PUBLICIDADE
Topo

Roupa de tamanho maior e suor congelado: os bastidores de uma cena de ação

Danny (Finn Jones) em cena da segunda temporada de "Punho de Ferro" - Divulgação/Netflix
Danny (Finn Jones) em cena da segunda temporada de "Punho de Ferro"
Imagem: Divulgação/Netflix

Beatriz Amendola

Do UOL, em Nova York*

08/09/2018 04h00

Quem não ama uma boa cena de ação? Quando bem-feitas, elas conseguem deixar filmes e séries ainda mais divertidos e interessantes -- e são essenciais quando falamos de produções envolvendo super-heróis.

Em março, o UOL visitou o set de "Punho de Ferro" a convite da Netflix e pôde ver de perto o que é necessário para montar uma sequência de ação na série do herói especialista em artes marciais. E acredite: é necessário pensar em muita coisa antes de alguém gritar "ação" para a pancadaria rolar solta em frente às câmeras.

Leia também 

Atores e dublês, claro, treinam durante meses para se preparar. Sob a supervisão do coordenador de dublês Clayton J. Barber (que trabalhou em "Pantera Negra" e "Creed"), Finn Jones, Jessica Henwick e companhia começaram a frequentar a academia em novembro do ano passado, um mês antes do início das filmagens. Conforme os roteiros de cada episódio iam chegando, os atores encaravam de uma a duas semanas de ensaios para aprender a coreografia das cenas e fazer bonito em frente às câmeras -- um detalhe importante para uma série que foi muito criticada pelas cenas de luta de seu primeiro ano.

O coordenador de dublês Clayton J. Barber orienta o ator Sacha Dhawan nos bastidores da segunda temporada de "Punho de Ferro" - Divulgação/Netflix - Divulgação/Netflix
O coordenador de dublês Clayton J. Barber orienta o ator Sacha Dhawan nos bastidores de "Punho de Ferro"
Imagem: Divulgação/Netflix

Barber elegeu como sua principal missão colocar os atores para fazer a maior parte de suas cenas de ação, diminuindo o uso de dublês. E conseguiu. "Você provavelmente terá cerca de 90% de toda a ação feita pelos atores", disse ele, que ainda elogiou o desempenho de seus pupilos: "No curso desta última temporada, todos os atores se tronaram muito proficientes nos seus movimentos".

Mas para que a luta em si funcione e fique crível na telinha, a equipe da série também precisa pensar -- e bastante -- em detalhes que nem sempre estão entre as prioridades do espectador. Quer saber mais? Explicamos aqui embaixo:

Figurino

Se você já tentou correr ou fazer movimentos mais bruscos usando jeans ou trajes sociais, sabe que essa não é uma tarefa fácil. Por isso, os figurinistas têm vários truques na manga para deixar atores e dublês confortáveis e permitir que eles consigam se movimentar à vontade na hora das lutas.

Stephanie Maslansky, que trabalhou nas duas temporadas de "Punho de Ferro" e em todas as outras séries da parceria Marvel-Netflix, conta que ela e sua equipe usam um método tradicional de costura para dar mais flexibilidade às roupas dos personagens: a colocação de nesgas, pedaços de tecidos adicionados de forma a conferir mais movimento às peças. Elas são usadas principalmente com os ternos, que constituem parte significativa dos trajes de "Punho de Ferro".

"Com isso, nossos dublês e atores podem realmente se mexer e chutar. E muitas vezes nós damos aos dublês ternos um tamanho acima, porque eles usam enchimentos. Como eles sempre estão em ação e sempre se mexendo, as pessoas não notam", explica.

E a produção sempre tem várias peças iguais para uma mesma sequência, já que elas vão se desgastando. Só para a cena de "Defensores" em que Danny Rand, Jessica Jones, Luke Cage e Matt Murdock confrontam os soldados da vilã Alexandra (Sigourney Weaver), foram mais de quatro ternos para o ator Finn Jones. "Danny tinha quatro ou cinco ternos, e o dublê dele tinha três ou quatro. E todos eles foram feitos sob medida, incluindo as camisas. Deu muito trabalho", recorda a figurinista. 

