Topo

Geek


Roteirista de novo "Cavaleiros" exclui Twitter após explicar mudança de gênero de Shun

Shun de Andrômeda é mulher em nova versão de "Os Cavaleiros do Zodíaco" para a Netflix - Reprodução/Netflix
Shun de Andrômeda é mulher em nova versão de "Os Cavaleiros do Zodíaco" para a Netflix Imagem: Reprodução/Netflix

Paulo Pacheco

Do UOL, em São Paulo

11/12/2018 14h26

O roteirista Eugene Son, um dos criadores da nova versão de "Cavaleiros do Zodíaco" para a Netflix, apagou seu perfil no Twitter após justificar na rede social a mudança de gênero de Shun de Andrômeda, que na animação será uma mulher.

Quem tentar procurar o perfil de Eugene Son no Twitter lerá o seguinte aviso: "Desculpe, mas essa página não existe!". Ele recebeu críticas de fãs de "Cavaleiros" depois de ter se manifestado sobre a polêmica levantada pelo trailer da série, exibido durante a CCXP 2018 (Comic-Con Experience). O dublador de Shun no Brasil, Ulisses Bezerra, também se manifestou contrário à mudança do personagem.

Son admitiu que a ideia havia sido dele. Ele e o restante dos criadores do remake decidiram fazer com que Shun de Andrômeda, um dos Cavaleiros de Bronze, fosse do sexo feminino nesta nova encarnação do anime. O profissional relatou como os roteiristas queriam "mudar muito pouco" da série original ao produzir o remake por causa dos fãs.

"A maioria da série funciona bem hoje em dia, mesmo depois de 30 anos. A única coisa que me incomodava era que os Cavaleiros de Bronze eram todos rapazes. A série sempre teve personagens femininas fortes, dinâmicas e fantásticas, o que se reflete no número de mulheres que são apaixonadas pelo mangá e anime", relatou.

"Mas, 30 anos atrás, um grupo de caras combatendo para salvar o mundo, sem nenhuma garota por perto, não era raro. Era o padrão. Hoje em dia, o mundo é diferente. Rapazes e garotas lutando lado a lado é o padrão. Estamos acostumados a ver isso. Certo ou errado, se mantivéssemos um time só de caras, o público poderia ver como uma sentença política da nossa parte", comentou ainda.

Eugene Son, roteirista de "Os Cavaleiros do Zodíaco" para a Netflix - Reprodução/Twitter
Eugene Son, roteirista de "Os Cavaleiros do Zodíaco" para a Netflix
Imagem: Reprodução/Twitter
Son disse que a equipe chegou a contemplar a possibilidade de transformar personagens femininas existentes na narrativa, como Marin e Shina, em Cavaleiros de Bronze. Outra opção seria criar uma nova personagem, que se juntaria ao time, mas Son achou que isso seria visto como "um gesto óbvio", e que a personagem se deslocaria do todo por ser a única que não estava no material original.

Quando a possibilidade surgiu de transformar Andrômeda em uma personagem feminina, as discussões começaram a progredir. "Os conceitos básicos da personagem são os mesmos: Ela usa as suas correntes para se proteger e proteger os seus amigos, algo que aprendeu com seu irmão superprotetor, que também a ensinou a lutar", garantiu.

Son continuou dizendo que sabia que sua decisão seria controversa. Ele não vê, no entanto, a mudança como uma traição do personagem original. "O Andrômeda que vocês conhecem continua sendo incrível. Esta é só uma nova interpretação, um novo olhar", comentou.

O roteirista concluiu usando o exemplo de "Battlestar Galactica", que mudou o gênero de uma personagem importante, Starbuck, entre o original e o remake. "Quando eles fizeram isso, achei estranho. Mas assisti à série, e amei. Uma personagem incrível, muito bem interpretada", disse.

Son convidou os fãs a assistirem à nova versão de "Cavaleiros do Zodíaco" antes de julgarem sua decisão, mas garantiu que "está tudo bem" se a mudança de Andrômeda for um obstáculo intransponível para alguns deles.

A série estreia na Netflix em 2019, ainda sem data precisa definida.