Entretenimento

Negociante de obras de arte de Nova York é acusada por fraude de US$ 30 milhões

Jessica Dye

18/07/2013 09h49

Uma marchande de Nova York foi indiciada na quarta-feira (17) por suposta participação em um esquema para vender obras falsas a duas galerias de Manhattan, numa fraude estimada em US$ 30 milhões, segundo promotores federais.

Glafira Rosales, de 56 anos, foi acusada de fraude eletrônica, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica em declaração tributária e ocultação de patrimônio em bancos estrangeiros, segundo indiciamento protocolado na corte federal de Manhattan. Ela pode ser condenada a 59 anos de prisão.

Rosales foi presa em 21 de maio, e deve ser oficialmente informada das acusações na sexta-feira. Seu advogado não respondeu a um telefonema para comentar o assunto na noite de quarta-feira.

Promotores dizem que Rosales, dizendo representar um cliente suíço ou um colecionador espanhol, vendeu mais de 60 obras desconhecidas e atribuídas a artistas renomados do século 20, como Jackson Pollock, Mark Rothko e Willem de Kooning. As pinturas eram falsas, e a marchande sabia disso.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Entretenimento

Topo