Heróis lutaram em corredor em "Os Defensores" - Reprodução - Reprodução
Finn Jones usou vários ternos para filmar luta no corredor de "Os Defensores"
Imagem: Reprodução

A tecnologia também pode dar uma ajudinha. A equipe da Marvel desenvolveu um tecido flexível que pode ser tingido e estampado de forma a aparentar ser outro tecido, como couro. É desse material, por exemplo, que é feito o traje do Demolidor.

Se a sequência é externa, a equipe de figurino tem um desafio a mais: manter atores e dublês devidamente aquecidos. Isso porque boa parte das séries são filmadas durante o inverno nova-iorquino, em temperaturas frequentemente abaixo de 0. Segundo Maslansky, dependendo do tecido, os atores podem suar bastante, e o suor acaba congelando.

"Lidar com a temperatura corporal e o conforto deles nesses climas extremos é muito desafiador. É algo com que eu trabalho não só com efeitos especiais, mas com o departamento de vestimentas, que é devotado a manter os atores confortáveis e garantir que eles tenham trocas de roupas de baixo, meias e camisas", explica. É esse mesmo departamento que garante também a continuidade dos figurinos, já que nem tudo é filmado cronologicamente: "Se há uma cena em que alguém é esfaqueado, morto ou espancado, você pode começar com a cena final e ter que voltar, então você precisa saber onde os buracos de bala vão ficar. É complicado".

Sets

Os sets que abrigam os cenários das produções também precisam ser preparados para as cenas de ação -- o que nem sempre é simples, já que eles costumam ser preparados bem antes de todos os roteiros ficarem prontos. "Envolve muita adivinhação e aposta", entrega Patrick Howe, designer de produção de "Punho de Ferro". "Quanto antes você sabe, melhor. Geralmente os roteiristas descrevem de forma mais ampla que vai ter uma sequência de ação, uma luta, explosão, incêndio, e você pode se preparar, de certa forma. Mas até que ela esteja no papel, você não poder ser muito específico".

Finn Jones e Sacha Dhawan gravam luta de Danny e Davos para a segunda temporada de "Punho de Ferro" - Divulgação/Netflix - Divulgação/Netflix
Finn Jones e Sacha Dhawan gravam luta de Danny e Davos para "Punho de Ferro"
Imagem: Divulgação/Netflix

Se uma sequência envolve personagens ficando presos em algum lugar, Howe e sua equipe precisam saber como eles se libertam para planejar o espaço, o que é importante para que atores e câmeras saibam como se movimentar; o mesmo vale para manobras arriscadas que envolvam coisas como vidros e paredes quebrados, já que a equipe precisa calcular todos os danos ao espaço.

E faz muita diferença uma cena ser gravada nos estúdios da produção, localizados no bairro do Brooklyn, ou em locações. 'Filmamos em uma casa noturna no centro para fazer uma certa cena de ação que envolvia uma morte", lembra Howe. "E quando você está em uma locação, você tem um limite do que o dono do lugar permite fazer. Mas você se vira, você dá um jeito de se virar e ser bem-sucedido na hora de retratar a violência da forma que gostamos".  

No estúdio, por outro lado, não só é mais fácil simular os danos necessários, como também há mais liberdade para, por exemplo, colocar pessoas caindo direto do teto, já que há estruturas próprias para dar apoio e garantir a segurança de atores e dublês.

E a equipe de design de produção ainda tem outro trabalho quando as cenas de ação estão em gravação: garantir a continuidade da sequência no que se refere à decoração do set, que pode sofrer alterações sutis de tempos em tempos. "Se um episódio termina no meio de uma briga, e essa briga continua, então não vamos colocar um novo quadro na parede, um vaso de flores ou algo assim". 

*A repórter viajou a convite da Netflix