PUBLICIDADE
Topo

CCXP


"Cocaína potencializava todo o mal que o Chorão tinha", diz João Gordo

Painel do documentário Chorão: Marginal Alado - Felipe Pinheiro/UOL
Painel do documentário Chorão: Marginal Alado Imagem: Felipe Pinheiro/UOL

Leonardo Rodrigues

Do UOL, em São Paulo

05/12/2019 19h33

Tema de painel da CCXP, sobre o documentário Chorão Marginal Alado, o vocalista do Charlie Brown Jr. se revelou de diversas formas e histórias no evento que contou com participações do diretor Felipe Novaes, do roteirista Hugo Prata e dos ex-MTV Edgar, Sarah e João Gordo, que viveram momentos íntimos com o músico.

Gordo relembrou as melhores histórias do painel. Para começar, recontou o famoso caso de sua briga com o vocalista, quando tentou se defender de uma agressão usando uma peixeira no VMB da MTV. Mas nem tudo foi treta. Depois do episódio, Chorão pediu desculpas e passou a presentear João Gordo com CDs e roupas. A amizade rendeu momentos engraçados.

Rolê geek: Além da CCXP, veja o que fazer em São Paulo

UOL Entretenimento

"Uma vez, a Grazi, mulher dele, me convidou para discotecar na festa de aniversário surpresa dele. Quando me viu, ele ficou muito feliz. Lá tinha daquelas buzinas de spray. Falei: 'Chorão, sabia que essa buzina te deixa louco?´. O negócio realmente dava um barato. E ele começou a experimentar. De repente só chega os pais deles olhando pra nós. Tipo: 'o que esses loucos estão fazendo cheirando buzina?'".

Outra história relembrada por João Gordo: o dia em que prestou uma singela homenagem ao saber da morte do músico, em 2013. "Chorei muito quando ele morreu. E no dia resolvi fazer um baseado desse tamanho, um tabaco de baseado, e saí de carro para passar em frente ao prédio dele. Isso cheio de polícia, TV e fã, e eu fumando um pra homenagear o cara", lembrou Gordo.

"Ele era muito amor e ódio. Você tinha que falar bem da banda dele. Se fosse amigo, você tinha tudo. Se fosse inimigo, não tinha nada. Ele era muito louco. Cheirava pra caralho (...) A cocaína potencializa o ódio. O pouco de mau caráter que ele tinha multiplicava por algo gigantesco".

Entre os casos de Chorão revelados no painel também está o do episódio em que ele bateu em adolescente na fila do supermercado ao perceber que ele estava comprando um CD do grupo Rouge e de quando ele ligou para apresentadora Sarah pedindo para se retratar ao vivo na MTV após agredir Marcelo Camelo, dos Los Hermanos, em um aeroporto.

"Eu era amiga do Marcelo Camelo, e ele me convidou para participar de um clipe. Não dava para participar. Ele havia feito algo muito violento. Então ele disse que iria ao [programa] Disk MTV para se explicar. Eu falei que aquilo tinha sido muito feio, e ele ficava puto. Cortava a câmera, e ele dizia: Você não entendeu o que eu falei? Ele era desse jeito", afirmou Sarah.

CCXP