PUBLICIDADE
Topo

"Não misturamos as carreiras", diz Murilo Huff sobre Marília Mendonça

O cantor sertanejo Murilo Huff - Divulgação
O cantor sertanejo Murilo Huff Imagem: Divulgação

Michelle Rabelo

Colaboração para o UOL, de Goiânia

20/01/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Sensação do sertanejo, cantor já compôs hits para Michel Teló e Gusttavo Lima
  • O músico acumula mais de 2 milhões de ouvintes mensais no Spotify
  • Medo de ficar conhecido como 'o namorado de Marília Mendonça' fez relacionamento ser mantido em segredo
  • As faixas Dois Enganados e Idiota Favorito estão na trilha sonora da novela Amor de Mãe

Nada de apelido artístico. Huff foi herdado do pai, seu Dagmar, que registrou o filho com um único sobrenome a pedido da esposa, dona Zaida. "Ela achou que ia ficar mais bonito", conta Murilo, que sequer cogitou contrariar a mãe quando resolveu que ia viver de música. Manteve o nome e hoje até ele concorda: "diferentão, né?!". Que o digam os mais de dois milhões de fãs que acompanham o trabalho do goiano pelo Spotify.

Murilo Huff, de 24 anos, gosta tanto do sobrenome solitário que foge de qualquer complemento. O mais comum "namorado da Marília Mendonça", ele leva na brincadeira, emendando nas respostas, sempre que pode, alguma novidade sobre a carreira. É que ao todo, já são seis anos de estrada, entre a primeira composição vendida e a gravação do DVD Pra Ouvir Tomando Uma 2.

"Hoje o rótulo não me incomoda, mas o medo de ser tratado apenas como o namorado de alguém fez com que eu e Marília mantivéssemos nosso relacionamento em segredo durante muito tempo", disse o sertanejo em entrevista ao UOL, num intervalo das gravações do registro ao vivo. Murilo lembra ainda que quando conheceu a rainha da sofrência já estava planejando gravar seu primeiro DVD e que o medo de que as pessoas o taxassem de aproveitador quase impediu que ele convidasse a cantora para participar do projeto.

Hoje o rótulo não me incomoda, mas o medo de ser tratado apenas como o namorado de alguém fez com que eu e Marília mantivéssemos nosso relacionamento em segredo durante muito tempo

"Fiquei com o pé atrás e ensaiei umas 15 vezes antes de convidá-la. Para minha surpresa, ela topou na hora. Na época da gravação já estávamos juntos e as coisas foram fluindo. Acho que foi como Deus planejou que seria, perfeito". Da parceria nasceu a música Dois Enganados, hoje com quase 65 milhões de visualizações no YouTube.

Flaney/Divulgação
Imagem: Flaney/Divulgação

Mesmo depois que o namoro se tornou público, os dois mantêm o relacionamento de forma discreta. Raramente são vistos juntos, o que não mudou nem com o nascimento de Léo, primeiro filho do casal. Na vida profissional, a coisa não é muito diferente. "Eu tenho o meu trabalho e ela tem o dela. Por respeito à nossa relação não misturamos as carreiras. Isto evita até as pequenas chateações geradas por um ou outro comentário maldoso".

Quando o assunto é a carreira de cantor Huff jura de pés juntos que o relacionamento com Marília não intefere em nada na forma como ele administra os passos profissionais. Enquanto há quem diga que ele parece seguir o mesmo caminho da namorada, o sertanejo é enfático: "o que vivo com ela pode me ajudar como compositor, pois o que temos juntos me trouxe novas histórias e inspirações, por outro lado, nem tudo o que escrevo são experiências minhas".

Carreira em ascensão

Seja cantando ou compondo, o goiano já conquistou seu lugar na chamada indústria do sertanejo. Músicas escritas por ele fazem parte do repertório de nomes como Bruno e Marrone, Maiara e Maraísa, Naiara Azevedo, Lucas Lucco, Israel e Rodolfo, Gusttavo Lima e, é claro, Marília Mendonça. Como cantor, ele não para de emplacar sucessos. Recentemente, Dois Enganados e Idiota Favorito foram escolhidas para integrar a trilha sonora da novela Amor de Mãe, atração global das 21 horas.

Fora do palco, ele garante que participa de tudo. "Palpito até demais. Do cenário à produção. Vou dando ideias, sugerindo mudanças e ajudando a adaptar o que precisa. Estou tentado aprender a deixar as pessoas mais livres e ouvindo com mais cuidado as opiniões diferentes das minhas. Aconselhado pela minha equipe, por exemplo, já dei uma segunda chance para uma música na qual eu não acreditava tanto. E hoje ela é um dos destaques do repertório. Isto é importante demais porque nenhum artista sabe, de verdade, o que vai e o que não vai ser sucesso".

Me considero bem sucedido porque vivo fazendo o que eu gosto e sou cercado por pessoas que acreditam no meu projeto. Nunca quis estourar. Sempre quis trabalhar

Na hora de escolher composições que chegam a ele, Murilo conta que todo o processo é feito com muito carinho e atenção. "Alguém fez isso por mim um dia. Me deu uma chance e acreditou no meu trabalho", diz, se referindo a Michel Teló, que, em 2017, gravou Modão Doído, jogando luz sobre o nome, e as letras, de Huff. Hoje são quase 300 canções gravadas por gente do calibre de Teló. A canção é uma das preferidas de Murilo, ao lado de Transplante. "Michel foi um dos primeiros artistas nacionais que apostou em mim. Do nosso primeiro contato até hoje já são nove músicas minhas na voz dele".

Depois, vieram hits como Zé da Recaída, gravada por Gusttavo Lima e que já tem mais de 215 milhões de visualizações no YouTube, Bem Pior Que Eu, do projeto Todos os Cantos, de Marília Mendonça, e Some Que Ele Vem Atrás, sucesso que a sertaneja gravou com Anitta e cujo videoclipe já soma 31,5 milhões de acessos.

Reprodução/Instagram
Imagem: Reprodução/Instagram

Apesar de atrativos, Murilo garante que os números não ocupam o topo da lista de prioridades neste momento. "O sucesso vai muito além de ter uma música conhecida, das pessoas me pararem na rua ou do meu nome estar na mídia. É uma coisa relativa. Me considero bem-sucedido porque vivo fazendo o que eu gosto e sou cercado por pessoas que acreditam no meu projeto. Nunca quis estourar. Sempre quis trabalhar".

Passado e futuro

E, se depender do público, trabalho não vai faltar. Escrevendo desde os 15, aos 19 anos Murilo Huff decidiu abandonar a faculdade de Direito e viver da música. Como todo cantor, passou pela fase dos barzinhos, mas decidiu investir na carreira de compositor. "Me arrependo um pouco. Barzinho é uma escola e acho que eu poderia ter aproveitado mais", comenta.

A experiência como compositor fez dele queridinho dos principais nomes do segmento sertanejo, até que, em 2019, ele assinou um contrato com a ArtInVox Produções. "Quero continuar assim, compondo, cantando, fazendo coisas para mim e para outros artistas", garante. Para o futuro ele não descarta diversificar as parcerias, trazendo para o universo sertanejo representantes de outros gêneros, como o pop e o pagode. "Gravaria fácil alguma coisa com os meninos do Um44k (Luan Otten e Saulo Poncio)".

Sertanejo