PUBLICIDADE
Topo

Mulheres de "Star Wars" se despojam do poder e das roupas por amor, diz pesquisa

Carrie Fisher em "Star Wars: Episódio IV - Uma Nova Esperança" (1977) - Divulgação
Carrie Fisher em "Star Wars: Episódio IV - Uma Nova Esperança" (1977)
Imagem: Divulgação

Kate Ryan

De Nova York

26/02/2019 12h47

Heroínas dos filmes da saga "Star Wars" se vestem mais despojadamente e se tornam mais frágeis sob a força do amor, segundo um estudo divulgado hoje que mostra que duas das protagonistas femininas perderam poder quando se apaixonaram.

As personagens Padmé Amidala e Princesa Leia normalmente usavam mantos e vestidos ornamentados ao proteger impérios, mas abandonavam essas roupas quando apaixonadas, segundo pesquisadores da Universidade Estadual da Flórida.

Interpretadas por Natalie Portman e Carrie Fisher, essas duas personagens estão entre as mais populares e conhecidas da franquia criada por George Lucas, que já arrecadou mais de US$ 9 bilhões.

Um novo filme, "Star Wars: Episódio IX", deve estrear nos cinemas neste ano.

Os filmes mostram as duas personagens femininas exibindo menos poder à medida que as tramas abrem espaço para romances, indicou a pesquisa.

Natalie Portman - Divulgação/Lucasfilm - Divulgação/Lucasfilm
Natalie Portman como Padmé em "Star Wars: Episódio II - Ataque dos Clones" (2002)
Imagem: Divulgação/Lucasfilm

A crítica ocorre em meio ao movimento #MeToo, levantado por mulheres de Hollywood que denunciaram abusos e assédio sexual.

O movimento passou a encampar exigências mais amplas, que vão de salários iguais a empregos melhores e papéis menos depreciativos para as mulheres.

No cinema e na vida real, as mulheres não precisam ceder o controle só por se envolverem romanticamente, disse Mary King, coautora do estudo publicado na publicação internacional "Fashion and Textiles", à Thomson Reuters Foundation.

"Os cineastas podem mostrar mulheres como líderes e parceiras românticas simultaneamente", afirmou. "Não temos que ser uma coisa ou outra".

"Vimos alguma melhoria, mas há muito mais que pode ser feito".