Topo

Jay-Z fecha trato com a NFL após criticar liga de futebol americano por racismo

O rapper Jay-Z - Jamie McCarthy/Getty Images
O rapper Jay-Z Imagem: Jamie McCarthy/Getty Images

Caio Coletti

Do UOL, em São Paulo

13/08/2019 15h21

Jay-Z vai se tornar o "estrategista de entretenimento ao vivo" da NFL, a principal liga de futebol americano dos EUA, em um novo trato assinado por ele e por sua gravadora, a Roc Nation. As informações são da Variety.

O acordo vem depois do rapper fazer várias críticas à liga, especialmente pela forma como os times trataram o atleta Colin Kaepernick. O jogador atraiu manchetes nos EUA após ajoelhar durante o hino nacional em jogos da NFL, como forma de protesto por igualdade racial no país.

Em Apeshit, música lançada em parceria com a mulher, Beyoncé, Jay-Z chegou a cantar que havia recusado propostas para se apresentar no intervalo do Super Bowl, o principal evento da liga. "Vocês precisam de mim, eu não preciso de vocês", disse ele na canção.

Sob o novo contrato, Jay-Z e seus parceiros de negócios na Roc Nation vão coordenar os próximos shows do Super Bowl, além de contribuir para a campanha de ativismo social lançada pela liga após a polêmica com Kaepernick, a Inspire Change.

"A NFL tem uma enorme plataforma, e ela precisa ser inclusiva", disse Jay-Z em comunicado oficial. "Eles estavam dispostos a aceitar algumas de nossas exigências, fazer algumas mudanças, para que a gente consiga fazer algo bom juntos".

O chefe da NFL, Roger Goodell, disse ao The New York Times que a liga quer parceiros que possam criticá-la quando não fizer a coisa certa. "Não queremos que todo mundo simplesmente concorde conosco. Queremos pessoas que nos digam como ser melhores", comentou.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que foi escrito no último parágrafo da matéria, o chefe da NFL não se chama Roger Doodell, e sim Roger Goodell. O erro foi corrigido.

Mais Rap gringo