PUBLICIDADE
Topo

Por que precisamos de "Capitã Marvel" e mais super-heroínas nos cinemas

Brie Larson atende a fã mirim na pré-estreia de "Capitã Marvel" em Londres - Gareth Cattermole/Getty Images for Disney
Brie Larson atende a fã mirim na pré-estreia de "Capitã Marvel" em Londres
Imagem: Gareth Cattermole/Getty Images for Disney

Beatriz Amendola

Do UOL, em São Paulo

12/03/2019 12h39

Saí arrepiada da sessão de "Capitã Marvel" para a imprensa. Ver a Carol Danvers de Brie Larson encontrando seu poder foi uma experiência divertida, empolgante e até emocionante - os mesmos efeitos que a Mulher-Maravilha de Gal Gadot havia provocado em mim dois anos antes.

É uma sensação tão boa quanto incomum - a ponto de eu me lembrar exatamente do primeiro filme que me deixou assim: "Mulan". Devia ter sete anos quando meus pais me levaram para assistir à história da garota chinesa que não cabia na caixinha reservada a ela e preferiu se disfarçar de homem para poder ir à guerra no lugar de seu pai. Fiquei encantada. Era uma menina mostrando que era capaz de tudo o que disseram a ela ser impossível, desafiando todos os rótulos e provando que merecia, sim, estar ali.

A personagem se tornou a minha princesa Disney favorita, posto que ocupa até hoje. E não é difícil entender o porquê. Como boa millennial do início dos anos 1990, cresci ouvindo que poderia ser o que quiser - e ganhava de presente tanto Barbies e bichos de pelúcia como blocos de Lego e kits de ciência. Mas isso não se refletia nos filmes a que eu assistia, até a chegada de "Mulan".

Hoje, mais de vinte anos depois, ela está bem acompanhada de outras princesas e rainhas da Disney que são tão donas de si quanto ela, como a Merida de "Valente" e a Elsa de "Frozen". O processo no universo dos heróis, no entanto, foi mais lento. A Mulher-Maravilha, apesar de ser uma das personagens mais conhecidas do mundo, só em 2017 ganhou seu filme solo, o primeiro a ser protagonizado por uma super-heroína. Para efeitos de comparação, até aquele ano o Batman já havia aparecido em sete longas próprios (não colocamos na conta "Batman vs Superman", de 2016).

Veja o trailer de "Capitã Marvel"

UOL Entretenimento

"Que diferença isso faz?" é a pergunta que costuma vir quando se aponta essa discrepância. A resposta é curta: muita. Um herói é uma figura admirada por suas habilidades, sua coragem, seu altruísmo, sua força. Quando absolutamente todos os exemplos da categoria que aparecem com destaque nos cinemas são homens, é mais difícil reconhecer-se nessas características - especialmente porque suas histórias não retratam vivências que são muito particulares às mulheres.

E uma das coisas que "Capitã Marvel" faz (muito) bem é tratar dessas experiências. Carol Danvers é piloto da Força Aérea norte-americana em uma época em que mulheres não podiam entrar em combate; ela escuta, mais de uma vez, que aquela e outras atividades não são para ela; ela passa o filme ouvindo de homens que precisa aprender a "controlar suas emoções" e ignorar o poder que vem delas; em compensação, ela tem um apoio sólido na melhor amiga, Maria Rambeau (Lashana Lynch), e se vê no papel de tia-mentora da filha dela, a pequena Monica (Akira Akbar).

São experiências femininas que raramente chegam às telas, muito menos em um blockbuster que faz parte de um dos maiores universos já construídos na história do cinema. Ver Carol passar por todas elas e superar os obstáculos para, no fim, encontrar sua força e seu lugar no mundo, é algo poderoso - independentemente das qualidades e defeitos do filme, sobre os quais o crítico do UOL Roberto Sadosvki já falou aqui.

É por isso que precisamos de mais Capitãs Marvel, Mulheres-Maravilha e outras heroínas: para que as mulheres possam finalmente se ver nas telas em suas várias formas e vivências e para que suas histórias possam inspirar novas gerações de meninas e meninos. Representatividade importa - e, para a alegria dos estúdios, também vende bem, a julgar pelos US$ 455 milhões arrecadados por "Capitã Marvel" em seu fim de semana de estreia.