Topo

Livros e HQs


Sequência de "Bird Box" vai retomar ideia deixada de lado no primeiro livro

Josh Malerman, autor de "Bird Box" - Chris Stranad Photography
Josh Malerman, autor de "Bird Box" Imagem: Chris Stranad Photography

Lello Lopes

Do UOL, em São Paulo

12/05/2019 04h00

Josh Malerman é um escritor prolífico. Desde que lançou "Bird Box" (que ganhou o nome de "Caixa de Pássaros" no Brasil) em 2014 ele já publicou outros sete livros. Em outubro chega mais um: "Malorie", sequência da história que virou sucesso na Netflix em filme lançado no final do ano passado.

Em entrevista ao UOL, por email, Malerman contou um pouco de "Malorie" e falou sobre o sucesso de "Bird Box", visto por mais de 80 milhões de pessoas segundo a Netflix.

O escritor, que esteve no Brasil em 2015, voltará ao país para a Bienal do Rio, entre o final de agosto e o começo da setembro, para divulgar um outro livro lançado em 2019, "Inspection".

Veja a entrevista:

Você esperava o enorme sucesso de "Bird Box" na Netflix?

Eu acho que ninguém poderia prever que o filme faria o que fez. Não estou dizendo que eu não tinha confiança ou esperança, mas ele explodiu de uma maneira que nenhum de nós previu. Que jornada, hein? Incrível.

O que você acha sobre o Desafio Bird Box (com as pessoas fazendo atividades cotidianas de olhos vendados) que muita gente fez após ver o filme?
Bem, no começo eu amei. Até pensei em eu mesmo fazer um. Então isso ficou esquisito quando uma garota dirigiu daquele jeito e bateu o carro. Graças a Deus ela ficou bem, mas a partir daquilo nós tivemos que dizer, tipo, 'hey, em vez disso tente fazer um sanduíche de olhos vendados. É tão emocionante!'".

Por que escrever uma sequência de "Bird Box"? Que tipo de história você vai nos contar?

Capa de "Malorie" - Reprodução/Esquire
Capa de "Malorie"
Imagem: Reprodução/Esquire

O rascunho de "Bird Box" era duas vezes maior que a versão que acabou sendo publicada e lá tinha uma trama que eu tirei, uma trama que eu realmente gostava. Eu pensava nela frequentemente e imaginei que algum dia a faria.

O sucesso do filme, e consequentemente o do livro, meio que definiu que, se eu fosse escrever "Malorie", agora seria a hora certa. Então no final eu consegui incluir essa trama perdida nesse segundo livro e é ótimo porque essa foi uma ideia que nasceu praticamente ao mesmo tempo do livro original.

O que você sabe sobre a adaptação de "Piano Vermelho" para o cinema?

Eu sei que os produtores são pessoas incríveis. Scott Free e Atlas Industries têm grandes pensadores que estão procurando por histórias originais e empolgantes, e eu me sinto completamente em casa falando e trabalhando com eles. Também sei que o roteirista, Barnett Brettler, é um cara incrível e brilhante, e eu amo a sua visão para a história. Bom, vamos ver como isso se desenvolve, mas no momento eu me sinto ótimo sobre como está.

O seu novo livro, "Inspection", promete uma discussão sobre gêneros. Como você vê o debate sobre o assunto nos dias de hoje?

Eu escrevi o rascunho de "Inspection" em 2007, então reescrevi completamente nos últimos anos. Meu publisher conhecia a ideia e meu editor achou que era o momento perfeito para lançar uma história como essa, com o tema de igualdade de gênero. Ela é intencionalmente fria, sem sexo e sombria. Mas, de alguma forma, apesar desses fatores, eu acho que o livro é quente ao dizer que você pode tentar empurrar a natureza dentro de uma caixa, mas ela achará um jeito de escapar, não importa o que você faça.

Você conhece alguma coisa da literatura brasileira? Tem algum autor favorito?

Eu amo o Rapahel Montes e a Janda Montenegro. Mentes brilhantes, pessoas brilhantes.

Mais Livros e HQs