PUBLICIDADE
Topo

Jesus gay e Deus mentiroso: o que o especial do Porta tem de controverso

Imagem do especial A Primeira Tentação de Cristo - Reprodução
Imagem do especial A Primeira Tentação de Cristo Imagem: Reprodução

Leonardo Rodrigues

Do UOL, em São Paulo

11/12/2019 15h46

O novo especial de Natal do Porta dos Fundos, intitulado A Primeira Tentação de Cristo e disponível na Netflix, vem causando a ira de grupos religiosos e conservadores ao mostrar uma visão diferente, mundana e descontraída de personagens e passagens bíblicas.

A atração, que tem influência de Monty Python e é inspirada em outras produções do grupo, foi criticada pelo bispo da Diocese de Palmares (PE), Dom Henrique Soares da Costa, que recomendou a fiéis o cancelamento da assinatura da plataforma.

O especial também é alvo de várias petições online, com centenas de milhares de assinaturas, que pedem sua retirada do ar. O deputado federal Eduardo Bolsonaro engrossou o coro afirmando que o Porta dos Fundos ataca a fé de 86% da população brasileira.

Fábio Porchat, que escreveu o roteiro do especial e há anos defende a abordagem do grupo em relação a temas religiosos, ironizou as críticas em sua conta do Twitter e afirmou que se resolverá com Deus.

"Está de boa, não precisa se preocupar não. Agora pode voltar a se indignar com a desigualdade que destrói nosso país. Mas tem que se indignar com o mesmo fervor, está bem?"

Esta não é a primeira vez que o Porta dos Fundos provoca ira de grupos conservadores por suas sátiras bíblicas. Mas o que o novo especial tem de supostamente ofensivo para provocar tamanha reação? Veja abaixo o que vem sendo criticado e alimentando a polêmica.

AVISO: O TEXTO ABAIXO CONTÉM SPOILERS DO ESPECIAL A PRIMEIRA TENTAÇÃO DE CRISTO

Jesus é gay e resiste ao chamado

O especial cita o Evangelho de Lucas 4,1-13, que narra o início do ministério de Jesus movido pelo Espírito Santo, quando ele se recolhe em jejum de 40 dias no deserto e é tentado por Satanás. Na versão humorística do Porta, ele (Gregório Duvivier) decide passar esse tempo fora para "se encontrar", como um mochileiro que viaja para o exterior com com intuito de "ter experiências".

Lá, Jesus conhece e inicia um relacionamento com Orlando (Fábio Porchat), um jovem com aparência semelhante à de Roberto Leal que se revela a representação do mal. Aqui, Jesus aparece como um jovem nada sacro: é inseguro, se masturba escondido, deseja o primo João Batista e possui notórios anseios hippies, além de ter dúvidas sobre sua vocação para atender ao chamado de Deus. "Sou um cara do malabares, da miçanga, maracatu, salão de poesia", explica ele.

Imagem do especial Primeira Tentação de Cristo, do Porta dos Fundos - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Deus é mentiroso e forma triângulo amoroso

Durante quase todo o tempo o especial se passa na casa de José (Rafael Portugal) e Maria (Evelyn Castro), mostrada como um lar de uma família normal durante o Natal. Eles recebem Jesus após o exílio e, ao lado de Deus (Antonio Tabet), decidem contar que, na verdade, ele não é filho de José, mas do Todo Poderoso. Para a surpresa do filho, os três formam um curioso triângulo amoroso.

Deus, aliás, é inteiramente despido de santidade: com humor estilo "tio do pavê", ele é intempestivo, com rompantes de autoritarismo, e quer transar com Maria. Fica no ar, inclusive, a dúvida de que eles fizeram amor carnal para conceber Jesus. Onipresente, onisciente e onipotente, o personagem ainda manipula Jesus mentindo sobre seu trágico destino. Em uma das piadas, chamado de Deus é comparado a um esquema de pirâmide.

Deus (Tabet), com corte estilo samurai, tenta Maria (Evelyn Castro) - Reprodução - Reprodução
Deus (Tabet), com corte estilo samurai, tenta Maria (Evelyn Castro)
Imagem: Reprodução

Três reis magos são interesseiros

Melchior (José Vicente de Castro), Balthazar (Robson Nunes) e Gaspar (Estevam Nabote) são Três Reis Magos trapalhões e festeiros, que retornam para o aniversário de 30 anos de Jesus, munidos apenas de simplórias flores como presente. Eles se perdem no meio do caminho e estão sempre discutindo, por motivos banalmente diversos.

Também dão a entender que só estão ali pela festa —no caso, para beberem vinho. Eles se decepcionam quando percebem que só há água no local. Querendo animar o evento, Melchior ainda contrata uma desavisada prostituta, Telma (Thati Lopes), apresentada à família de Jesus como "amiga".

Os Três Reis Magos do especial do Porta dos Fundos - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

José é "loser" e Maria "badass"

José, que trabalha construindo móveis planejados, surge como uma figura tímida e cômica, que poucos respeitam por saberem que é alvo de traição. Jesus não o respeita e Maria não está muito aí para ele. O carpinteiro deixa clara sua rivalidade e inimizade com Deus, que tenta diversas vezes sua mulher, mais atraída pelo "amante celestial".

Maria, por sinal, está longe do arquétipo de virgem abnegada. Ela é empoderada e quer ter prazer com Deus —mas sem que ninguém os veja. Também enfrenta Orlando, o namorado do filho, quando ele a impede de entrar no quarto de Jesus, depois que ele toma um chá de glaucoma e tem alucinações com "escolhidos" de outras religiões, que o convencem —de alguma forma— a aceitar o chamado divino.

Deus, Maria e José no especial Primeira Tentação de Cristo - Reprodução - Reprodução
Deus, Maria e José no especial Primeira Tentação de Cristo
Imagem: Reprodução