PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Página Cinco


Naja, 'Revolução dos Bichos' e a briga entre direita e esquerda por Orwell

George Orwell - Arquivo
George Orwell Imagem: Arquivo
Página Cinco

Rodrigo Casarin é jornalista e especialista em Jornalismo Literário. Escrevendo sobre livros, já colaborou com veículos como Valor Econômico, Aventuras na História, Carta Capital, Revista Continente, Suplemento Literário Pernambuco, Jornal Rascunho e Cândido. Integrou o júri do Oceanos – Prêmio de Literatura em Língua Portuguesa em 2018, 2019 e 2020 e o júri do Prêmio Jabuti em 2019, na categoria Biografia, Documentário e Reportagem. Vive em São Paulo, em meio às estantes com as obras que já leu e às pilhas com os livros dos quais ainda não passou da página 5.

Colunista do UOL

15/07/2020 09h13

"A naja deu início ao motim. E hoje a ema bicou o Bolsonaro. Augusto, o cão, foi o responsável em passar as coordenadas. A revolução dos bichos começou". Dei risada quando vi o tuíte do colega Leandro Barbosa. Fui cavucar o que falavam a respeito de "A Revolução dos Bichos" após alguns animais se rebelarem por Brasília. Logo trombei com gente dizendo "sério que a esquerda está falando de George Orwell?" ou algo nessa linha.

Recentemente alguém desenterrou minha coluna sobre como Orwell se mantém atual, não gostou e veio jogar pedra. Reclamava de eu ter apontado o intelectual como crítico não só ao regime soviético, mas a qualquer modelo de totalitarismo, sempre tão parecidos. O próprio autor está nessa comigo. Vejam só o que escreveu numa carta ao amigo Dwight MacDonald (retiro a citação do livro "Churchill & Orwell - A Luta Pela Liberdade", de Thomas E. Ricks, Zahar, tradução de Rodrigo Lacerda):

"Claro que, a princípio, eu o imaginava como uma sátira à Revolução Russa. Mas tive de fato a intenção de conceder-lhe uma aplicação mais ampla, na medida em que esse tipo de revolução (violenta, feita mediante conspiração, liderada por pessoas ávidas de poder) só pode resultar numa troca de opressores". Ou seja, inclui os russos, porém não se limita a eles - para quem quiser conhecer a história de "A Revolução dos Bichos", livro ao qual se referia, aproveito para recomendar a linda adaptação para HQ feita por Odyr e publicada pela Quadrinhos na Cia.

Não é de hoje que há briga entre gente da direita e da esquerda reivindicando para seu campo ideológico as ideias do escritor. Afinal, qual era a de Orwell? O britânico passou a vida dando bordoadas no poder e escancarando problemas sociais. O imperialismo levou porrada em "Dias na Birmânia". A denúncia da miséria veio em obras como "Na Pior em Paris e em Londres" e "Como Morrem os Pobres e Outros Ensaios". A condição de penúria está registrada em "O Caminho Para Wigan Pier". Em "Homenagem à Catalunha" (insisto, merece uma edição por aqui), encontramos o relato de Orwell sobre a Guerra Civil Espanhola, onde lutou por um grupo marxista.

É boa a definição do escritor Thomas Pynchon para Orwell: "Um membro da 'esquerda dissidente', distinta da esquerda oficial'". Ela está num dos posfácios da edição mais recente que a Companhia das Letras publicou de "1984". Esse olhar crítico para o próprio lado da trincheira é latente nos textos de "O Que É Fascismo? E Outros Ensaios", ótima porta de entrada para entender a complexidade do pensamento do autor: progressista simpático a ideias socialistas como via para aplacar a opressão aos mais pobres. Homem que não abria mão da democracia e estava sempre disposto a apontar as incongruências, demagogias e crimes dos detentores do poder, independente do viés político alardeado por estes.

Orwell foi incansável na luta pela liberdade e investigou com interesse o que nos motiva enquanto humanos - destaco o breve ensaio "Socialistas Podem Ser Felizes?", no qual questiona o mundo utopicamente idealizado. É preciso ler Orwell com atenção, de preferência indo além do seu par de livros mais famosos. A honestidade intelectual e o rigor ético são dois dos atributos mais admiráveis do cara. Talvez seja difícil para muitos compreenderem, mas George Orwell tinha lado e, mais do que não ver problema, sabia quão importante era ser rigoroso com seus pares e supostos pares.

Você pode me acompanhar também pelas redes sociais: Twitter, Facebook, Instagram, Youtube e Spotify.

Página Cinco