Topo

Livros e HQs


Felipe Neto: "Foi só o início. Onde tentar impor opressão, estaremos lá"

"Meu processo de amadurecimento foi inteiramente exposto", diz Felipe Neto, ao analisar pulo de youtuber a ativista - Eduardo Knapp-25.set.2017/Folhapress
"Meu processo de amadurecimento foi inteiramente exposto", diz Felipe Neto, ao analisar pulo de youtuber a ativista
Imagem: Eduardo Knapp-25.set.2017/Folhapress

Chico Alves

Colaboração para o UOL, do Rio

12/09/2019 04h00

Vai se decepcionar quem procurar nos vídeos do YouTube o Felipe Neto engajado, que combina com o discurso político anticensura que foi a sensação no último fim de semana na Bienal do Livro no Rio. Em seu canal, seguido por mais de 34 milhões de inscritos, os temas continuam insólitos: pode ser o cachorro que usa aparelho dentário, o menino que engoliu o Bob Esponja ou qualquer bizarrice do gênero.

Felipe guarda para o Twitter a militância contra o governo Bolsonaro, o PSL e tudo o que considera sinais da onda reacionária, como o terraplanismo e os militantes antivacina. O prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), passou a ser alvo preferencial desde que tentou recolher revistas da Marvel com um quadrinho em que dois jovens gays se beijam no evento. "O prefeito é apenas ignorante e autoritário, como aqueles que o cercam nesse desgoverno", ataca.

Também não poupa o presidente do Tribunal de Justiça fluminense, Claudio de Mello Tavares, que concedeu liminar permitindo o recolhimento das revistas (posteriormente derrubada pelo Supremo Tribunal Federal). Não faz por menos: "Ter um indivíduo como esse na presidência do TJ é um sinal de como a situação está caótica". Ele desafia o desembargador a provar que Estatuto da Criança e do Adolescente dê margem a tal cerceamento.

A revolta pela tentativa de censura o fez mobilizar várias editoras e uma tropa de 20 pessoas para distribuir gratuitamente 14 mil livros com temáticas LGBT antes da chegada dos censores.

Ele rebate a acusação de que tudo não passaria de golpe de marketing. "O povo que apoia isso (homofobia) é muito mais sonoro do que aquele que luta por igualdade e amor", diz ele.

Quando a zoeira virou ativismo

O youtuber parece hoje tão à vontade falando de política e defendendo a democracia quanto nas performances tresloucadas que faz há nove anos na internet.

A virada se deu em meio à campanha presidencial do ano passado, quando o então candidato Jair Bolsonaro disse que ia varrer os opositores. Ali, Felipe decidiu que deveria botar a boca no trombone.

Em sua fase ativista, vive malhando o presidente Jair Bolsonaro, seus filhos e aliados do governo como a deputada Carla Zambelli (PSL-SP) e o bispo Silas Malafaia. Não pode ser acusado de petista: nas gestões de Lula e Dilma também foi impiedoso nas críticas.

Veja a seguir a entrevista de Felipe Neto ao UOL.

UOL - O que fez você passar a falar tão ativamente de política e defender direitos civis?
Felipe Neto
- Acho que foi durante as eleições que as coisas ficaram mais graves, apesar de eu já me posicionar de maneira progressista e defendendo igualdade e diversidade há vários anos. Nas eleições, as falas e absurdos cometidos pelo Bolsonaro tornaram a situação inaceitável. A gota d'água foi quando ele disse que iria "varrer os opositores", aquilo foi o estopim.

"Tudo é política e política é tudo", diz Felipe Neto - Marcus Leoni-23.mai.2018 / Folhapress
"Tudo é política e política é tudo", diz Felipe Neto
Imagem: Marcus Leoni-23.mai.2018 / Folhapress
Você lia sobre política? Passou a ler? Ou fala sobre política o que vem à cabeça?
Eu leio bastante sobre filosofia e sociologia. Não acredito que política seja um assunto isolado. Tudo é política e política é tudo. Os assuntos que mais me interessam são voltados para o lado humano da política, as questões sociais e culturais, a necessidade de lutarmos por equilíbrio, amor e aceitação do "diferente".

