificuldade de não poder visitá-lo nem fazer velório com amigos. Tivemos que nos adaptar.

Você pode sofrer, mas não se entregar. Temos que fazer o melhor para passar por isso bem e ajudar quem podemos ajudar. Controlar a ansiedade e o desespero que podem bater. E as dificuldades. Muita gente está com muita dificuldade financeira. O psicológico tem que segurar um pouco essa onda.

Rap nacional