PUBLICIDADE
Topo

CCXP


Na CCXP, Margot Robbie manda recado: "Feminismo é para os caras também"

Margot Robbie no painel de Aves de Rapina, da Warner, na CCXP 2019 - Iwi Onodera/UOL
Margot Robbie no painel de Aves de Rapina, da Warner, na CCXP 2019 Imagem: Iwi Onodera/UOL

Beatriz Amendola

Do UOL, em São Paulo

05/12/2019 21h09

O painel de Aves de Rapina, que fechou a CCXP hoje, foi a oportunidade para Margot Robbie, a Arlequina, mandar um recado bem claro: feminismo não é só coisa de mulher.

"Feminismo não é só para as mulheres, é para os caras também", disse a atriz ao falar sobre empoderamento feminino, um dos temas do filme, centrado na relação de Arlequina com as Aves de Rapina. Depois, ela ainda fez um pedido à plateia: "Se você é um cara feminista, grite!" Foi prontamente atendida, claro.

Margot, a maior estrela a passar pela CCXP 2019 até agora, tomou para si a missão de produzir o filme da anti-heroína após ter se apaixonado pela personagem durante as filmagens de Esquadrão Suicida.

Eu não estava pronta para me despedir da Arlequina após o fim de Esquadrão Suicida. Eu amo tanto essa personagem que não queria parar de interpretá-la.

A decisão de colocá-la ao lado de um grupo formado também por Cassandra Cain (Ella Jay Basco), Caçadora (Mary Eliabeth Winstead), Renee Montoya (Rosie Perez) e Canário Negro (Jurnee Smolett-Bell) veio naturalmente. "Queria ver mais grupos de meninas nas telas, especialmente em filmes de aventura".

A atriz definiu o filme como "uma história de origem para as Aves de Rapina". "Elas são um grupo improvável de amigas, e elas realmente se apoiam", completou. A diretora Cathy Yan concordou: "É uma história inspiradora. Elas vão aprendendo a trabalhar juntas, e acho que isso é uma ótima história de se contar".

A cineasta, aliás, foi bastante elogiada por Margot. "Ela tinha uma perspectiva feminina, e deu certo. Nós nos divertimos muito e ela fez um trabalho incrível. Ela acertou em cheio".

As mais de 3 mil pessoas presentes no painel puderam conferir com exclusividade a cena de abertura do filme, que mostra Arlequina se reencontrando após terminar seu relacionamento com Coringa, e um trailer exclusivo, com bastante cenas do time em ação. Ambos foram recebidos com gritos e aplausos fortes da plateia.

Supergrupo

Quem entrou no painel sabendo pouco sobre as Aves de Rapina teve a curiosidade aplacada pelas atrizes que dão vida às heroínas.

Jurnee Smollett-Bell disse que a Canário Negro que veremos nas telas ainda está encontrando sua autoconfiança. "Ela luta, mas não tem noção de todo o seu potencial", contou.

Já Mary Elizabeth Winstead disse ter se sentido poderosa ao viver a Caçadora. "Foi uma honra fazer essa mulher que é tão durona. Isso me inspirou a me jogar no lado físico do papel, a ficar mais forte e me sentir como ela. É fantástico."

Rosie Perez explicou o que faz sua Renne Montoya, uma detetive, se aliar a uma "maníaca psicótica" como a Arlequina. "O trabalho dela é tornar Gotham mais segura, e ela vai até o fim para conseguir isso", disse, antes de comemorar o fato de ter conhecido os lutadores brasileiros Anderson Silva e Amanda Nunes enquanto se preparava para o papel: "O Brasil arrasa!"

Ella Jay Basco, por sua vez, entregou que sua Cassandra Cain é quem reunirá o grupo. "Quando ela encontra a Arlequina, ela encontra uma família e um lar em Gotham", contou.

E quanto ao vilão do longa, o Máscara Negra? Ele foi mencionado pela diretora Cathy Yan, que aproveitou para fazer vários elogios ao ator Ewan McGregor. "Ewan trouxe muito charme e carisma para o papel. Roman [nome real do Máscara Negra] é um psicopata carismático, um rival perfeito para a Arlequina".

Aves de Rapina estreia em fevereiro de 2020.

Rolê geek: Além da CCXP, veja o que fazer em São Paulo

UOL Entretenimento

CCXP