Diga o meu nome

Por que Zachary Levi é a escolha perfeita para apresentar Shazam ao universo da DC no cinema

Renata Nogueira Do UOL, em Toronto (Canadá)*

Fly me to the moon and let me play among the stars

Os versos consagrados por Frank Sinatra ecoam na gelada Pedra da Eternidade. A voz misteriosa vem do cenário ao lado.

"É sempre assim", comenta o produtor que acompanha os jornalistas curiosos para identificar aquela voz no set. É Zachary Levi cantando.

O protagonista de "Shazam!" já havia voado "até as estrelas" com o uniforme do super-herói e estava de volta ao estúdio em Toronto, no Canadá, onde faria uma das últimas cenas do filme.

Entre um "gravando" e outro, a trilha sonora se repete.

Horas depois, o ator justificaria a cantoria constante, uma herança dos seus tempos de palco na Broadway: "Desculpa se incomodei vocês. A ideia é só trazer alegria".

Alegria é uma boa palavra para resumir a sensação que ele quer deixar ao público que for aos cinemas assistir ao filme a partir do dia 4 de abril.

O herói mais divertido da DC não poderia ter encontrado um protagonista melhor.

Divulgação Divulgação

O escolhido

Assim como o adolescente Billy Batson, que inicialmente não entende o motivo de ter sido escolhido para ganhar os poderes de Shazam, Zachary Levi também não achava que estava pronto para ser um super-herói. Ainda mais sabendo que poderia, a qualquer momento, enfrentar Dwayne Johnson, o The Rock, no papel de Adão Negro. Mas o vilão entrou na fila da DC como um spin-off de "Shazam!".

"Estranhei [o convite para o teste], já que eu era mais magrelo e, apesar de ter uma boa carreira, ainda não sou tão conhecido como o The Rock. Por isso eu respondi a meus agentes questionando se o estúdio não queria alguém mais conhecido ou, pelo menos, um cara bem mais forte do que eu", conta, aos risos.

Nem fui fazer o teste. Recusei o convite para Shazam muito educadamente, achei que só ia fazer a equipe perder tempo.

Depois de alguns meses, Zachary participou de uma audição para um outro personagem do filme. "Vi que ele tinha aquela pegada de humor e me identifiquei. Depois de fazer um vídeo, descobri que eles me queriam mesmo como o Shazam."

E assim a DC ganhou um herói divertido para chamar de seu. "O que eu não sabia é que os produtores e o estúdio em vez de pensarem: 'Bom, vamos escalar aquele figurão', foram atrás de alguém com as características certas para aquele herói específico. Espero que eu corresponda a expectativa deles dando vida a um fortão com a mentalidade de um menino de 14 anos."

No fim, Zachary se diz abençoado por ter sido escolhido para viver o personagem. "É um super-herói muito divertido. Billy Batson, o Shazam, é único no universo dos quadrinhos tanto da DC quanto da Marvel, porque são poucos os heróis realmente divertidos".

Um cara de comédias

É tão legal que eu possa fazer um papel que nem parece tanto que estou atuando. Uso a minha própria empolgação para construir o personagem. E, cara, isso é muito divertido!

Zachary Levi

Zachary Levi, sobre a facilidade de fazer um personagem tão parecido com ele

Steve Wilkie/DC Comics Steve Wilkie/DC Comics

Divulgação Divulgação

Esculpindo um corpo

Faltava quase um ano para "Shazam!" chegar aos cinemas quando o UOL participou de um dia das gravações em Toronto. Na época, pouco se sabia sobre o filme, mas já havia uma grande polêmica com uma foto vazada das gravações que mostrava o ator caracterizado. Como Zachary Levi havia ficado tão forte na pele de Shazam?

Apesar da liberdade para circular na Pedra da Eternidade, um dos principais cenários do filme, havia uma regra a ser seguida na visita. Por questões contratuais, o ator não poderia ser entrevistado com a roupa do super-herói.

Horas depois, já descaracterizado e claramente mais forte, o próprio ator explicaria como esculpiu seu corpo em alguns meses: ele estava se preparando antes de saber que receberia o papel de sua vida.

Zachary Levi estava na academia quando o diretor David F. Sandberg ligou para confirmar que o protagonista seria ele. Naquele momento, a dedicação tinha mais a ver com a saúde do que algo pensado para esculpir músculos.

"Eu já estava indo para a academia pelo menos umas quatro vezes por semana", conta Levi, que passou a pegar mais pesado nos exercícios, indo à academia pelo menos cinco vezes na semana, e mudando completamente a dieta, consumindo até 5.000 calorias por dia.

Minha alimentação é basicamente frango e brócolis cinco vezes ao dia ou ovos com macarrão ou com batata-doce. É basicamente um monte de proteína, um monte de gordura boa e um pouco de carboidratos.

