Mestre do golpe de Hollywood

O brasileiro Rigan Machado está por trás do jiu-jítsu de Pantera Negra, John Wick e até de Chuck Norris

Felipe Branco Cruz Do UOL, em São Paulo
Apu Gomes/UOL

No filme "Pantera Negra", após a morte do antigo rei, o trono de Wakanda fica vago e o filho T-Challa é apontado como herdeiro natural. Mas a coroação só poderá ser consumada se todas as tribos do reino o aceitarem como novo governante. M'Baku, líder da tribo rival Jabari, não concorda e o desafia para um combate em que o vencedor ocupará o trono.

A luta começa e T-Challa logo derruba M'Baku. Em seguida, ele dá uma raspagem e encaixa um triângulo (chave de pernas) pelas costas. M'Baku fica completamente imobilizado, ao mesmo tempo em que é sufocado e tem um braço prestes a ser quebrado. Sem alternativa, ele desiste da luta batendo três vezes com a mão. T-Challa é coroado rei e assume o uniforme do Pantera Negra.

Chadwick Boseman, que vive o herói do filme da Marvel, aprendeu o tradicional golpe de jiu-jítsu com o brasileiro Rigan Machado, 52, faixa vermelha e preta (8º grau) e campeão Pan-Americano em 1996 e 1997. Rigan se especializou em ensinar a arte marcial para celebridades de Hollywood em sua academia em Beverly Hills, em Los Angeles.

E "Pantera Negra", indicado a sete categorias do Oscar 2019, é só mais um dos trabalhos desenvolvidos por Rigan. Em "Velozes e Furiosos 7", por exemplo, são deles os golpes da briga final entre Jason Statham e Vin Diesel. Mas foi em "John Wick 2" que Rigan conseguiu botar em cena centenas de movimentos de jiu-jítsu, aplicados com perfeição por Keanu Reeves.

A cena da luta entre T-Chaka e M'Baku em "Pantera Negra"

Apu Gomes/UOL

Celebridades no tatame

Entre os famosos que treinam jiu-jítsu com Rigan estão Ashton Kutcher, Keanu Reeves, Vin Diesel, Mel Gibson, Mickey Rourke, Ziggy Marley, Bradley Cooper, Joel Kinnaman, Charlie Hunnam, Patrick Muldoon, Scarlett Johansson e a cantora Demi Lovato.

Tenho mais de cem alunos que pagam US$ 500 por hora de aula. Para alguns, que preferem aprender em casa, eu cobro ainda mais caro.

Tanta exclusividade é necessária, afinal Rigan garante que nenhum de seus alunos se machuque nos treinos. "Esses atores têm contratos de milhões de dólares. Imagine se eles se lesionam em uma aula minha e têm que desfalcar um filme?".

"O TMZ [site de celebridades americano] e os paparazzi ficam em cima de mim e da academia em busca de alguma informação. Eles sabem que eu tenho os telefones de todos os meus alunos. Outras pessoas querem que eu entregue roteiros para as celebridades. Mas eu não faço isso. Dentro do tatame, eu sou o professor e eles, os alunos".

Apu Gomes/UOL
Reprodução Reprodução

Ajudinha de Chuck Norris

A ligação de Rigan com Hollywood vem desde o início dos anos 1990, quando ele e seus irmãos Carlos, Roger, Jean Jacques e John (todos mestres de jiu-jítsu) se mudaram para a Califórnia. Nos primeiros anos nos Estados Unidos, Rigan tentou lutar profissionalmente, mas não existiam campeonatos no país. Com dificuldades em se manter por lá, ele quase desistiu e voltou para o Brasil.

Até que, de repente, Chuck Norris surgiu na garagem de sua casa querendo aprender a arte marcial. Norris conheceu a luta no Rio de Janeiro com Hélio Gracie, criador do jiu-jítsu brasileiro ao lado do irmão Carlos Gracie. E, quando precisou voltar aos Estados Unidos, ouviu de Carlos Gracie Jr. que deveria procurar por seus primos, os irmãos Machado, para continuar treinando.

Naquela época, eu só tinha o visto de turismo e não tinha dinheiro para montar uma academia. Quando Chuck Norris soube disso, ele pagou o aluguel da academia por dois anos. Os advogados dele também ajudaram a regularizar a nossa situação no país.

Em uma entrevista para a TV americana, Chuck Norris revelou que queria treinar jiu-jítsu e precisava que os irmãos Machado ficassem nos Estados Unidos. A dedicação foi tanta que, alguns anos depois, Chuck ganhou a faixa preta das mãos do próprio Rigan. "Imagina que responsabilidade dar uma faixa preta para Chuck Norris?", brincou.

Os cinco irmãos se encontravam regularmente com Chuck Norris, mas agora o ator vive afastado em seu rancho, no Texas. "Ele já está velhinho, com 78 anos. Ele continua treinando com meu irmão em Dallas. Agora, temos que ter cuidado para não machucar o Chuck Norris".

Antes de Rigan se estabelecer como professor de jiu-jítsu das celebridades, ele e seus quatro irmãos fizeram diversas participações em filmes e séries de TV de Hollywood. A mais célebre foi na série "Walker, Texas Ranger" (1996), estrelada pelo próprio Norris. Em um dos episódios, os cinco irmãos aparecem ensinando jiu-jítsu para Chuck Norris e depois saem para uma balada, onde defendem o ator em uma briga de bar.

