PUBLICIDADE
Topo

Morre Larry Kramer, autor de 'The Normal Heart' e ativista LGBTQ+, aos 84

04.05.2019 - Larry Kramer em evento no Festival de Tribeca, em Nova York (EUA) - Slaven Vlasic/Getty Images for Tribeca Film Festival
04.05.2019 - Larry Kramer em evento no Festival de Tribeca, em Nova York (EUA) Imagem: Slaven Vlasic/Getty Images for Tribeca Film Festival

Do UOL, em São Paulo

27/05/2020 12h52

Larry Kramer, o autor, dramaturgo, roteirista e ativista conhecido pela peça "The Normal Heart" e por seu trabalho para conscientizar o público sobre a pandemia da HIV/AIDS, morreu aos 84 anos.

O marido de Kramer, David Webster, confirmou a notícia ao "The New York Times", citando pneumonia como a causa da morte.

Começo no cinema

Kramer começou sua carreira como roteirista, ganhando uma indicação ao Oscar pelo trabalho em "Mulheres Apaixonadas" (1969), do diretor Ken Russell. Em 1978, lançou o livro "Faggots", que causou polêmica ao retratar de forma satírica a comunidade LGBTQ+ de Nova York.

A trama é protagonizada por um rapaz gay que não se identifica com o que vê como o estilo de vida predominante na comunidade, prezando o sexo, as drogas e a diversão acima de tudo. Na época, livrarias LGBTQ+ se revoltaram contra o retrato duro de Kramer, e boicotaram a obra.

"As pessoas literalmente viravam as costas para mim na rua. Sabe qual foi o meu crime? Eu disse a verdade. Isso foi o que eu fiz. Eu disse a maldita verdade para todos que já conheci na minha vida", comentou Kramer em entrevista de 2002.

Ativismo

Nos anos 1980, o autor se engajou na luta contra a AIDS, ajudando a fundar a Gay Men's Health Crisis (GMHC), que se tornou a maior organização privada do mundo a dar assistência a pacientes de HIV.

Ele também foi um dos ativistas envolvidos na fundação do ACT UP (Coalisão para Liberar o Poder contra a AIDS, na sigla em inglês), que realizou atos de desobediência civil desenhados para chamar a atenção do governo para a pandemia.

Em 1988, o próprio Kramer descobriu que era portador da HIV, enquanto estava no hospital por outro motivo. A doença, no entanto, nunca se manifestou no autor.

'The Normal Heart'

Um dos primeiros membros da comunidade LGBTQ+ a perceber a gravidade da pandemia, Kramer se revoltou com a apatia do governo e de seus amigos. Em 1985, expressou essa frustração em "The Normal Heart", peça autobiográfica que retrata vários personagens soropositivos.

Em 2014, "The Normal Heart" foi transformado em telefilme por Ryan Murphy ("American Horror Story"). Mark Ruffalo, Jonathan Groff, Julia Roberts, Taylor Kitsch, Matt Bomer e Alfred Molina formaram o elenco do longa, que venceu um Globo de Ouro (para Bomer) e dois Emmys (incluindo melhor telefilme).

Família

Kramer conheceu o seu marido, o arquiteto David Webster, nos anos 1970, quando os dois tiveram um breve relacionamento. A reunião aconteceu em 1991, e o casal seguiu firme até 2013, quando oficializaram o casamento.

O autor norte-americano continuou trabalhando em livros, peças e roteiros até a morte — incluindo "The Destiny of Me", sequência de "The Normal Heart" lançada em 1992; e "An Army of Lovers Must Not Die", peça ainda inédita que ele revelou ter escrito com inspiração na pandemia do novo coronavírus.