PUBLICIDADE
Topo

Após suposto ataque, ator de "Empire" é considerado suspeito pela polícia

Jussie Smollett em cena de "Empire" - Divulgação/IMDb
Jussie Smollett em cena de "Empire" Imagem: Divulgação/IMDb

Rodolfo Vicentini

Do UOL, em São Paulo

20/02/2019 19h37

Após ser vítima de um suposto ataque homofóbico, o ator Jussie Smollett agora é considerado suspeito pelas autoridades, declarou um porta-voz da polícia. Advogados do ator da série "Empire" tiveram hoje uma reunião com investigadores para falar sobre o caso, confirmou um policial para o site THR.

"Atualização do caso: Jussie Smollett agora é oficialmente classificado como suspeito em uma investigação criminal pela polícia de Chicago por registrar um falso relatório policial (crime de Classe 4.) Os detetives estão atualmente apresentando provas perante um júri", escreveu o porta-voz Anthony Guglielmi.

Ameaça forjada

Nesta semana, o FBI e o serviço norte-americano de inspeção dos correios declararam que estão investigando se uma ameaça que o ator recebeu dias antes de ser supostamente atacado foi enviada por ele mesmo. 

Quem deu mais detalhes foi a "CNN". Segundo a emissora, a polícia de Chicago confirmou que o ator recebeu uma carta sete dias antes de ser atacado por duas pessoas. O envelope, segundo as autoridades, incluía o termo "MAGA" (slogan da campanha de Donald Trump) escrito com letras vermelhas e um pó branco que as autoridades depois confirmaram ser de uma aspirina.

A "ABC News" ainda noticiou que os dois irmãos suspeitos, que foram investigados na semana passada, disseram que Smollett ficou chateado que a carta não ganhou a atenção necessária.

O caso

Smollett diz que foi abordado por dois homens durante a madrugada do dia 29 de janeiro, que o reconheceram da série e usaram ofensas racistas e homofóbicas para chamar sua atenção. Os criminosos teriam então agredido o ator, jogado alvejante sobre sua cabeça e amarrado uma corda ao redor do seu pescoço.

Após a denúncia feita pelo ator, rumores da imprensa local deram conta que a polícia de Chicago suspeitava da possibilidade de Smollett ter encenado o ataque. A instituição inicialmente negou os boatos e, pouco depois, apreendeu dois irmãos de nacionalidade nigeriana como suspeitos.

Mais tarde, no entanto, os irmãos foram liberados pela polícia, que deu declaração dizendo que os testemunhos dos suspeitos haviam causado "uma mudança drástica" na investigação, e que os investigadores gostariam de entrevistar Smollett mais uma vez.