Topo

Entretenimento

Admissão anterior de Cosby sobre drogar mulheres levou à sua condenação, diz jurado

Mark Makela/Reuters
Bill Cosby foi considerado culpado de abuso sexual nos Estados Unidos Imagem: Mark Makela/Reuters

Gina Cherelus

Em Nova York

30/04/2018 17h29

A admissão feita por Bill Cosby em 2005 de que drogou mulheres para fazer sexo com elas foi o indício mais convincente que levou um júri do Estado norte-americano da Pensilvânia a considerá-lo culpado de agressão sexual, disse um dos jurados no programa "Good Morning America" da rede ABC nesta segunda-feira (30).

A confissão, que o comediante fez quando enfrentava uma ação civil, também foi um indício crucial para os procuradores no primeiro julgamento de Cosby, que terminou no ano passado sem que o júri tenha chegado a um veredicto.

Leia também 

"Foi seu depoimento", contou Harrison Snyder, de 22 anos, à ABC. "O senhor Cosby admitiu ter dado Quaaludes a mulheres, mulheres jovens, para fazer sexo com elas".

O artista de 80 anos, mais conhecido como o pai emblemático da série cômica dos anos 1980 "The Cosby Show", pode ser condenado a 30 anos de prisão quando for sentenciado nos próximos três meses por drogar e estuprar Andrea Constand, de 45 anos, em 2004 em sua casa em um subúrbio da cidade de Filadélfia.

O júri de sete homens e cinco mulheres, entre os quais Snyder, chegou a uma decisão unânime na quinta-feira, depois de 12 horas de deliberações e cerca de 10 meses depois de o júri anterior se deparar com um impasse no primeiro julgamento das mesmas acusações, o que levou o juiz a declará-lo nulo.

No depoimento da ação civil de 2005 apresentada por Andrea, Cosby admitiu ter dado drogas, incluindo o sedativo Quaalude, e álcool a mulheres antes do sexo, ter recebido Andrea em sua casa e uma série de outros atos.

No julgamento mais recente de Cosby, os procuradores apresentaram novas testemunhas que o juiz os havia impedido de convocar em 2017, incluindo cinco outras mulheres que o acusam de drogá-las e atacá-las.

Snyder disse à ABC que não estava familiarizado com Cosby e com o movimento #MeToo contra agressões e abusos sexuais antes do julgamento porque não acompanha o noticiário e que inicialmente não teve certeza de que o comediante era culpado. Ele se convenceu depois de ouvir os indícios.

"Se você estivesse lá, diria a mesma coisa. Diria que ele é culpado. Não tenho nenhuma dúvida".

Cosby planeja apelar do veredicto, o que poderia adiar seu aprisionamento por meses ou até anos. 

Mais Entretenimento