Turu turu turu

Com a turnê Nossa História, Sandy e Junior fizeram o maior evento pop do Brasil em 2019

Igor do O / AgNews

O pop está cheio de reencontros e reuniões - mas nenhum fez o "turu turu" dos fãs disparar tanto quanto o de Sandy e Junior.

12 anos após o fim da dupla, os dois voltaram aos palcos juntos para comemorar 30 anos de carreira com a turnê Nossa História, que em 18 shows revisitou quase duas décadas de hits. Ao todo, 600 mil fãs cantaram (e choraram) ao som de As Quatro Estações, A Lenda e Vamo Pulá. Outros tantos, incontáveis, acabaram de fora por conta da intensa disputa por ingressos e tiveram de acompanhar os irmãos à distância.

A maratona de apresentações apoteóticas e cheias de emoção se estendeu por quatro meses e viajou a outros países, não sem percalços - Junior teve de lidar com uma contusão, e Sandy contraiu uma virose que quase a tirou do palco em São Paulo. A grande despedida virá às 21h30 deste sábado, quando Sandy e Junior se apresentarem para 100 mil pessoas no Parque Olímpico, no Rio.

A sensação que fica é de que o amor pela dupla que embalou a infância e a adolescência de um público hoje na casa dos 30 é, mesmo, imortal.

Os números da turnê

Arte UOL
Manuela Scarpa/Brazil News Manuela Scarpa/Brazil News

O show de estreia

A turnê começou em 12 de julho, com um show para 11 mil pessoas no Classic Hall, em Recife. Como prometido, eles revisitaram hits de todas as épocas dos 17 anos de carreira em duas horas de show. A emoção tomou conta tanto dos artistas como do público, que participou cantando forte todas as letras mesmo após a longa pausa de 12 anos.

"Eu não posso nem falar o que está acontecendo dentro desse coração", disse Sandy no primeiro contato com o público. Claramente emocionada em vários momentos, a cantora parecia se controlar para segurar o choro e não afetar sua voz.

O maior desafio para a gente foi escolher o repertório. Cada música que ficava de fora era uma pontada no coração.

Sandy

Sandy

Mariana Pekin/UOL Mariana Pekin/UOL

Lotação em São Paulo

Principal palco de espetáculos no Brasil, o Allianz Parque recebeu os quatro shows de São Paulo da turnê. E todos eles tiveram lotação máxima, com 45 mil pessoas. A festa do público trintão - a maior parte era de fãs que cresceram junto com eles - teve balões, plaquinhas personalizadas, papel picado, fogos de artifício, coreografias e, claro, muitas lágrimas de emoção.

"A gente já veio a vários shows aqui no Allianz Parque, mas nunca imaginamos que um dia estaríamos aqui nesse palco" confessou Sandy.

O repertório seguiu a mesma linha dos outros shows da turnê, com pequenas alterações na parte acústica, em que eles interagem e atendem a pedidos do público.

Mariana Pekin/UOL Mariana Pekin/UOL

Maria Chiquinha

Com uma letra de teor machista, Maria Chiquinha não estava no set list da turnê, mas acabou sendo cantada pelo público em Fortaleza quando um problema no som provocou uma breve interrupção no show.

A dupla entrou na brincadeira, mas alterou o final da música, atualizando-a aos novos tempos. Em vez de dizer "O resto? Pode deixar que eu aproveito" bem no finalzinho da canção, Junior deu o seu recado:

Para com isso. Isso não é mais aceitável. Não são mais os anos 90. Não vou fazer nada com o resto. Deixa em paz a Maria Chiquinha. A Maria Chiquinha faz o que ela quiser no mato.

Shows na gringa

Em 02 de outubro Sandy e Junior se tornaram os primeiros artistas brasileiros a pisarem no palco do Barclays Center, em Nova York, nos EUA. O local já recebeu astros internacionais como Beyoncé, Paul McCartney, Pearl Jam, Elton John, Coldplay, Justin Bieber, entre outros.

Os irmãos surpreenderam o público cantando "I will be there", de Jackson 5. Uma parte da música foi cantada em inglês e, em seguida, eles continuaram com a versão em português, lançada em 1994, intitulada "Com Você".

Além do show em Nova York, eles também cantaram em Lisboa.

Eduardo Martins / AgNews Eduardo Martins / AgNews

Looks da Sandy

O stylist Luís Roberto de Castro Rios e a consultora de estilo foram os responsáveis pelos looks de Sandy durante a turnê. Desde a primeira reunião com a cantora, que acompanhou todo o processo de criação das peças, até os shows foram dois meses e meio de ajustes.

"As peças foram desenhadas por nós e confeccionadas pela [estilista] Michelly X. A direção da turnê nos revelou as cores que seriam utilizadas no cenário, nós colocamos as ideias no papel e apresentamos para a Sandy. Então, alinhamos juntos. Ela participou de todo o processo de criação", contou Rio. Foi da direção, ainda, a decisão de três trocas de roupa.

Depois da turnê

Vai ser diferente. Claro que a gente já estava acostumado com aquela vida [de carreira solo]. Isso que foi a novidade toda, teve um ajuste constante de como lidar a ser dupla de novo, de ser 50% em todas as decisões. Vai ser confortável voltar, mas vai deixar uma saudade...

Sandy

Curtiu? Compartilhe.

Topo