Topo

Geek


Disney vai investir pesado no streaming, e isso pode salvar "Demolidor"

Charlie Cox é o Demolidor na terceira temporada da série da Marvel na Netflix - Nicole Rivelli/Netflix
Charlie Cox é o Demolidor na terceira temporada da série da Marvel na Netflix
Imagem: Nicole Rivelli/Netflix

Beatriz Amendola

Do UOL, em São Paulo

06/02/2019 14h33

A Disney já começa a delinear com mais clareza quais serão seus passos no streaming para além do Disney+, o serviço orientado ao público familiar que deve estrear no fim do ano. Os conteúdos adultos, que estavam em um limbo, parecem ter agora um destino mais certo: o Hulu, a plataforma que lançou a aclamada "The Handmaid's Tale" e, por enquanto, está disponível apenas nos Estados Unidos. 

E isso pode ser um bom sinal para as séries da parceria Marvel-Netflix. 

Três streamings

Em uma entrevista concedida a investidores na última terça-feira (5), o CEO da Disney, Bob Iger, deu detalhes sobre os planos do estúdio para aproveitar bem o vasto conteúdo a que terá acesso após ser concluída a aquisição da 21st Century Fox - incluindo aí as renomadas produções do FX, lar de títulos como "The Americans" e "American Crime Story". 

A ideia é que a Disney opere com três plataformas de streaming distintas: uma para conteúdo familiar, outra para produções adultas e uma terceira para os esportivos, já que a Disney é dona também da ESPN. "Pensamos que atenderíamos melhor ao consumidor separando os três. No fim, nossa meta é ter uma única plataforma tecnológica, para que as pessoas possam criar uma única conta para assinar os três serviços, com o mesmo cartão e a mesma senha", explicou Iger, adiantando que a empresa criará descontos para quem quiser assinar as três plataformas, ou duas delas. 

O Hulu deve ter um papel central no processo, uma vez que a Disney será dona de 60% dele e o estúdio já pensa em expandi-lo e lançá-lo no mercado internacional. A plataforma seria, também, o lar em streaming das produções do FX, que são figurinhas frequentes em premiações como o Emmy, o Oscar da TV americana. 

"Vemos o FX desenvolvendo e produzindo conteúdo para o streaming do Hulu -- talvez não para a Disney, porque não é o tipo de programação de um ambiente de família. Mas a ideia é que o FX produza mais e traga seus conteúdos para o Hulu, enquanto expandimos [o serviço]", detalhou Iger. 

E as séries da Marvel-Netflix? 

O posicionamento do Hulu como o streaming adulto da Disney em escala global é um bom indicativo para o futuro das séries canceladas da parceria Marvel-Netflix ("Demolidor", "Luke Cage" e "Punho de Ferro"). 

Violentas, com fortes cargas dramáticas e classificadas para maiores de 16 anos, as produções foram limadas do catálogo da Netflix após divergências entre o serviço de streaming e a Marvel Studios e não teriam espaço no Disney+, o que vinha tirando o sono dos fãs que sonhavam em ver o retorno dos heróis.

Com o Hulu na jogada, no entanto, elas já teriam um lugar para ficar caso a Marvel resolva reutilizar os personagens, como prometeu nos comunicados que cancelaram as séries. A plataforma, vale lembrar, já é a casa de uma das séries da editora: "Runaways" (ou "Fugitivos", exibida aqui pela Sony). 

A única coisa ruim? Demolidor, Luke Cage e Punho de Ferro só poderão ser vistos em 2020, já que o contrato com a Netflix impede que os personagens apareçam em outra emissora antes de se completarem dois anos do cancelamento. Por enquanto, o futuro de "O Justiceiro", que estreou recentemente sua segunda temporada, e "Jessica Jones", cuja terceira chega ainda este ano, ainda é incerto.