Topo

Livros e HQs

"Sargento Getúlio" será atual enquanto houver falsa democracia, diz diretor

Mariane Zendron

Do UOL, em São Paulo

18/07/2014 13h08

João Ubaldo Ribeiro adorava a adaptação de seu livro "Sargento Getúlio" para o cinema, segundo o diretor do filme, Hermano Penna. "Ele nunca se negou a participar desse filme. Sempre estivemos juntos. Quando ele assumiu a cadeira na ABL (Academia Brasileira de Letras), eu também estava lá", disse o cineasta, por telefone, ao UOL. Ubaldo, autor de obras como "A Casa dos Budas Ditosos" e "O Sorriso do Lagarto", morreu na madrugada desta sexta-feira (18), aos 73 anos, vítima de embolia pulmonar, em sua casa no Rio.

Divulgação
O ator Lima Duarte em cena do filme "Sargento Getúlio", de 1971, uma adaptação da obra de João Ubaldo Ribeiro. O filme, em 1983, ganhou prêmio de melhor filme no Festival de Gramado Imagem: Divulgação

No filme ambientado na década de 1940, Lima Duarte interpreta o sargento Getúlio, encarregado de levar um preso político do sul da Bahia até o Sergipe. No meio do caminho, no entanto, ele recebe ordens para soltar o prisioneiro, mas decide cumprir sua missão a qualquer custo, perdendo a sanidade mental no trajeto.

"A história foi uma inovação na literatura brasileira. Ela trata do poder sobre o mais humilde. Um simples homem sertanejo torna-se um representante do poder e é capaz das maiores atrocidades ao ser manipulado. Enquanto houver essa falsa democracia no Brasil, o livro estará no sangue, incomodando", disse Penna sobre o livro lançado em 1971.

Penna disse que, apesar do primor literário de "Sargento Getúlio", o livro "Viva o Povo Brasileiro" é a "bíblia do nosso país". "É um livro que fala da criação da alma brasileira. É um mergulho profundo no que somos, na grandeza e na miséria que somos. Tem momentos literários extraordinários. Vai iluminar esse país até o fim dos tempos".

O diretor esteve com Lima Duarte em Gramado, em 2013, para comemorar os 30 anos do longa "Sargento Getúlio", que venceu levou cinco prêmio do festival, incluindo de melhor filme, em 1983. Na ocasião, o diretor lembrou da luta para colocar os filmes no cinema. "Passou cinco anos nas prateleiras da Embrafilme, completamente abandonado. Foram cinco anos de luta pessoal para colocar o filme no cinema", contou. 

Verissimo: Uma obra-prima

Para Luis Fernando Verissimo, "O Sargento Getúlio" é a obra-prima de Ubaldo. "Talvez tenha sido a melhor coisa que ele escreveu. Essa e toda obra dele falam sobre o povo brasileiro, o que é a brasilidade, quais são as características do nosso povo".

Segundo livro de Ubaldo, "Sargento Getúlio" foi consagrado como um marco do moderno romance brasileiro, levando o escritor a comparações com Graciliano Ramos e Guimarães Rosa. A obra, que aborda o banditismo no sertão e usa uma linguagem coloquial repleta de regionalismos, foi adaptado ao cinema e protagonizado por Lima Duarte, e lhe rendeu um Prêmio Jabuti de autor revelação.

  • Arquivo Ag. A Tarde

    Amigos lamentam morte do escritor

    Fafá de Belém: "Millôr deve estar esperando por ele e a nós resta a dor, a lembrança e a saudade". Veja mais

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!