Como classifica a iniciativa do prefeito Crivella de tentar censurar as revistas Marvel?
Ignorante e sintomática do desejo dessa turma em controlar tudo através da censura e da opressão. Um beijo gay não é material sexual, isso não está aberto a interpretação, é um fato. Logo, não há qualquer relação entre um beijo gay e o que o Estatuto da Criança e do Adolescente diz que deve ser vedado com plástico e informado na capa. O Prefeito é apenas ignorante e autoritário, como aqueles que o cercam nesse desgoverno.

Procurada pela reportagem do UOL para que o prefeito Marcelo Crivella (PRB) comentasse as declarações de Felipe Neto, a assessoria de comunicação respondeu enviando um vídeo de 8 de setembro, postado no Twitter. Nele, Crivella diz que seu objetivo é cumprir o que prevê o Estatuto da Criança e do Adolescente, além de "preservar nossas crianças" e "lutar em defesa das famílias brasileiras"

E a liminar do presidente do Tribunal de Justiça do Rio, que concordou com Crivella?
Pode ser o maior gênio do mundo no assunto "direito", não sei detalhes sobre sua história e conhecimento, mas é outro ignorante e autoritário no assunto do ECA. Beijo gay não é material sexual, ponto final. Ter um indivíduo como esse na presidência do TJ é um sinal de como a situação está caótica. Se você é um desembargador, o mínimo que precisa entender é de interpretação básica de texto. Ele não entende, pelo menos não nesse tema.

A assessoria do presidente do Tribunal de Justiça do Rio, Claudio de Mello Tavares, foi procurada pelo UOL, porém não respondeu à reportagem.

Achou satisfatória a decisão do ministro Dias Toffoli?
Ele cumpriu apenas sua obrigação. Acho que foi a decisão mais fácil da vida dele, pois repito: beijo gay não é material sexual. Não havia nenhuma necessidade de se refletir sequer por 10 segundos sobre o assunto. Ele fez o que qualquer pessoa com dois neurônios faria.

Como conseguiu viabilizar a operação da distribuição de 14 mil livros em tão pouco tempo? Quantas pessoas estiveram envolvidas nisso?
Tudo isso só foi conseguido graças a grandes amigos do mercado editorial. Eles mobilizaram todas as pessoas, editoras e organizaram tudo lá dentro. Foram mais de 20 pessoas trabalhando para realizar a ação, que fez com que diversas editoras concorrentes se unissem em prol de uma única causa.

Homens se beijam em protesto contra o prefeito Marcelo Crivella - Marcelo de Jesus/UOL
Homens se beijam em protesto contra o prefeito Marcelo Crivella
Imagem: Marcelo de Jesus/UOL

Muitos comentam que esse posicionamento seria um golpe de marketing. Como responde a isso?
Se fosse o caso, acho que eu seria um péssimo estrategista.

É muito mais fácil conseguir barulho e aplausos fazendo arminha com o dedo e repetindo clichês homofóbicos e machistas. O povo que apoia isso é muito mais sonoro do que aquele que luta por igualdade e amor.

Quais são hoje seus maiores "inimigos" na direita? O presidente Jair Bolsonaro? A deputada Carla Zambelli? O pastor Silas Malafaia?
Não tenho "inimigos", nem mesmo entre aspas. Os nomes citados são agentes que lutam de maneira reacionária para a volta de medidas opressoras e controladoras da sociedade. Quase sempre brancos, quase sempre homens, lutando pelos próprios interesses e manutenção de um status de privilégio soberano sobre os outros.

O pastor Silas Malafaia diz que no episódio da Bienal do Livro não se falou em censura, cerceamento de liberdade de expressão ou proibição da venda. "O Estatuto da Criança e do Adolescente diz que qualquer publicação com imagem erótica, seja de hetero ou homossexual, tem que estar lacrada, só isso", explica. A deputada Carla Zambelli (PSL-SP) disse que sempre defendeu a liberdade e que o entrevistado não sabe que todos os movimentos identitários nascem na defesa do indivíduo. "Felipe Neto fala como se as minorias quisessem um tutor ou porta-voz, quando é justamente contra esse tipo de controle que luto".

Apesar de se colocar muito tempo contra o PT, você já disse que mudou de opinião quanto à prisão de Lula depois das matérias do The Intercept. As últimas revelações da chamada Vaza Jato o fazem manter essa posição?
Não só mantenho, como serviu para vermos de maneira ainda mais clara como o processo de condenação do Lula é uma vergonha que entrará na história do Brasil como algo vexaminoso. Isso não significa que eu defenda a inocência do Lula, é importante deixar claro. Mas o processo do tríplex é uma abominação jurídica. Essa opinião é compartilhada por muitos especialistas da área, até mesmo aqueles que são anti-Lula e anti-PT, como eu sempre me posicionei.

