PUBLICIDADE
Topo

Filmes e séries


Diretor de "Parasita" diz que barreira do idioma pode estar se rompendo após indicações ao Oscar

REGIS DUVIGNAU
Imagem: REGIS DUVIGNAU

Sangmi Cha

Em Seul (Coreia do Sul)

14/01/2020 09h03

O diretor de "Parasita", Bong Joon-ho, disse que ficou surpreso e muito feliz com as indicações do filme ao Oscar, divulgadas ontem, que considerou uma conquista inédita para a indústria cinematográfica da Coreia do Sul e sinal de que a língua não é mais uma barreira para o sucesso global.

O longa, uma sátira social sobre a grande distância entre ricos e pobres na Coreia do Sul, concorre nas categorias de melhor filme, melhor diretor, melhor roteiro original e melhor filme internacional.

"A cada vez que anunciavam uma nova indicação, era tão emocionante, porque não prevíamos nada disso", disse Bong em entrevista à Reuters TV, na Califórnia.

O diretor já havia problematizado os desafios que filmes internacionais enfrentam para quebrar a barreira do idioma ao redor do mundo, mas afirmou que as indicações sugerem que essas dificuldades podem estar diminuindo.

"Podemos dizer que, graças à internet, às redes sociais e a esses serviços de streaming, toda a sociedade está vivenciando menos essas barreiras da língua, e talvez 'Parasita' se beneficiou dessa tendência global", disse.

Em um vídeo divulgado online pela produtora NEON, o ator Song Kang-ho quase derruba uma xícara de café enquanto ele e outros colegas comemoram as nomeações.

"O sinal de que você é um astro global: você não derruba seu café quando seu filme é indicado à melhor filme", brincou a companhia.

Filmes e séries