Topo

Filmes e séries


Como a Cersei de GoT virou ativista e acabou em filme "barato" sobre refugiados

Divulgação
Lena Headey em cena de The Flood Imagem: Divulgação

Maurício Dehò

Do UOL, em São Paulo

2019-06-21T04:00:00

21/06/2019 04h00

Lena Headey estrela de Game of Thrones, ganhando US$ 1,2 milhão por episódio como Cersei Lennister, resolveu dar um passo atrás por uma boa causa. Ela é a estrela do filme de baixo orçamento The Flood, um drama que chega aos cinemas da Inglaterra nesta sexta-feira, levantando uma bandeira de uma causa que escolheu defender nos últimos anos: os refugiados.

A atriz é mais uma das pessoas impactadas pela foto de um garotinho sírio achado morto em uma praia da Turquia, em 2015. A inglesa resolveu se voluntariar para ajudar o Comitê de Resgate Internacional (IRC), um grupo humanitário que atua na causa, e chegou a viajar para dar seu apoio.

Lena contou ao The Guardian que foi a Lesbos, uma ilha grega que virou ponto de desembarque de refugiados, e fez amizade com uma família síria, hoje realocada no norte da Alemanha.

O filme The Flood surgiu como projeto de três pessoas que trabalhavam como voluntários em Calais, um acampamento de refugiados na França já fechado - o diretor Anthony Woodley, o roteirista Helen Kingston e o produtor Luke Healy. A ideia do trio foi abrir um espaço no mundo do cinema para dialogar sobre a causa dos imigrantes e refugiados, aprofundando-se nas complexidades e emoções dos dois lados do espectro.

Headey não ganhou papel de heroína: ela é Wendy, uma profissional fria que trabalha assessorando nos pedidos de refugiados em um centro na Inglaterra, que sofre com um período conturbado de divórcio e abuso de bebidas.

"Eu cresci nessa indústria de pequenos filmes ingleses, lá atrás, quando os filmes eram feitos sem grana por quem tinha paixão por um projeto e eram feitos num período de tempo bem curto. Eu sentia falta desse tipo de produção de cinema", disse Lena, ao The Guardian.

Divulgação
Ivanno Jeremiah em cena de The Flood Imagem: Divulgação

Na geladeira

O filme foi feito, na verdade, há três anos. Mas os envolvidos precisaram ter paciência para ter o momento certo de colocá-los nas salas de cinema. O motivo é um pouco triste. Outro filme sobre refugiados foi lançado na época e a equipe entendeu que o tema, polêmico, já tinha "completado sua cota".

"Isso não é algo legal de se falar. É bem feio. Mas quando vamos perceber que precisamos de trabalhamos como este?", questiona Lena, que vê seu país, a Inglaterra, bem atrás da Alemanha no tratamento de imigrantes. Ela esteve em Berlim para seu próximo projeto, o filme Gunpowder Milkshake, que deve estrear em 2020, envolvendo a história de um grupo de mulheres assassinas. Além disso, vem estudando direção para tentar trabalhar por trás das câmeras.

Divulgação
Iain Glen e Lena Headey em cena de The Flood Imagem: Divulgação

Reunião de ex-GoT

The Flood acabou tendo mais um ex-Game of Thrones no elenco. Lena se reúne com Iain Glen, o Jorah Mormont de GoT, na empreitada. Ele é Philip, chefe da personagem de Lena, que gosta de aplicar sermões e é pressionado por burocratas.

The Flood será lançado um dia depois do Dia Mundial dos Refugiados, que acontece em 20 de junho. Ainda não há previsão de exibição no Brasil.

Veja o trailer, em inglês:

Homenagem a Freddie Mercury

Também sobre refugiados, Lena Headey apareceu nesta semana em um vídeo para o Comitê de Resgate Internacional citando o pouco lembrado fato de que Freddie Mercury, ex-vocalista do Queen, era um refugiado. Ele nasceu na Tanzânia e deixou o país rumo à Inglaterra.

"Querido Freddie, e se o Reino Unido nunca tivesse te dado boas vindas? Se você nunca tivesse sido acolhido, sua voz nunca seria ouvida e muitos nunca teriam achado suas próprias vozes. Sua coragem nunca teria nos dado força para sermos corajosos. Nunca teríamos sido campeões. O mundo não teria sido tão 'rapsódico', triunfante e brilhante, não seria nosso mundo. Querido Freddie e todos os refugiados, vocês fizeram muito mais que história", diz ela.