"Eu malho durante toda a minha vida, mas nunca tinha ficado fortão. Pensava que era meu metabolismo, que eu estava fadado a ser um cara alto e magro. Ninguém havia me explicado que não era apenas levantar peso. Você precisa de uma alimentação correta para criar músculos, precisa beber litros e litros de água".

Os músculos que começaram a saltar aos olhos do público logo geraram uma desconfiança. Zachary foi acusado de se beneficiar de enchimentos para parecer mais forte. O uniforme tinha, sim, algumas espumas, mas não para deixar o ator mais forte, mas para ajustar melhor a roupa. Os braços e o peitoral ressaltados foram, além do esforço na dieta e na academia, resultados de ensaios intensos para viver o adolescente que vira um herói adulto ao dizer a palavra Shazam.

"Eu passei mais de um mês treinando acrobacias cinco vezes por semana com meu coreógrafo de lutas. Treinei voo, as lutas com o Dr. Silvana, voei no shopping, pousei e decolei, segurei um ônibus e outras coisas menores, mas necessárias para o filme."

Da Marvel à DC

Antes de Shazam, o personagem mais marcante de Zachary Levi estava na TV. Ele viveu Chuck Bartowski na série "Chuck" por cinco anos (de 2007 a 2012). No cinema, o ator também ficou bem conhecido por dublar Flynn Rider (José Bezerra, em português) na animação da Disney "Enrolados".

Mas a introdução ao mundo dos super-heróis curiosamente aconteceu na Marvel. Com os cabelos bem mais claros do que o preto que teve que adotar para Shazam, Levi interpretou Fandral em "Thor: O Mundo Sombrio" (2013), e repetiu o papel em "Thor: Ragnarok". E não se limita ao falar da experiência na maior concorrente da DC.

Tenho muito orgulho de ter sido parte do universo cinematográfico da Marvel e agora estar na DC. Sou um dos poucos atores que teve a oportunidade de participar dos dois. Foi muito legal para ser introduzido aos leitores de HQ. Até eu ganhei uns fãs, mesmo com um personagem tão secundário.

A experiência anterior nos dois filmes da Marvel também serviu como aprendizado para a produção, que envolve longos meses no set e muitas vezes até mudanças temporárias de país.

"Em 'Thor' foram seis meses de contrato e um mês de ensaios. Em 'Shazam' foram cinco meses de contrato com um mês de ensaios. São muitas cenas de ação, filmagens em outros lugares. O 'Thor' fizemos na Inglaterra; 'Shazam', no Canadá", relembra sobre ter que sair dos Estados Unidos. "Mas esse histórico me trouxe, além de reconhecimento, uma ideia do que eu podia esperar do sistema de trabalho."

"Quanto maior o filme, mais demoradas as filmagens. São muitas pessoas envolvidas e muitas cenas. Quando você faz uma série de TV nos Estados Unidos, por exemplo, tudo é tão mais dinâmico. Eu costumava filmar oito cenas por dia e nos filmes é uma cena por dia, o que me surpreendeu".

Um adolescente de 80 anos

Minha síndrome de Peter Pan me trouxe personagens mais ingênuos. Mas foram esses papéis que me levaram ao trabalho mais descolado que eu já tive

Zachary Levi, sobre ser um eterno crianção

Reprodução Reprodução

Futuro na DC

"Shazam!" já fez parte do grupo de heróis da DC nos quadrinhos. Mas com o fracasso do filme "Liga da Justiça", em 2017, pouco se sabe sobre os planos do estúdio para um novo encontro. Da parte de Levi, ele torce para que seja incluído na Liga também no cinema.

Shazam seria um personagem que se encaixaria muito bem ali por causa do seu humor. Ele tem algo a oferecer e certamente seria muito próximo do Flash.

Para o ator, a proximidade com o herói vivido por Ezra Miller se dá justamente pelo humor que o ator levou ao filme de Zack Snyder. "Acho que o grande destaque, mesmo com as críticas negativas, são os momentos de bom humor, especialmente os do Flash."

Já sua relação com o Superman de Henry Cavill ficou restrita ao mundo virtual, apesar das várias referências ao Homem de Aço no filme. "Não conheci o Henry pessoalmente, mas a gente se segue no Instagram e ficamos zoando um com o outro. E eu admiro que ele sabe lidar com a parte engraçada das redes sociais. Isso é muito importante".

A provocação ao clássico personagem tem raízes nos quadrinhos e, mesmo com o desejo de fazer parte da Liga da Justiça, o ator não dispensa a batalha no futuro. "Tem umas lutas clássicas entre Shazam e Superman muito legais nos quadrinhos. Tem uma até que eles se juntam para vencer o Adão Negro. Já que temos tudo isso disponível, por que não fazer, não é mesmo?".

Veja o trailer de "Shazam!"

Curtiu? Compartilhe.

Topo