Topo

Filmes e séries


"Marighella" tem viés de esquerda, mas filme é importante para todo brasileiro

Divulgação
Cartaz do filme "Marighella", dirigido por Wagner Moura Imagem: Divulgação

Bruno Ghetti

Colaboração para o UOL, em Berlim (Alemanha)

2019-02-15T15:30:00

15/02/2019 15h30

A vida de Carlos Marighella gerou narrativas de naturezas tão díspares quanto as paixões de quem se dispunha a contá-las. Detratores o difamaram na mesma medida em que admiradores o idealizaram. Em comum, apenas a incapacidade de um olhar indiferente ou frio sobre o maior líder da guerrilha urbana no Brasil. Mas qual o sentido de ser neutro diante de um ser humano que sempre procurou passar distante da neutralidade? Seria uma enorme traição ao homem e a sua essência, e Wagner Moura parece estar ciente disso em "Marighella ", sua aguardada estreia como diretor de cinema.

Como o filme é o primeiro longa de ficção a se dedicar especificamente à trajetória do guerrilheiro (em seus últimos quatro anos de vida), era de se esperar que a narrativa tivesse viés claramente esquerdista - e, logo, inevitavelmente apaixonado. Moura joga limpo: em nenhum instante nega o fascínio que tem por Marighella - assim como o livro homônimo que o inspira, escrito pelo jornalista Mário Magalhães. 

No filme, o personagem é acima de tudo um homem íntegro. Que pode ter errado nos métodos que escolheu para resistir aos militares, ou talvez apenas tenha feito o que estava ao seu alcance (o filme não toma partido quanto a isso). Mas que sabia que a resistência, de qualquer tipo, era fundamental naquele período histórico do Brasil.

Tobias Schwarz/AFP
Wagner Moura leva para o tapete vermelho placa em homenagem a Marielle Franco Imagem: Tobias Schwarz/AFP

O que funciona no filme

Se em grande parte do filme - sobretudo a primeira hora - a narrativa de Moura funciona tão bem é justamente porque existe paixão em sua lente: pelo personagem, pelo ator principal (Seu Jorge), pelos temas. E há também nesse primeiro trecho do longa um respeitável domínio técnico do manejo da câmera - quase sempre na mão, com foco no rosto dos personagens, tornando o fundo algo desimportante; o cenário poderia ser o Brasil dos Anos de Chumbo - ou o atual. A face humana, e seu sofrimento, tem o privilégio.

Seu Jorge tem uma presença tão poderosa, marcante, que mesmo suas falhas técnicas enquanto ator passam despercebidas. Quando o roteiro se afasta dele para costurar a situação que desembocará na morte do personagem, o longa decai; perde o fôlego quase que irrecuperavelmente. Mas quando ele ressurge em cena, Moura não apenas tem diante de si um homem 100% convincente na pele de um líder nato como também uma figura capaz de reinserir o filme no prumo e lhe devolver a vida. Independentemente do tipo de cena em que surja - cômica, romântica, de ação, dramática -, ele é capaz de manter o longa pulsante.

Qualquer um que pretendesse interpretar Marighella precisaria ter pelo menos dois elementos: imponência física e magnetismo. Mas Seu Jorge ainda traz um terceiro: a fúria. Seu Marighella é um homem doce e bem-humorado, mas essencialmente furioso - com a situação de seu país, de sua família, de seu povo.

John MACDOUGALL / AFP
Wagner Moura fala sobre "Marighella" no Festival de Berlim Imagem: John MACDOUGALL / AFP

O que não funciona no filme

É também a paixão excessiva que talvez tenha impedido que o cineasta não percebesse certos desacertos do filme: a caricatura na construção de alguns personagens, a inserção de eventos irrelevantes para o que é central na narrativa, o desnível na qualidade das performances. E há falta de clareza no significado de determinadas situações, talvez compreendidas apenas por quem já conhece a história de Marighella ou já sabe de detalhes de como funcionava a luta armada no Brasil. Embora seja um filme de intenções didáticas, "Marighella" é muitas vezes uma obra um bocado afoita, dominada por um incontrolável (ainda que compreensível) sentido de urgência.

O longa tem 155 minutos, mas poderia ter menos de duas horas. Aliás, talvez fosse até mais efetivo, porque Moura já tinha diante de si o mais importante para o projeto: um Marighella crível. Poderia se concentrar mais nele. Pouco importa que Seu Jorge tenha um tom de pele bem mais escuro que a do guerrilheiro na vida real (que era descendente de sudaneses e italianos): a escolha por um homem negro quase sem traços perceptíveis de miscigenação é um acerto, se a observamos enquanto um ato político da parte de Moura. Cria um herói negro e ciente (além de orgulhoso) dessa sua ancestralidade. Uma opção que vem a calhar: o filme "Marighella" é fundamentalmente sobre tomadas de posições.

Isso, porém, não justifica alguns arroubos de pieguice que Moura infelizmente não consegue evitar. Quando Marighella é assassinado, uma militante de esquerda cai em prantos e grita: "Esse homem amou o Brasil! Esse homem amou o Brasil!" Além de lamuriosa, a frase soa desnecessária: o que o filme havia mostrado até então já era suficiente para que o espectador chegasse a essa conclusão por conta própria.

Abdulhamid Hosbas/Anadolu Agency/Getty Images
Elenco e equipe apresentam "Marighella" no Festival de Berlim Imagem: Abdulhamid Hosbas/Anadolu Agency/Getty Images

Filme importante para os dias de hoje

"Marighella" é genuinamente um produto do Brasil polarizado pós-2013. Em vários momentos, fala sobre o país dos anos 1960, mas com frases que se encaixam com facilidade no Brasil de hoje - poderiam sair de qualquer boca progressista diante do recrudescimento das forças conservadoras na era Bolsonaro. Logo no começo, um letreiro diz que o discurso do Golpe de 1964 visava "acabar com a corrupção e com a ameaça comunista". Mais adiante, o protagonista justifica sua opção pela guerrilha: "Ninguém fez nada quando tinha que fazer!". E posteriormente: "As pessoas precisam saber que, no Brasil, tem gente resistindo."

Sim: é um diálogo claro com a plateia de esquerda. Mas o filme não é de nicho: é importante para qualquer brasileiro, seja qual for sua inclinação política. O espectador não precisa comprar a ideia de que Marighella foi um santo - até porque o filme jamais se propõe a vendê-la. Quer transmitir, no entanto, a ideia de que ele apenas não foi um monstro, mas um ser humano capaz de errar, de ser truculento e de cometer assassinatos e violências variadas. Só que, acima de tudo, foi um homem fiel aos seus princípios. E, a seu modo, um humanista.

Se o espectador considera sua luta digna de admiração ou uma postura que merece apenas reprimendas, fica a seu próprio critério julgar. O que não se pode negar é que um personagem importante como Carlos Marighella precisava ter sua história contada - ainda que sob uma perspectiva esquerdista. Até porque, veio da direita a história "oficial" dos fatos que "Marighella", o livro e o filme, procuram revisar. 

A versão oficial da morte de Marighella é muito diferente da realidade

Blog do Sakamoto