Topo

Filmes e séries


Era Uma Vez em Hollywood é carta de amor ao cinema; conheça as figuras reais do filme

Margot Robbie como Sharton Tate em "Era Uma Vez em... Hollywood" - Divulgação
Margot Robbie como Sharton Tate em "Era Uma Vez em... Hollywood"
Imagem: Divulgação

Beatriz Amendola

Do UOL, em São Paulo

15/08/2019 04h00

A essa altura, já se tornou lugar-comum dizer que Era Uma Vez Em... Hollywood é uma carta de amor de Quentin Tarantino ao cinema. Mas não poderia haver definição melhor: O filme que chega hoje aos cinemas brasileiros é o mais contemplativo e pessoal do diretor, que aqui deixa de lado as cenas sangrentas que se tornaram sua marca registrada para privilegiar uma história que é puro amor à sétima arte.

A história se desenrola na Los Angeles de 1969, quando o brutal assassinato da atriz Sharon Tate e de quatro amigos pela Família Manson acabou, de vez, com a aura "paz e amor" do movimento hippie. O crime espetaculoso, no entanto, é mero pano de fundo para o roteiro de Tarantino, que opta por retratar a perda de inocência por meio de dois personagens fictícios: o astro em decadência Rick Dalton (Leonardo DiCaprio), e seu dublê, Cliff Booth (Brad Pitt).

Protagonista de um seriado de sucesso dos anos 1950, Dalton tentou buscar novos rumos para sua carreira, mas falhou - e agora só lhe restam pequenas participações como vilões em produções do horário nobre. Inseguro e aflito com a perspectiva de uma inevitável descida ao ostracismo, ele abusa da bebida e pula de piloto em piloto em busca de uma virada.

Já Booth, que também ocupa o posto de faz-tudo de Dalton, vive praticamente à sombra do amigo e patrão. Bonito demais para ser dublê, como o filme faz questão de nos lembrar, ele é extremamente carismático - mas sua fama em Los Angeles não é das melhores, já que há uma mancha sombria em seu passado.

Interpretados de forma primorosa por DiCaprio e Pitt, Dalton e Booth são mais parecidos do que diferentes. Apesar de separados por um abismo social - um mora em uma mansão, o outro em um trailer caindo aos pedaços --, os dois são unidos por seus fracassos, representando um lado esquecido da fábrica de sonhos de Hollywood. É uma situação diametralmente oposta à dos vizinhos de Dalton, o casal formado por Roman Polanski (Rafal Zawierucha), já um diretor badalado, e Tate (Margot Robbie), uma estrela em ascensão.

Teaser dublado de Era Uma Vez em Hollywood

UOL Entretenimento

A Tate de Margot Robbie é a maior representação do lado solar do filme. Claramente apaixonada pelas atrizes, a câmera de Tarantino as segue em momentos tão mundanos quanto mágicos, como a bela sequência em que Tate entra em um cinema para se ver no filme Arma Secreta Contra Martin Helm, lançado em 1968. Sem qualquer afetação ou glamour, ela acompanha a reação da plateia a suas cenas com um sorriso sincero no rosto e os pés descalços apoiados na poltrona da frente.

É uma homenagem não só à estrela de Vale das Bonecas, mas também a uma indústria cinematográfica que já não existe mais - não da mesma forma, pelo menos -, povoada por figuras fascinantes escaladas a dedo pelo diretor.

Confira abaixo as personalidades da vida real que estão no filme e quais os atores que as interpretaram:

Sharon Tate (Margot Robbie)

Reprodução/Montagem
Imagem: Reprodução/Montagem

A atriz teve sua vida brutalmente abreviada aos 26 anos, quando esperava seu primeiro filho com Polanski, a quem havia conhecido no set do filme "A Dança dos Vampiros" (1967). Ela e mais quatro amigos foram assassinados, no dia 9 de agosto de 1969, por seguidores de Charles Manson na residência em que Tate vivia com o cineasta, na Cielo Drive.

Roman Polanski (Rafal Zawierucha)

Getty Images e Reprodução
Imagem: Getty Images e Reprodução

O cineasta polonês estava em Londres no dia em que sua mulher foi assassinada. À época, ele já havia lançado um de seus trabalhos mais expressivos, O Bebê de Rosemary (1968). Polanski deixou os Estados Unidos em 1977, após ser detido e julgado por estuprar uma garota de 13 anos, e nunca mais retornou ao país, já que pode ser preso. Ele ganhou o Oscar de melhor diretor em 2005, por O Pianista, mas foi expulso da Academia no ano passado, por violar os códigos de conduta da organização.

Jay Sebring (Emile Hirsch)

Getty Images
Imagem: Getty Images

Sebring era cabeleireiro de astros como Paul Newman e Frank Sinatra. Ele namorou brevemente com Sharon Tate antes de ela se envolver com Polanski, mas a amizade dos dois permaneceu. Ele foi uma das vítimas que morreu ao lado da atriz.

Steve McQueen (Damian Lewis)

Reprodução
Imagem: Reprodução

Apelidado de "King of Cool", McQueen é considerado um dos maiores astros de cinema de todos os tempos, acumulando no currículo filmes como Sete Homens e Um Destino (1960) e Crown, o Magnífico. Segundo sua ex-mulher, o ator chegou a ser convidado para ir à casa de Tate no dia dos assassinatos, mas "esbarrou em uma garota e decidiu ir embora com ela".

Bruce Lee (Mike Moh)

Reprodução
Imagem: Reprodução

Ícone das artes marciais e do cinema, Lee era amigo de Tate, a quem havia treinado para o filme Arma Secreta Contra Martin Helm. Em Era Uma Vez... Em Hollywood, ele luta com o perosnagem de Brad Pitt, em uma cena que causou controvérsia.

George Spahn (Bruce Dern)

Getty Images
Imagem: Getty Images

Spahn era dono de um rancho em Los Angeles que serviu de locação para vários westerns. Aos 80 anos, cego, ele deixou Charles Manson e seus seguidores viverem no local, em troca de trabalho.

Charles Manson (Damon Herriman)

Getty Images e Reprodução
Imagem: Getty Images e Reprodução

O infame mentor do crime que tirou a vida de Sharon Tate e seus amigos era um músico frustrado, que acumulava passagens pela prisão. Os assassinatos foram uma espécie de resposta à rejeição de Manson pelo produtor musical Terry Melcher, que havia morado na casa de Tate antes de a atriz e Polanski se mudarem para lá. Condenado à morte em 1971, com sua pena transformada em prisão perpétua, ele morreu em 2017, aos 83 anos.

Lynette "Squeaky" Fromme (Dakota Fanning)

Getty Images e Reprodução
Imagem: Getty Images e Reprodução

Membro da Família Manson que mais aparece em cena, Squeaky não foi julgada por envolvimento no assassinato de Tate e seus amigos. Em 1975, porém, ela tentou assassinar o presidente norte-americano Gerald Ford e foi condenada á prisão perpétua. Ela está livre, em condicional, desde 2009.

Wayne Maunder (Luke Perry)

Reprodução
Imagem: Reprodução

Ele era uma das estrelas da série Lancer, que foi ao ar nos EUA entre 1968 e 1970. No filme, Rick Dalton, personagem de DiCaprio, se torna um dos vilões da atração.

James Stacy (Timothy Olyphant)

Reprodução
Imagem: Reprodução

Stacy também era protagonista da série Lancer.