PUBLICIDADE
Topo

'Eleja um assassino e espere um genocídio', diz Emicida sobre Bolsonaro

Rapper fez live com duração de 8 horas cantando musicais da carreira e fazendo freestyle - Jeferson Delgado
Rapper fez live com duração de 8 horas cantando musicais da carreira e fazendo freestyle Imagem: Jeferson Delgado

Do UOL, em São Paulo

11/05/2020 10h53Atualizada em 11/05/2020 11h23

O rapper Emicida fez críticas ontem ao presidente Jair Bolsonaro durante a sua live. Antes de cantar "Bang!", Emicida lembrou de uma senhora que saiu nas ruas dos EUA com uma camiseta escrita "eleja um palhaço e espere um circo", assim que Trump foi eleito.

"Quando a gente traz para a realidade do Brasil, a gente vê as atitudes desse inútil que está ocupando o Palácio do Planalto. Aí você pensa, mano: eleja um assassino e espere um genocídio", disse.

O cantor continuou as críticas lembrando de quando o então pré-candidato à Presidência disse, em 2017, que um quilombola "pesava sete arrobas" em uma palestra no clube Hebraica, no Rio de Janeiro.

"O que tem de mais nojento nesse país está representado por esse pensamento. Pensamento de gente que olha pra nós e diz 'neguin está cheio de marra'. Daqui pra frente vai piorar pra vocês, a gente não vai regredir não", afirmou.

Emicida fez uma live com mais de oito horas de duração. Segundo a gravadora Laboratório Fantasma — dele e do irmão Evandro Fióti —, foram mais de cem músicas. Além do recente álbum AmarElo, o rapper passou por álbuns "Doozicabraba e a Revolução Silenciosa", "Triunfo", "Papel, Caneta e Coração", "O Glorioso Retorno de Quem Nunca Esteve Aqui" e outros trabalhos ao longo da carreira.

Já passando da meia-noite, ele cantou uma versão de "Mãe", música de seu penúltimo álbum, em homenagem à data. Ele fez rimas improvisadas ao ler os tuítes de fãs com mensagens dedicadas às mães.