PUBLICIDADE
Topo

Bial: Democracia em Vertigem é "insuportável, Petra chora o filme inteiro"

Pedro Bial - TV Globo
Pedro Bial Imagem: TV Globo

Do UOL, em São Paulo

03/02/2020 14h58Atualizada em 04/02/2020 12h52

Resumo da notícia

  • Pedro Bial criticou Democracia em Vertigem, filme brasileiro indicado ao Oscar
  • "Eu dei muita risada", confessou, definindo narração como "insuportável"
  • "Ela [Petra Costa, diretora] fica choramingando o filme todo", atacou
  • Bial, no entanto, reconhece méritos técnicos e acha que filme tem chances na premiação

Pedro Bial fez duras críticas o documentário brasileiro Democracia em Vertigem, indicado ao Oscar 2020 na categoria. Para o apresentador, filme sobre o impeachment de Dilma Rousseff e a prisão de Lula é "insuportável".

"Eu dei muita risada. É um 'non sequitur' atrás do outro", disse, ao programa Timeline, da Rádio Gaúcha. A expressão em latim caracteriza um discurso cujas conclusões não decorrem das premissas.

"[O filme] vai contando as coisas num pé com bunda danado", continuou. Bial também criticou a "narração miada, insuportável, onde ela [Petra Costa, a diretora e narradora] fica choramingando o filme inteiro".

"É um filme de uma menina dizendo para a mamãe dela que fez tudo direitinho, que ela está ali cumprindo as ordens e a inspiração de mamãe, somos da esquerda, somos bons, não fizemos nada, não temos que fazer autocrítica. Foram os maus do mercado, essa gente feia, homens brancos, que nos machucaram e nos tiraram do poder, porque o PT sempre foi maravilhoso e Lula é incrível", disse ainda.

Bial se refere à aparição da mãe de Costa, que foi ativista contra a ditadura militar, no filme. "É uma ficção alucinante. É mais que maniqueísmo, é uma mentira", atacou também.

No entanto, o apresentador frisou que o filme tem méritos técnicos ("é uma história bem contada") e chance de vencer no Oscar. "Depois que vi Indústria Americana [outro dos indicados], acho que a Academia dá o prêmio ao filme brasileiro", comentou, apontando o sírio 'For Sama' como o outro potencial premiado na categoria.

Bial também elogiou produções anteriores de Costa. "Eu acho bacana que ela possa fazer o filme dela, é uma ótima cineasta. Elena [de 2012], o primeiro filme dela, é bem urdido, profundo, bem contado", disse.

De BBB a Regina Duarte

O apresentador abordou uma série de outras questões durante a conversa com a rádio, incluindo a nomeação de Regina Duarte ao posto de secretária especial de Cultura do governo Bolsonaro. Bial recordou entrevista com a atriz em 2019.

"Ela estava tão preocupada em ser clara e precisa em suas colocações sobre política e cultura, que ela levou o 'deverzinho' de casa escrito. Perguntei o que achava da Lei Rouanet e da relação da classe artística com o governo. Regina falou com grande equilíbrio e convicção, aí eu brinquei que ela seria a nossa ministra", lembrou.

O apresentador ainda avaliou que, às vezes, a oposição ao governo de Bolsonaro é tão "infantil" quando o próprio presidente. "Existe um discurso que, quando a direita ganha, a democracia está em risco. Isso não se verifica, é uma interpretação torta da realidade", comentou.

"Só falta chamar [Bolsonaro] de chato, feio e bobo e mostrar a língua. A conversa está muito primária. As coisas são muito mais graves, sérias e importantes", continuou, frisando que a atitude vem tanto do presidente quanto de seus opositores: "o que ele diz não é nem infantil, é retardado".

Bial também disse que o movimento negro, o movimento LGBTQ+, o feminismo e até o movimento por direitos dos deficientes, que definiu como "importantes conquistas civilizatórias", se deixam manipular por esta retórica. "O feminismo no Brasil virou algo, em sua maioria, marxista. Eu não reconheço como feminismo", disse.

Já sobre o "Big Brother Brasil", reality show que apresentou durante 14 anos e está atualmente em sua 20ª edição, Bial confessou que não assiste mais. "Estou afastado totalmente. Muita coisa para fazer, tenho programa diário", justificou.

"Mas é difícil não acompanhar totalmente, pois está presente em todo lugar. Estou por dentro pelas home pages dos sites. Esta edição promete fazer muito sucesso", disse ainda.

Filmes e séries