Topo

Entretenimento


Incêndio na Notre-Dame expõe abismo entre doações na França e no Brasil

16.abr.2019 - Curiosos se aglomeram no cais do rio Sena, próximo a Catedral de Notre-Dame - Thomas Samson/AFP
16.abr.2019 - Curiosos se aglomeram no cais do rio Sena, próximo a Catedral de Notre-Dame Imagem: Thomas Samson/AFP

Do Rio

17/04/2019 19h51

Ambos queimaram diante dos olhos de duas nações desoladas, mas comparado aos 850 milhões de euros (cerca de R$ 3,8 bilhões) em promessas de doações para reconstruir a catedral de Notre-Dame de Paris, o Museu Nacional do Rio de Janeiro ainda luta para ampliar o R$ 1,1 milhão reunidos em oito meses após o incêndio que o devastou.

Vendo as imagens do gigantesco incêndio que destruiu parte da catedral francesa na segunda-feira, muitos brasileiros lembraram do incêndio que chocou o país e a comunidade científica em setembro passado, embora o importante museu no Rio não seja conhecido mundialmente como Notre-Dame.

"Ficamos muito satisfeitos em ver a reação extremamente positiva da sociedade francesa. Isso nos dá a certeza de que a catedral vai ser reconstruída e nos dá a esperança de que, quem sabe, seguindo o exemplo da França, as empresas brasileiras passem também a fazer doações", disse Alexander Kellner, diretor do Museu Nacional, à agência France Press.

A doação de 20 milhões de euros realizada pela milionária brasileira Lily Safra para a reconstrução da Notre-Dame despertou questionamentos sobre a falta de engajamento semelhante na ajuda ao Museu.

"As doações não precisam ser nesse mesmo volume, mas seria muito interessante, porque o museu está precisando", acrescentou Kellner.

"Com R$ 1 milhão, resolveríamos um monte de problemas. R$ 1 milhão, não de euros. Me ajudaria a respirar, porque neste momento estou respirando com a ajuda de aparelhos", comparou o diretor.

Museu Nacional é tomado pelo fogo em incêndio em setembro de 2018 - Tânia Rego/Agência Brasil
Museu Nacional é tomado pelo fogo em incêndio em setembro de 2018
Imagem: Tânia Rego/Agência Brasil

Segundo ele, a Associação de Amigos do Museu Nacional, encarregada de recolher as doações, obteve R$ 142 mil de indivíduos e apenas R$ 15 mil de empresas.

O museu também recebeu uma doação de 180 mil euros do governo alemão e R$ 150 mil da representação local do British Council, agência britânica internacional encarregada pelos intercâmbios educacionais e relações culturais.

Para Kellner, as doações realizadas pelos brasileiros são muito fracas, bem abaixo das expectativas.

"No nosso país não há o costume do mecenato, o costume de doar. Também não existe uma facilidade fiscal como nos Estados Unidos e na França. O governo brasileiro deveria aprender com isso", sugere.

O Ministério da Educação desbloqueou R$ 10 milhões para trabalhos de urgência que permitiram preservar a estrutura do prédio, mas outros fundos públicos prometidos ainda não chegaram.

Kellner aguarda especialmente R$ 55 milhões de uma reserva parlamentar solicitada pelos deputados do Rio de Janeiro.

No começo de abril, os investigadores concluíram que o fogo começou no sistema de refrigeração e se propagou rapidamente pela falta de equipamentos de combate a esse tipo de acidente.

Desde o incêndio, dezenas de paleontólogos e arqueólogos trabalham na busca de vestígios e materiais entre os escombros.

Cerca de 2.000 peças, das 20 milhões que compõem o acervo do museu, foram encontradas, entre elas sua principal atração: Luzia, um fóssil humano de 12.000 anos.

Mais Entretenimento