Mais informação com menos tempo de leitura
Topo

Livros e HQs


JJ Abrams estreia nas HQs do Homem-Aranha com morte surpreendente e novo herói

Reprodução
Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

18/09/2019 11h36

Anunciado em junho, a estreia de J.J. Abrams nos quadrinhos do Homem-Aranha, com uma minissérie realizada ao lado de seu filho, Henry, chegou com muitas surpresas. A série limitada, ilustrada pela artista Sara Pichelli, traz em sua primeira edição morte e o surgimento de um novo herói.

Veja a seguir as novidades que o cineasta J.J. Abrams traz nesta sua nova faceta, de acordo com o site Polygon. Atenção para os spoilers!

O site Polygon destaca, em seu texto sobre a primeira edição, que Abrams gosta de trabalhar quebrando convenções - em um estilo mais voltado a Steve Jobs do que a George Lucas, por exemplo.

"Sua primeira HQ com a Marvel, feita com o filho de 21 anos, é a epítome de seus instintos. Nada é sagrado, e ele coloca para os leitores decidirem o que importa", diz a publicação.

A primeira grande surpresa vem logo no início, depois de Peter Parker emergir de destroços da Brooklyn Bridge, com o braço machucado. "É horripilante", afirma o site. O novo vilão, Cadaverous, mata Mary Jane, deixando Peter em luto no funeral de sua amada, questionando como fará para cuidar do filho, Ben.

Reprodução
Imagem: Reprodução

Não bastasse a morte, a história dá um salto temporal de 12 anos, e quem assume como herói é Ben Parker. O cenário é conhecido: ele está no colégio, sofre bullying, é ruim de flerte e tenta se encontrar num mundo de ausência dos pais e cheio de vilões.

A Peter Parker, sobra ser uma versão mais velha, barbada e obcecada com trabalho - semelhante a Luke Skywalker na nova trilogia Star Wars. Além de não conseguir lidar com a perda de Mary Jane, Peter perdeu uma mão em duelo com Cadaverous - ganhou uma espécie de gancho - e abandonou a luta contra o crime.

Reprodução/Polygon
Imagem: Reprodução/Polygon

Ao fim da primeira parte, a tia May dá a Ben o uniforme para ele ser o Homem- Aranha, deixando no ar como a história vai se desenvolver no restante da minissérie.

O site Polygon compara a história de Spider-Man #1 com Star Wars: O Despertar da Força, na medida que trata das origens da saga, mas nos tempos atuais. Abrams reseta a mitologia do Homem-Aranha e a reconstrói com uma série de ideias mais complexa.

Mais Livros e HQs