PUBLICIDADE
Topo

Doc que quer mudar concepção sobre satanismo levou líder de templo à Sundance

Lucien Greaves comparece à estreia de "Hail Satan?" em Sundance - Reprodução/Twitter
Lucien Greaves comparece à estreia de "Hail Satan?" em Sundance Imagem: Reprodução/Twitter

Caio Coletti

Colaboração para o UOL

07/02/2019 14h56

Lucien Greaves foi uma das presenças mais inusitadas na cidade de Park City, no interior dos EUA, durante a semana do Festival de Sundance. Ele estava lá para promover um documentário, "Hail Satan?", que propõe "mudar a concepção do público" sobre o satanismo.

Graves é o líder do Templo Satânico, uma congregação de mais de 100.000 membros que representa apenas um dos braços do satanismo nos EUA. O documentário retrata também o crescimento da religião no território norte-americano.

O filme foi um sucesso no festival. A distribuidora Magnolia, saída de uma indicação ao Oscar de melhor documentário por "RBG", comprou os direitos para lançar "Hail Satan?" nos EUA -- ainda não há previsão no Brasil.

"Estamos chegando a um ponto em que as enquetes sobre religião no país terão que começar a contar o satanismo", avisou Greaves em entrevista ao "The Hollywood Reporter".

O fundador do Templo Satânico, que existe desde 2011, foi franco em suas críticas ao retrato hollywoodiano de sua religião. "Não é benéfico quando você vê em séries de TV ou filmes a concepção do satanismo que existe desde os anos 1980 e 1990", relatou.

"Havia um 'pânico satânico', por assim dizer, naquela época", continuou. "Se você continuar fazendo retratos assim do satanismo nos filmes e na TV, isso vai afetar a percepção das pessoas sobre a nossa religião".

Greaves não quis comentar sobre títulos específicos, incluindo "O Mundo Sombrio de Sabrina". O Templo Satânico processou a Netflix por incluir, na série, uma estátua da divindade Baphomet cujos direitos autorais pertenciam à instituição.

Segundo ele, a recente notoriedade das muitas vertentes satânicas contemporâneas apresenta uma chance de educar as pessoas. "Estamos mudando a narrativa que existe sobre nós em Hollywood", declarou.