Chuck Norris e os irmãos Machado no tatame

Reprodução/Facebook Reprodução/Facebook

Keanu Reeves, o aluno dedicado

As cenas de luta do filme "John Wick 2" (2017) tiveram muito da mão de Rigan, que foi contratado para trabalhar no filme por meio da empresa 87Eleven. Foi neste período que ele estreitou o relacionamento com o ator Keanu Reeves e o levou para treinar na sua academia em Beverly Hills.

"O Keanu poderia ser um grande lutador de jiu-jítsu, mas ele tem um problema na coluna. O pescoço dele não é muito saudável. O joelho é bem ruim também. Ele tem algumas contusões e tivemos que tomar cuidado com elas. Num momento do treino, o joelho dele estava todo inchado. Eu tive que dizer: 'Pô Keanu, vamos pegar leve aí'".

De todas as celebridades com quem Rigan trabalhou, Keanu foi o mais dedicado, com 4, 5 horas de treino por dia. "Ele é muito detalhista nas posições. Um cara super simples. Tenho muito respeito por ele".

"Durante as gravações, o cara treinou seis meses sem parar para dar tiro, para as cenas jiu-jítsu e judô. Ele só não é muito do kickboxing, não", contou.

O treinamento de Keanu Reeves para viver John Wick

  • Ashton Kutcher, o melhor aluno

    Um dos melhores alunos de Rigan é o ator Ashton Kutcher, que ganhou recentemente a faixa roxa (penúltima faixa antes da preta). Kutcher ficou quase dois anos sem treinar depois de ter fraturado o pé em uma filmagem. "Ele é foda! O cara quando pega para treinar, não para. Mas meu treino com ele é bem cuidadoso". Para Rigan, se não fosse pelo risco de lesões, Kutcher poderia competir profissionalmente com grandes chances de ganhar os campeonatos.

    Imagem: Reprodução
  • Mel Gibson, o cara durão

    Rigan lembrou do dia em que foi assistir com Mel Gibson uma luta de UFC entre Conan McGregor e Khalib. A luta, no entanto, virou uma briga generalizada fora do octógono. "Nós estávamos na primeira fila e a porrada cantou do lado de fora. Eu levantei para proteger o Mel Gibson. Mas ele não queria, não. Ele me disse que se chegassem perto dele, ele meteria a mão na cara deles. Eu respondi: "Que isso, mermão. Eu sei que você sai na porrada com qualquer um, mas vamos lá para trás!'".

    Imagem: Reprodução
  • Joel Kinnaman, pronto para a luta

    O ator sueco Joel Kinnaman, que interpretou o policial Rick Flag em "Esquadrão Suicida", ganhou recentemente a faixa azul (primeira faixa depois da branca) de Rigan e postou um vídeo no Instagram comemorando a conquista. "Eu acabei de pegar minha faixa azul. O que significa que hoje vai ser um pesadelo. Ninguém é mais legal com você agora. Quando você é faixa branca, os faixa-pretas são bastante professorais. Mas depois que você vira faixa azul, eles começam a pegar pesado", disse Joel.

    Imagem: Reprodução
  • Paul Walker e os planos interrompidos

    Rigan tinha planos com Paul Walker de fazer um filme sobre jiu-jítsu no Brasil, mas foram interrompidos com a morte do ator em um acidente de carro. O roteiro já estava pronto e contaria a história de um grupo de caras que viajava para o Brasil para um campeonato. No país, os lutadores seriam chamados de "gringos" e se apaixonariam pela nossa cultura. "Ia ter drama e romance. A gente já tinha US$ 20 milhões para filmar", contou Rigan.

    Imagem: Reprodução
Divulgação Divulgação

Quando o mestre vira meme

Em 2017, Rigan gravou um vídeo caseiro em que cantava em homenagem a um amigo australiano, que havia completado 60 anos. Na letra, Rigan dizia a expressão "Another Day, Another Raspagem" (técnica em que o lutador que está por baixo consegue inverter de posição com o oponente). A música viralizou e Rigan virou meme entre os atletas.

"Então, num dia, eu estava numa festa com o Wiz Khalifa, que também já treinou comigo, e ele me disse com aquele jeitão dele: 'Hum? Quer dizer que você virou rapper?'. Depois, na academia, a Demi Lovato veio me perguntar se eu sabia cantar. Foi bem divertida a repercussão. O pessoal me sacaneou pra caramba".

A cantora Demi Lovato é fã de UFC e sempre acompanha as lutas. Ela é amiga de algumas lutadoras e frequentemente publica em seus stories no Instagram cenas de lutas e dos treinos na academia de Rigan. Por quase dois anos, Demi namorou o lutador brasileiro Guilherme "Bomba" Vasconcelos. Antes, ela já havia namorado com outro lutador, o americano Luke Rockhold.

Apu Gomes/UOL Apu Gomes/UOL

Levando o kimono para a TV

A amizade com as celebridades despertou o interesse dos canais de TV americanos. Rigan contou que, em breve, lançará um programa próprio de entrevistas com os artistas.

O piloto do programa, ainda sem nome, já foi gravado com o ator Charlie Hunnam, de "Rei Arthur, a Lenda da Espada" e "Sons of Anarchy".

"Ainda não temos um formato definido, mas a minha ideia é dar um passeio com as celebridades e falar sobre saúde, nutrição e passar uma boa mensagem, além de treinar jiu-jítsu", adiantou.

A ideia de Rigan é mostrar outras facetas das celebridades. Ele cita, por exemplo, o ator Asthon Kutcher, que tem um projeto para proteger crianças carentes. "Eu fiz pequenos filmes aqui e ali. Mas agora eu estou focado no meu próprio programa que deverá ser levado adiante nos próximos meses".

Curtiu? Compartilhe.

Topo