Topo

Filmes e séries


Jair Bolsonaro diz que vai buscar "extinção da Ancine"

Facebook/Reprodução
Imagem: Facebook/Reprodução

Guilherme Mazieiro

Do UOL, em Brasília

25/07/2019 19h52

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse que vai buscar a extinção da Ancine (Agência Nacional de Cinema). Desde a semana passada, o mandatário faz críticas ao órgão e transferiu sua sede do Rio de Janeiro para Brasília. A declaração foi feita em transmissão ao vivo pelo Facebook.

O presidente já havia considerado a possibilidade de extinguir o órgão se não puder pôr filtro nas produções. Ele vem criticando reiteradamente a produção de Bruna Surfistinha, filme que conta a história da ex-prostituta Raquel Pacheco.

"Depois desse anúncio de fazer um filme sobre a minha pessoa, a Ancine ganhou mais um FO positivo, Fato Observado positivo. Vamos buscar a extinção da Ancine. Não tem nada que o poder público tenha que se meter em fazer filme. Que tenha uma empresa privada, sem problema nenhum. Mas o estado vai deixar de patrocinar isso daí", disse.

Bolsonaro ainda ressaltou que não iria "citar nomes de filmes produzidos pela Ancine", porque havia crianças assistindo sua live pelo Facebook.

O filme sobre a eleição do presidente, "Nem Tudo se Desfaz", do cineasta José Teófilo, teve autorização da agência para captar R$ 530 mil para produção. A autorização foi publicada no Diário Oficial da União, em 31 de maio.

"Hoje foi anunciado uma liberação de R$ 530 mil para fazer filme comigo. Olha como os caras são legais, bonzinhos. Eu não tenho esse poderia todo sobre a Ancine. Temos lá cargos que são eletivos. Não posso interferir diretamente na Ancine", disse Bolsonaro.

A Ancine

A Ancine é uma agência reguladora criada em 2001 e administrada por quatro diretores que tem como objetivo fomentar, regular e fiscalizar o mercado do cinema e do audiovisual no Brasil. A agência era vinculada ao ministério da Cultura antes de sua extinção pelo presidente Bolsonaro e a sua transformação em secretaria ligada ao ministério da Cidadania.

Os mandatos dos diretores não coincidem com as eleições presidenciais. Sobre isso, o presidente comentou que fica "completamente amarrado". "Parabéns à esquerda, não só no aparelhamento não só de pessoas como de instituições. Você tem agência para tudo, com mandato, e eu não posso fazer nada. Fico completamente amarrado no tocante a isso daí". Vale lembrar que a sede oficial da agência é em Brasília, porém seu escritório central fica no Rio de Janeiro.