Topo

Game of Thrones


"Game of Thrones" tropeça em ação apressada, mas brilha com intrigas

Daenerys (Emilia Clarke) ao lado de Drogon em cena do quarto episódio da oitava temporada de "Game of Thrones" - Divulgação
Daenerys (Emilia Clarke) ao lado de Drogon em cena do quarto episódio da oitava temporada de "Game of Thrones"
Imagem: Divulgação

Beatriz Amendola

Do UOL, em São Paulo

06/05/2019 16h03

ATENÇÃO: O texto abaixo contém spoilers do quarto episódio da oitava temporada de "Game of Thrones". Não leia se não quiser saber o que acontece.

Pode ser que seja a falta de lastro nos livros de George R.R. Martin, ou o número de episódios reduzidos: o fato é que "Game of Thrones", em suas sétima e oitava temporadas, tem apressado seus acontecimentos a ponto de, volta e meia, jogar pela janela o cuidado com seus roteiros. "The Last of the Starks", que foi ao ar ontem, foi um exemplo claro disso. O episódio oscilou entre as finas intrigas políticas que se tornaram marca registrada da série e momentos anticlimáticos que pareceram jogados apenas para avançar a história - ou pior, causar choque nos espectadores.

O problema foi mais acentuado na sequência que culminou na morte de Rhaegal, um dos dragões de Daenerys. A criatura sobreviveu ao embate com o Rei da Noite, no episódio anterior, para ser atacado repentinamente por Euron Greyjoy enquanto Daenerys e parte de seu exército se dirigiam à Pedra do Dragão. Uma flecha acertou em cheio o peito de Rhaegal, que em seguida foi atingido outra vez, no pescoço.

A cena foi surpreendente, mas gratuita. Não houve uma preparação que fundamentasse o momento, o que deixou várias dúvidas: Daenerys, do alto, não conseguiu enxergar as tropas inimigas? Pedra do Dragão estava totalmente desprotegida? Ninguém pensou em mandar uma equipe para verificar se havia uma emboscada -- o que era esperado, já que se trata de uma guerra?

Foi muito diferente da construção sutil feita pelos showrunners David Benioff e D.B. Weiss para revelar Arya como a assassina do Rei da Noite, no episódio anterior. Goste ou não da decisão, ficou claríssimo que todo o caminho percorrido por ela a levou até aquele ponto - e a série já havia adotado a mesma estratégia com outros momentos surpreendentes, como o Casamento Vermelho.

No fim das contas, a morte de Rhaegal pareceu feita sob medida para cumprir dois propósitos: criar uma cena de impacto e enfraquecer o poderio de Daenerys, acrescentando mais emoção ao iminente conflito contra Cersei. Foi um desserviço ao histórico da série, agravado pelo fato de toda a ação ter ficado restrita aos 30 minutos finais de um episódio de quase 1h20.

Mas sejamos justos: quando se trata de intrigas políticas, "The Last of the Starks" foi um retorno ao que "Game of Thrones" sabe fazer de melhor. "Nós os derrotamos, agora temos de enfrentar a nós mesmos", prenunciou Tyrion, logo nos minutos iniciais do capítulo. A série não demorou a cumprir as palavras do anão, criando uma tensão quase insuportável com o espalhamento gradual revelação sobre a real paternidade de Jon Snow.

Foi o próprio protetor do Norte que deu o pontapé na grande fofoca dos Sete Reinos quando contou a verdade a Sansa e Arya, em uma atitude ingênua e honrosa - do tipo das que custaram a vida de Ned Stark na primeira temporada. O que se seguiu foi uma sequência de tramoias, com diálogos afiados envolvendo Tyrion, Sansa e Varys, os três preocupados, cada um a sua maneira, com um possível governo de Daenerys.

Em um crescendo com uma traição à vista, o episódio terminou em um golpe forte com a morte de Missandei e a presença de Cersei, fortalecida pela atuação expressiva da atriz Lena Headey. Dessa forma, "Game of Thrones" prepara o terreno para aquele que será seu embate mais decisivo e deixa entrever que seu final não será decidido nas trincheiras, mas sim nos corredores dos castelos - uma conclusão mais do que apropriada para a saga épica da HBO.

Mais Game of Thrones