Topo

Filmes e séries


Demitido de "Máquina Mortífera", Clayne Crawford diz que foi chantageado

Divulgação/Fox
Clayne Crawford e Damon Wayans em imagem da série "Máquina Mortífera" Imagem: Divulgação/Fox

Osmar Portilho

Colaboração para o UOL

29/08/2018 18h15

Clayne Crawford se despediu de "Máquina Mortífera" de forma dramática. Demitido do papel do detetive Martin Riggs, o ator foi acusado de ter um comportamento tóxico entre seus colegas e foi duramente criticado pelo outro protagonista, Damon Wayans, que ainda vive Roger Murtaugh na série. Depois de declarações genéricas e um longo silêncio, Clayne Crawford falou sobre o episódio no podcast "Drinkin' Bros.", de Ross Patterson. Nesta sua primeira entrevista após a dispensa, ele afirmou que foi chantageado para ficar em silêncio e que seu relacionamento com Wayans no set sempre foi ruim.

"Eles me chantagearam durante a segunda temporada inteira. Foram meses e mais meses", disse ele. As ameaças envolveriam a divulgação de vídeos de seu comportamento nos bastidores.

"Era um programa de b*** pra mim. Eu sentia que eles estavam mentindo dizendo que Damon estava empolgado", explicou. Em um dos casos que culminaram em sua demissão, Crawford dirigiu uma cena onde havia uma explosão. Um dos estilhaços atingiu Wayans, que chegou a postar uma imagem no Twitter com a cabeça sangrando. O ator afirmou que sentia que estava sendo armado para que as coisas dessem errado para ele.

Reprodução
Post de Damon Wayans mostrou corte na cabeça após episódio Imagem: Reprodução

Em outro episódio, o ator foi acusado de gritar com um assistente, além de pedir silêncio para crianças perto do set de gravação. "Essa é uma mentira. Claramente eu gritei com Newman [o assistente], o cara cujo trabalho é fazer o set ficar em silêncio. Fiz uma escolha ruim? Absolutamente. Eu me sinto envergonhado porque eu estava muito bravo. Estávamos filmando uma cena de três páginas há oito horas", afirmou.

O ator também reclama da falta de apoio dos produtores da série para resolver esses problemas. "Essas coisas aconteciam e eu ia reclamar. Quando apareceu o vídeo [dos gritos com o assistente], toda vez que eu falava alguma coisa eles diziam que aquilo iria arruinar minha carreira. Quando tudo aquilo aconteceu eu tive que dar metade do meu salário e passei seis semanas em terapia que fazia na hora do almoço. Um segurança tinha que me acompanhar para fora do meu camarim. Era humilhante", continuou.

Com o relacionamento com estúdio em declínio, além das brigas com Wayans, Clayne acabou demitido. "Eu não esperava que eles fossem se livrar de mim. Imaginei que dariam um alerta. Eles estavam dando mais corda para eu mesmo me enforcar. Eu acho que o fato de eu ter tido sucesso como diretor estava enfurecendo eles", completou.

Depois da demissão de Crawford, "Máquina Mortífera" o substituiu por Seann William Scott, que foi imediatamente elogiado por Wayans.