Diante dessas revelações, como avalia a atuação do então juiz Sergio Moro e do procurador Deltan Dallagnol?
Um político foi condenado à prisão. Alguns meses depois, o juiz que proferiu a sentença condenatória se torna ministro da Justiça do novo presidente, que se elegeu principalmente em função dessa prisão - ao menos de acordo com as pesquisas de opinião na época. Em seguida, são divulgadas na imprensa mensagens que o juiz trocava com o responsável pela acusação, combinando ações, em total ilegalidade, já que o Estado Democrático de Direito exige que o juiz e a acusação sejam independentes. Mas o processo não pode ser derrubado, pois as provas das trocas de mensagens foram conseguidas por meios ilegais. Não importa quem é o político, como é possível defender essa sequência de ações e ainda ficar do lado da acusação? Estamos falando de princípios básicos de humanidade, uma vez que todo ser humano tem direito a um julgamento justo conduzido por um juiz imparcial.

O que acha de Sergio Moro como ministro?
Até agora? Apenas um espantalho misturado com João-bobo. Não tem moral alguma, nem mesmo com o próprio presidente, que cansa de desmoralizá-lo, sem que ele emita qualquer resposta.

Frequentadores da Bienal do Livro protestam contra censura de Crivella

UOL Notícias

Você identificou o deputado Carlos Jordy (PSL-RJ) como o criador da hashtag que o ataca e chegou ao topo dos trend topics. O que achou disso?
É como os parlamentares do PSL trabalham, com foco em destruição de reputações. O deputado em questão já está respondendo na Justiça por ter inventado fakenews a meu respeito e me associado ao atentado terrorista de Suzano. Ele já foi obrigado judicialmente a remover o post. Esse é só mais um exemplo de seu caráter.

Procurado pelo UOL, O parlamentar do PSL diz que "os pais estão tendo consciência das 'porcarias' que Felipe Neto defende e que empurra goela a baixo dos filhos em busca de visualizações"

Você critica muito o fundamentalismo religioso. Como avalia a ascensão dos evangélicos ao centro do poder?
Eles planejaram isso e informaram a todos sobre seu plano de poder, basta buscar os discursos do Edir Macedo. Há um plano em execução e que está funcionando muito bem. A sorte é que, normalmente, nem eles se suportam entre si e acabam criando diversas lideranças diferentes.

Pensa em fazer política em sentido mais amplo, mesmo que sem necessariamente entrar em partido? Tem intenção de fomentar grupos de formação política ou algo desse tipo?
No momento não tenho qualquer interesse nisso.

Você recebe ataques de bolsonaristas em espaço público?
Já aconteceu, assim como já aconteceu de petistas também, no passado. Há extremistas em todos os lados.

Quanto tempo dia você dedica à "militância" no Twitter? No total, trabalha quantas horas?
Eu acabo acessando o Twitter no meio das funções de trabalho do dia a dia, não tiro um tempo específico pra isso. São projetos, vídeos e empresas demais para dar conta. Trabalho em média 16 horas por dia, incluindo finais de semana.

Como avalia o conteúdo que você produziu antes? Quais as críticas que hoje você faz ao Felipe Neto do passado?
Já repeti clichês homofóbicos, machistas, transfóbicos e elitistas.

Eu comecei a ter muitas visualizações muito jovem, então meu processo de amadurecimento foi inteiramente exposto, o que faz com que pessoas sem caráter peguem vídeos de 10 anos atrás e tentem exibir como se mostrassem minha opinião de hoje.

Minha luta por amadurecimento é constante e seguirei sempre nesse caminho.

Um recado para o prefeito Crivella?
Isso foi só o início. Onde você tentar impor opressão, nós estaremos lá.

Um recado para o presidente do Tribunal de Justiça?
Faça um curso básico de interpretação de texto, um presidente de Tribunal não pode ter a falta de inteligência de um Crivella e um Silas Malafaia. É preciso aprender a ler. Caso queira dizer que estou errado, eu deixo o desafio a qualquer um: prove que o Estatuto da Criança e do Adolescente fala algo sobre afeto homossexual como sendo material proibitivo e eu virei a público pedir desculpas

Livros e HQs