Entretenimento

Jornalista Sérgio Sá Leitão é escolhido por Temer para Ministro da Cultura

Divulgação
Sergio Sá Leitão foi indicado pelo ministro Roberto Freire para a diretoria da Ancine em abril Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo*

20/07/2017 11h33

O jornalista Sérgio Sá Leitão é o novo Ministro da Cultura, informou nesta quinta-feira (20) a Presidência da República. 

A nomeação de Leitão para a pasta contou com o apoio do cineasta Cacá Diegues, de quem Michael Temer é muito próximo e com quem o presidente conversou nas últimas semanas sobre a indicação. 

Segundo apurou o UOL, havia preferência por nomes técnicos por conta da forte influência da classe artística.

A pasta está sem titular desde 18 de maio, quando Roberto Freire, a quem Sá Leitão é ligado, pediu demissão. Ministro interino, João Batista de Andrade chegou a ser cotado para assumir a pasta, mas pediu a Temer para não ser efetivado.

Quem é o novo Ministro?

Em nota, a Presidência ressaltou a "ampla e reconhecida experiência" de Sá Leitão, e o currículo do jornalista de 49 anos realmente é vasto na área. 

Cria de Gilberto Gil, então ministro da Cultura de Lula, Leitão passou por várias instâncias de governo, do BNDES à RioFilme, de 2009 a 2015. 

Sob sua gestão, a produtora e distribuidora foi potencializada e fez com que a capital fluminense voltasse a ser um dos principais polos produtores de audiovisual do país. Seu perfil, no entanto, não agradou a todos e Leitão foi acusado de favorecer apenas as grandes produtoras, minando a participação do cinema autoral.

Entidades como a Associação Brasileira de Documentaristas do Rio de Janeiro e o Movimento Reage, Artista! repudiaram o "personalismo, concentração de poder e perseguição aos realizadores cariocas" que o jornalista teria empreendido durante sua gestão.

Em protesto no último Festival de Berlim, após a exibição do longa brasileiro "Joaquim", o diretor Marcelo Gomes expressou temor com a indicação de Leitão para a direção da Ancine. Ao UOL, na época, o jornalista garantiu: "Na minha visão, não há, na realidade brasileira, nenhuma ameaça à ordem democrática presente e muito menos qualquer ameaça à política de audiovisual."

Chefe de Gabinete de Gil entre 2004 e 2006, Sá Leitão tomou medidas importantes, como a criação do Programa de Economia da Cultura, a coordenação do Programa de Apoio à Exportação de Música (Pró-Música) e da CulturaPrev, Fundo de Pensão para os Trabalhadores da Cultura.

Dança das cadeiras

O MinC (Ministério da Cultura) vive um período conturbado desde que Michel Temer assumiu à Presidência. Em sua primeira ação, o presidente chegou a rebaixar a pasta a uma parte vinculada ao Ministério da Educação, enfurecendo a classe artística. Protestos e pressão de diversos lados fizeram com que o peemedebista devolvesse o status de Ministério.

O então secretário de Cultura municipal do Rio de Janeiro, Marcelo Calero, aceitou a missão de comandar o MinC e permaneceu como ministro por seis meses, até entrar em atrito com Geddel Vieira Lima, então homem de confiança de Temer.

Segundo Calero, o ex-ministro da secretaria de Governo o pressionou para que não interferisse na construção de um complexo imobiliário em Salvador. Em uma conversa gravada com Geddel, Eliseu Padilha (ministro-chefe da Casa Civil) e Temer, Calero comunicou que estava saindo do MinC.

Roberto Freire assumiu o cargo em novembro de 2016, e logo foi alvo de uma polêmica com o escritor Raduan Nassar, que acusou o governo de ser repressor e golpista. Freire foi um ferrenho defensor do impeachment de Dilma Rousseff e sofreu muitas críticas por parte da classe artística.

Seis meses após assumir o ministério, o pernambucano deixou o governo Temer em meios às acusações envolvendo o presidente e o empresário Joesley Batista, dono da JBS.

João Batista de Andrade ocupou a cadeira como ministro interino da Cultura em maio, mas pediu a Temer para não ser efetivado. Em entrevista ao UOL, ele contou que se viu em uma "ciranda de nomes disputando o cargo". 

O caldo azedou ainda mais após a indicação de Andrade à presidência da Ancine (Agência Nacional do Cinema) não ser aceita pela Presidência. O ministro interino indicou Debora Ivanov, nome que contava com apoio do setor audiovisual, mas Temer nomeou Sérgio Sá Leitão.

* Com reportagem de Luciana Amaral, do UOL, em Brasília, e informações da Agência Estado

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo