Topo

Simone e Simaria lançam DVD romântico: "Música que fala besteira passa rápido"

A dupla Simone & Simaria faz coletiva de imprensa em São Paulo - Cláudio Augusto/Brazil News
A dupla Simone & Simaria faz coletiva de imprensa em São Paulo Imagem: Cláudio Augusto/Brazil News

Renata Nogueira

Do UOL, em São Paulo

02/04/2019 21h34

Simone e Simaria estão de volta mais uma vez. E bem mais românticas. Após alguns meses longe dos palcos, as coleguinhas reuniram hoje a imprensa para divulgar o novo DVD da dupla, "Aperte o Play", lançado na última sexta-feira (29).

Com 13 faixas inéditas e uma regravação, o disco é o mais importante da carreira delas, garante Simaria. "Ainda mais depois de tudo o que passamos", afirma a cantora, que precisou se afastar do palco para tratar uma tuberculose ganglionar.

O repertório novo é a aposta das irmãs, que misturaram ritmos e fizeram parcerias com Ludmilla, Luan Santana, Léo Santana e Joey Montana. Mais intimista, o registro foi gravado no final de novembro, em São Paulo.

"O segredo não é o tamanho do projeto, e sim o repertório. Se você tem música boa você pode cantar em um quarto só com uma luz em cima de você que vai dar certo. Como acreditávamos muito nesse repertório vimos que não era necessário fazer um DVD tão grandioso porque estávamos com músicas muito boas", conta Simone.

"O DVD de agosto foi um registro. Mas o 'Aperte o Play' já vinha sendo construído dentro da minha cabeça há muito tempo. Naquela época já estava separando as músicas e imaginando fazer ele num lugar menorzinho", completa Simaria, lembrando o disco "Ao Vivo Em São Paulo", que marcou sua volta aos palcos no ano passado. Naquela ocasião, porém, ela teve de interromper mais uma vez a agenda para seguir em tratamento.

A cantora, ainda, não parou de trabalhar e produziu "Aperte o Play" em sua própria casa.

"Eu produzi o DVD quando estava muito doente", conta Simaria. Mas era uma forma de eu me sentir viva. Porque eu gravei o DVD dentro da minha casa, no estúdio que eu fiz em casa. Quando eu passava mal e sentia fraqueza, eu saía do estúdio, subia pro meu quarto, comia e descansava. Aí quando ficava bem descia e retomava as produções."

"Não parei de trabalhar um minuto. Estava doente, mas ainda estava trabalhando. Mas numa coisa que eu estava amando fazer e me fazia bem", revela Simaria. "Eu não costumo ouvir os DVDs da gente, mas esse eu estou ouvindo direto porque, desculpa a palavra, mas tá muito fod*."

O repertório mais romântico tem justificativa. Depois de um hit atrás do outro, as coleguinhas querem eternizar o trabalho delas.

"Música que fala de amor é eterna. Você vai cantar a vida inteira e as pessoas vão estar cantando junto com você. Eu falo muito de 'Meu Violão e Nosso Cachorro' que a gente vai ficar velha cantando porque é música de verdade. Essas músicas que falam muita besteira passam muito rápido. Você tem que estar toda hora produzindo coisa pra poder continuar no mercado. Música que fala de amor não. Vai eternizar, vai ser sempre a música que o povo quer ouvir", conta Simaria.

"O povo gosta de sofrer. Gosta de um suplício", completa Simone, aos risos.

Entre as românticas, as irmãs apostam em uma canção em especial. "'A Rosa e a Espada' é uma música que vai mexer com todo mundo. Ela não fala só de relacionamento entre marido e mulher, ela fala também do relacionamento entre as pessoas", analisa Simaria.

Simone e Simaria fazem pocket show após coletiva sobre o novo DVD "Aperte o Play" - Cláudio Augusto/Brazil News
Simone e Simaria fazem pocket show após coletiva sobre o novo DVD "Aperte o Play"
Imagem: Cláudio Augusto/Brazil News

"As pessoas brigam muito por motivo nenhum e a música ensina a você como não brigar com o outro. O barulho não desperta o amor. É com o silêncio que se desperta o amor. Essa música é muito poética, do meu amigo Nivardo Paz. Ele escreveu sozinho essa letra e eu fico impressionada", completa.

Para seguir nos palcos sem sustos como o que afastou Simaria por meses, a dupla tomou algumas medidas definitivas para ajustar a agenda. "É tudo por causa da minha saúde. O que acaba comigo são as noites de sono perdidas. Então a partir de agora teremos menos shows para ter um pouco mais de qualidade de vida."

"Os shows começam no máximo meia-noite para gente conseguir dormir entre 2h e 3h da manhã. Para eu não ter que ir dormir às 6h ou às 7h como era antigamente. Fazer menos shows e controlar a agenda direitinho para poder cuidar da minha saúde, da minha alimentação e a gente continuar fazendo o que mais ama que é música."

Mais Sertanejo