Topo

Livros e HQs

"Ariano era um tesouro nacional", diz Verissimo; veja repercussão

Do UOL, em São Paulo

23/07/2014 18h27

Artistas de diferentes áreas e políticos lamentaram nesta quarta-feira (23) a morte de Ariano Suassuna, autor de livros como "O Auto da Compadecida" e "O Santo e a Porca". O escritor morreu nesta tarde, devido a parada cardíaca provocada por hipertensão intracraniana.

Eleito para a ABL (Academia Brasileira de Letras) desde 1989, Suassuna escreveu mais de 15 peças teatrais e seis romances ficcionais. Ele ficou conhecido nacionalmente por trabalhos como "O Auto da Compadecida", de 1955. A história --que virou minissérie da TV Globo em 1999 e foi adaptada para o cinema em 2000-- é uma comédia dramática na qual dois pobres sertanejos nordestinos, um mentiroso e o outro covarde, valem-se de pequenos golpes e biscates para conseguir tocar a vida.

Traduzido para diversas línguas --como alemão, espanhol, inglês e até mesmo polonês--, Suassuna construiu uma obra que mescla características do modernismo, simbolismo e barroco com traços típicos da cultura nordestina, como a literatura de cordel. Elementos da região, como a improvisação, são bastante comuns em seus textos. Foi um dos criadores, em 1970, do Movimento Armorial, que mistura literatura, dança, teatro, música e outras manifestações artísticas para se fazer arte erudita a partir da cultura da região.

A Academia Brasileira de Letras (ABL), da qual Suassuna fazia parte, decretou luto de três dias pela morte do escritor.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!