PUBLICIDADE
Topo

Curador do Jabuti se retrata por citar dados falsos e minimizar coronavírus

Pedro Almeida, curador do prêmio Jabuti - Reprodução/Facebook
Pedro Almeida, curador do prêmio Jabuti Imagem: Reprodução/Facebook

Do UOL, em São Paulo

25/05/2020 10h25Atualizada em 25/05/2020 11h40

O curador do Prêmio Jabuti, a mais importante honraria literária do Brasil, se retratou nas redes sociais hoje, após ser alvo de críticas por minimizar as mortes ocorridas em consequência da pandemia do novo coronavírus. O editor Pedro Almeida afirmou que usou em um post informações falsas, que acreditava serem verdadeiras.

"Fiz um post com dados incorretos; errei por acreditar que eram corretos. Assim que amigos me avisaram disso, apaguei o post. Não desejava colocar inverdades e, como jornalista, sempre confiro antes de divulgar. Mas apostei na fonte", escreveu ele, em seu Facebook.

De acordo com a Folha publicou ontem, mais de 1.400 pessoas assinaram uma carta pedindo o afastamento de Pedro Almeida.

O abaixo-assinado declara que Almeida, que é sócio da Faro Editorial e está à frente do principal prêmio literário brasileiro, está "moralmente desautorizado para o cargo" depois que ele publicou em seu perfil nas redes sociais um texto em que minimiza as mortes causadas pela Covid-19 e defende o fim das medidas de distanciamento social.

O texto, agora apagado, começava com a frase "alguém está mentindo para você" e Almeida argumenta que o número de mortes por doenças no país registrados em cartório no ano passado foi superior aos de 2020, na pandemia do coronavírus.

"Estou negando a importância de cuidados com a saúde [...]? Não! Estou falando que não há um dado claro que indique a necessidade de parar com o país e ferrar a economia por uma mortandade de pessoas, porque não há aumento desses óbitos", escreveu. No entanto, as bases de dados de cartórios não são confiáveis para uma comparação deste tipo.

"Não sou contra o isolamento"

Na retratação, Pedro Almeida diz que "o prêmio Jabuti não tem nada a ver com meu post". Ele lamentou as perdas pela covid-19 e negou ser contra o isolamento.

"Lamento profundamente todas as mortes por covid-19. Tenho amigos que perderam parentes por conta dessa pandemia, dei toda a minha solidariedade e afeto a todos eles na época em que essas perdas aconteceram", escreveu Almeida.

"Foi criado um manifesto afirmando que sou contra o isolamento. Está equivocado. Não sou contra o isolamento, não nego o vírus nem seu potencial. Ao contrário, me preocupo com ele e recomendo a todos que mantenham o distanciamento social o máximo que puderem, e sigam as recomendações das autoridades médicas para a devida higienização neste período tão angustiante e preocupante", adicionou o editor.