PUBLICIDADE
Topo

Não sabemos muitos detalhes sobre sua espécie, diz Favreau sobre Baby Yoda

O diretor Jon Favreau - REUTERS/Mario Anzuoni
O diretor Jon Favreau Imagem: REUTERS/Mario Anzuoni

Do UOL, em São Paulo

06/12/2019 10h53

O ator, diretor, roteirista e produtor Jon Favreau tem seu nome associado a vários projetos cinematográficos de sucesso. Entre os mais recentes, O Rei Leão e O Mandaloriano (The Mandalorian), série ambientada no universo Guerra nas Estrelas (Star Wars) que estreou em 12 de novembro nos Estados Unidos e foi produzida para a Disney+ — plataforma de streaming da empresa.

Em entrevista ao site The Hollywood Reporter, Favreau fala sobre o aporte da tecnologia em seus trabalhos.

"O que me atrai [para a nova tecnologia] é que ela permite que você conte histórias de uma maneira que você nunca foi capaz antes, e o que você puder imaginar, você pode trazer para o público", ele disse.

Sobre incorporar aos filmes da Marvel as ferramentas que ele já utilizou em O Rei Leão e O Mandaloriano, Favreau responde que sim: "Eu não poderia fazer o que estava fazendo sem que pessoas como James Cameron ou George Lucas fossem muito convidativas para outras pessoas que querem seguir e aprender com o que fizeram. Então, tentamos fazer o mesmo pelos outros."

Leia abaixo alguns trechos da entrevista:

Como você decide quais projetos você vai dirigir?

Na televisão, ser escritor e produtor executivo é o trabalho que permite que você seja o contador de histórias. E para mim, é tudo sobre contar histórias. Se você está fazendo um filme, ser o diretor é a posição que lhe dá mais impacto como contador de histórias. No caso da televisão, eu poderia escrever muitos episódios diferentes e colaborar com muitos outros grandes diretores, e há uma escala que ocorre porque há uma divisão de tarefas que é diferente da de um filme.

Para O Mandaloriano, foi divertido para mim dirigir um episódio este ano [para a segunda temporada], porque eu não pude fazer nenhum deles no ano passado por causa do meu compromisso com O Rei Leão. Eu descobri que adoro dirigir, mas realmente me divirto mais trabalhando com outros diretores, mais novos e com experiência que não trabalharam com tecnologia como a que estamos utilizando. Para ser sincero, na minha idade, é muito bom trabalhar com pessoas mais jovens que estão empolgadas em aprender. Essa é uma maneira de inovarmos juntos e, para mim, de experimentar empurrar o meio para frente e trabalhar com pessoas que aprendem essas técnicas. Encaminha a inovação da produção cinematográfica e da narrativa visual. E para mim, isso faz parte do que é divertido nisso.

Baby Yoda - Reprodução - Reprodução
Baby Yoda, da série O Mandaloriano
Imagem: Reprodução

O que você pode nos dizer sobre a criação de Baby Yoda?

Ele é principalmente um fantoche. Quando é CG [computação gráfica], tentamos fazê-lo obedecer às mesmas leis físicas que ele teria de obedecer se fosse um fantoche. Eu acho que muitas vezes a CG se torna óbvia demais onde você não cria parâmetros criativamente que permitem ao personagem manter a mesma identidade e charme. Nós aprenderemos mais sobre ele ao longo da temporada. Eu acho que o melhor do que George [Lucas] criou é que o Yoda propriamente dito, o personagem que crescemos assistindo, sempre foi envolto em mistério, e foi isso que o tornou tão arquetípico e mítico. Sabemos quem ele é baseado em seu comportamento e no que ele defende, mas não sabemos muitos detalhes sobre de onde ele vem ou sobre sua espécie. Eu acho que é por isso que as pessoas estão tão curiosas com este pequenino da mesma espécie.

Você trabalhou com a Disney para manter o Baby Yoda fora do marketing de pré-lançamento e da onda inicial de brinquedos. Como você conseguiu isso e por quê?

Acho que parte do que as pessoas realmente valorizam é serem surpreendidas e encantadas, e acho que isso está se tornando muito raro. É muito difícil manter segredos sobre os projetos nos quais você está trabalhando. Retendo esse produto, sabíamos que poderíamos ter a desvantagem de não ter brinquedos disponíveis, mas o que recebemos em troca foi uma empolgação em torno do personagem, porque todo mundo sentiu que o havia descoberto junto. Isso simulava mais como foi minha experiência de crescer.

Yoda - Reprodução - Reprodução
Mestre Yoda, de Guerra nas Estrelas
Imagem: Reprodução

Então a Disney embarcou?

Sim, eles entenderam o valor disso. Eu senti que, se realmente quiséssemos nos conectar com os fãs de Guerra nas Estrelas, teríamos que deixá-los descobrir a história à medida que ela se desenrolava. A equipe de marketing e a liderança apoiaram meus instintos, e acho que valeu a pena, porque agora as pessoas estão animadas para acompanhar toda semana o que acontece.

Alguns dos personagens ou histórias que vêm de O Mandaloriano aparecerão em Guerra nas Estrelas ou em séries adicionais da Disney+?

Definitivamente, existe a oportunidade de explorar esses personagens além do que apresentamos no programa. Há uma linha muito fluida entre o que está nas salas de cinema e o que está na tela em casa. É muito emocionante para mim, porque conto histórias ao longo de várias horas e não apenas dentro de uma experiência de teatro. Eu acho que é apenas uma questão de tempo antes de cruzarmos o caminho para o outro lado.

Baby Yoda - Reprodução/Twitter - Reprodução/Twitter
Baby Yoda, da série O Mandaloriano
Imagem: Reprodução/Twitter

E olhando para o futuro?

Estou fazendo um grande esforço trabalhando com Dave Filoni para descobrir qual é a história mais abrangente e a história de todos esses personagens, e como é o mundo. Queremos ter certeza de que temos um mapa, porque também somos uma peça de quebra-cabeça que se encaixa em um universo maior de Guerra nas Estrelas, com muitos outros filmes e muitos outros projetos, e queremos ter certeza de que somos consistentes com eles.

Temos um bom caminho de 25 anos [no cânone de Guerra nas Estrelas] que ninguém está explorando no momento, e é o momento mais interessante para mim como contador de histórias para explorar — o tempo após a queda do Império e antes do ressurgimento das forças mais sombrias.

Então, entre a nova tecnologia e as oportunidades disponíveis pelos serviços de streaming, você pode contar uma ampla variedade de histórias em diferentes formatos e tamanhos, certo?

Existe um mercado para conteúdo abreviado por aí. As pessoas estão assistindo histórias sendo contadas em várias mídias diferentes, seja no telefone ou tablet ou no banco traseiro do carro, na televisão, nos cinemas. O tempo que as pessoas passam assistindo as histórias se desenrolarem nas telas é muito maior. E por causa disso, há muito investimento e todos os tipos de novos serviços de streaming. Isso está permitindo que as pessoas tenham histórias contadas que normalmente elas não teriam no passado. É realmente um momento emocionante.