PUBLICIDADE
Topo

Terror

Tudo o que você precisa saber sobre filmes, séries e livros de horror


Matheus Nachtergaele relembra reação de Mujica ao vê-lo como Zé do Caixão

Do UOL, em São Paulo

20/02/2020 07h45

A morte de José Mojica Marins, o cineasta Zé do Caixão, ontem, mexeu com muita gente. Entre eles, o ator Matheus Nachtergaele, que foi às redes sociais prestar uma homenagem, com a particularidade de ele já ter interpretado o próprio Zé do Caixão.

Emocionado, Matheus relembrou a aprovação do mestre do terror ao vê-lo em seu papel.

"Eu queria escrever um texto lindo pro Mojica, mas a notícia da sua morte me abalou pessoalmente. Fazer a série Zé do Caixão, de Vitor Mafra. me fez entrar em contato profundo com a vida e a obra desse mestre brasileiro, cineasta e ator autodidata, que botou os dois 'pés na jaca' dessa puta vida", escreveu o ator.

Essa foto retrata a visita dele no nosso set. Eu vesti o personagem, ele aprovou: sorriu, depois chorou, em silêncio."

Matheus fez um agradecimento ao cineasta e o colocou ao lado de outros personagens emblemáticos.

"Agradeço pela honra de fazer parte da trupe, a chance de viver por dentro, pelo menos um pouquinho, tua aventura, Zé. Assim como Chaplin e seu Carlitos, Mojica e Zé do Caixão habitam nosso imaginário mais profundo.E para sempre", concluiu.

A morte de Mujica foi confirmada ontem pela produtora do cineasta. O velório será realizado no Museu da Imagem e do Som (MIS), em São Paulo, hoje. A causa da morte ainda não foi divulgada.

Nascido no dia 13 de março de 1936, em São Paulo, José Mojica Marins era filho dos artistas circenses Antonio André e Carmen Marins. Sua família administrava um cinema, o que fez com que ele se obcecasse desde pequeno com a sétima arte e começasse a criar filmes com apenas 17 anos. Autodidata em cinema, em 1956, Mojica já era especializado em terror escatológico.

Mojica interpretou Zé do Caixão pela primeira vez em "À Meia-Noite Levarei tua Alma" (1964), parte de uma trilogia completada por "Esta Noite Encarnarei no Teu Cadáver" (1967) e "Encarnação do Demônio" (2008). A persona de Zé do Caixão se integraria à sua personalidade e imagem no imaginário popular, se tornando mais famosa do que o próprio diretor.

Tive a honra de homenagear José Mojica Marins, o Zé do Caixão!!!

Uma publicação compartilhada por Matheus Nachtergaele (@mathnachtergaele) em

Terror